Enquanto Isso | Que as lojas de quadrinhos não fiquem na saudade

HQ/Livros

Lista

Enquanto Isso | Que as lojas de quadrinhos não fiquem na saudade

Mais: Um Grande Acordo, Alan Moore sem nome de Alan Moore, Adrian Tomine no Cinema, sugestões de Catarse e aniversários

Érico Assis
02.04.2021
15h08
Atualizada em
02.04.2021
17h25
Atualizada em 02.04.2021 às 17h25

O início do ano passado parece uma coisa distante, mas naquele outro mundo eu tinha um ritual de sábado à tarde: ir à Escudo Geek, pegar meus gibis da semana e ficar uns quinze minutos para conversar com o Antonio do Vale, o dono, e com outros que seguiam o ritual do sábado.

Conversas sobre gibi, claro. O que está saindo, o que vale a pena, o que não vale. Por que o filme da Marvel desse ano é ruim e por que o filme que a gente tinha achado ruim no ano passado, na verdade, é bom. Regatear por aquelas edições antigas da Piratas do Tietê, a coleção completa de Éden, uns importados que saíam de algum baú. Era o único lugar em que eu ficava à vontade de dizer quais gibis que eu traduzo são péssimos e que meus amigos deviam passar longe.

Amigos de banca, no caso. Não sei o que mais fazem da vida, não registrei nem os nomes (desculpem). Tinha o cara da barba, o moleque de óculos que só ficava escutando, tinha a menina que comprava pilhas de mangá enquanto o namorado marombeiro posava de guarda-costas, tinha o pessoal que vinha de cidades da volta, tinha crianças se decidindo entre Mônica ou Naruto (minha filha era uma). A gente tinha algo em comum.

Eu só tinha aqueles quinze minutos no sábado. Alguns passavam a tarde na banca. Eu também queria passar.

Os tempos pré-pandemia estão longe. Mas, se você tinha sua loja de quadrinhos por perto, faça uma força e você vai lembrar. Seja a Itiban (Curitiba), a Comix (São Paulo), a Quinta Capa (Teresina), a Comic House (João Pessoa), seja a banca da sua cidade decorada com Funko Pops: não eram só lugares para comprar gibi. Eram pontos de encontro, eram centros culturais, eram micro-mini-nano CCXPs e FIQs todo sábado à tarde.

Não estão sendo, por motivos que vão contra a vontade delas e do resto do planeta. Faz mais de um ano que, se não foi você mesmo que limitou suas saídas de casa, as prefeituras restringiram as aglomerações, a circulação nas ruas e o comércio físico. Lojas de quadrinhos são essenciais para nossa alma de leitor que quer mais leitura e conhecer outros leitores. Mas também é essencial que elas e outras lojas fiquem fechadas, fisicamente, para conter o avanço da pandemia.

O caso é que os tempos pós-pandemia estão mais perto do que os pré. Mesmo com desgoverno, estamos mais perto do fim dessa porcaria do que do começo. A dúvida é se as lojas de quadrinhos ainda estarão lá quando a gente chegar no pós.

Antonio do Vale, da Escudo Geek – a loja que frequento em Pelotas – diz que “o primeiro trimestre de 2021 foi pior do que qualquer trimestre de 2020, que já foram medonhos.” As vendas ficaram em um quinto do que é normal no período.

Muitos fregueses desapareceram. Somando variações de bandeira na região – que determinam que tipos de comércio podem abrir, de acordo com as ondas do vírus – e lockdowns, a loja passou um mês do trimestre de portas fechadas. A distribuição está bagunçada: a rede que se tinha para as revistas chegarem a pontos mais afastados do Brasil – como aqui, no extremo sul – deixou de existir. A loja tem feito um esquema praticamente de mercado direto: só encomenda das editoras o que os fregueses pedem.

Em cima disso, Vale diz que um fator forte é falta de poder aquisitivo dos clientes para comportar o aumento no preço de capa. “E aqui não culpo as editoras”, ele fala. “O custo Brasil está fora de controle, os insumos sobem uma vez por semana e o dólar está proibitivo.”

Vale inclusive pegou Covid-19 no final do ano passado. Está recuperado, felizmente, mas a Escudo Geek sofreu com semanas fechada e medidas de segurança para reabrir.

“Se eu tivesse juízo, já tinha fechado a loja”, ele me diz.

Guilherme Lorandi, da Loja Monstra (São Paulo), coloca em primeiro lugar na lista de problemas a falta de eventos que a própria Monstra promovia – como sessões de autógrafos, bate-papos ou liquidações.

Logo depois na lista de perrengue vêm a concorrência das grandes lojas online, as restrições para abertura física da loja, a falta de clientes eventuais e o aumento dos preços.

“Janeiro geralmente é um mês do ano mais parado mesmo, mas o faturamento foi de um terço em relação a janeiro de 2020”, ele conta. “Se janeiro é um mês fraco, e em janeiro de 2020 não havia pandemia, imagina um terço desse faturamento numa virada de ano de pandemia. Fevereiro mostrou uma reação, mas logo que março chegou com as novas e necessárias medidas restritivas, paramos de faturar.”

Eu já havia conversado com Lorandi em agosto, quando a Monstra estava se virando com horários alternativos e contato com os clientes via redes sociais. Desde lá, a loja estreou site próprio e está se puxando no que ele chama de “paixão e sedução”. Ele diz que só falta os clientes se acostumarem.

“Pode botar na conta do lápis. Frete grátis: a Monstra e a Amazon oferecem. Descontos: a Monstra e a Amazon oferecem. Pré-Venda com maior desconto: somente a Monstra oferece. Brindes exclusivos: somente a Monstra oferece. Pacotes personalizados: somente a Monstra oferece. Paixão e sedução: isso com certeza, é só na Monstra. Só não compra aqui quem ainda não se acostumou!”

Como a matéria do Gabriel Ávila mostrou na quarta-feira, aqui no Omelete, a situação é parecida em outra loja de quadrinhos de São Paulo, a Comic Boom! No Plural, Cristiano Castilho informou que a Itiban, com 31 anos em Curitiba, pode fechar em breve. As duas lojas também estão apostando nas vendas online para se sustentar até a volta da abertura física – com promoções e condições de pagamento especiais.

Comic Boom!, Itiban, Monstra, Comix e outras lojas uniram-se numa campanha que está circulando pelas redes sociais, a #ApoieAsLojasdeQuadrinhos. Com vídeos e outras postagens, a campanha quer justificar por que vale a pena comprar nas lojas neste momento – via digital – para garantir sua existência física no pós-pandemia. Como pontos de encontro, com eventos e com você namorando aquele importado na prateleira.

“Se você tem uma boa loja física na sua cidade, prestigie ela o máximo que puder”, diz Antonio do Vale, da Escudo Geek. “Enquanto ela existir, você terá um espaço único, diferenciado e alguém que te conhece pelo nome. Nas lojas virtuais, tudo é impessoal e você é apenas mais um número.”

“Falar de gibis enquanto a gente vive uma situação de guerra como essa é uma missão”, diz Lorandi, da Monstra, depois de citar os 66 mil mortos pela pandemia no Brasil, só em março. E em seguida solta a paixão e sedução:

“Eu tento usar uma venda no meu coração pra não enxergar essa atrocidade com a realidade. Nunca tive problemas pra dormir, mas nos últimos meses eu só consigo me acalmar às três da matina e despertar num susto às sete. Além de ter uma das empresas mais legais no meio dos quadrinhos, eu também sou uma pessoa. Que sente. Sente muito por isso. Pelos outros. É uma batalha diária afagar meu coração e vestir a camisa e ir pra luta. Eu também queria meu momento de desabar. Mas não posso. Eu sou resistência. Nós somos resistência. Lojas não são lugares que ‘vendem gibis a preço de capa’. A gente é instituição. A gente tem que estar de pé no final desse pesadelo, vendendo ou não vendendo, porque vai ser aqui que as pessoas voltarão a se reencontrar, sorrir, festejar e voltar a fazer história.”

Confira aqui as lojas, sites e outros contatos das lojas que fazem parte da campanha #ApoieAsLojasDeQuadrinhos.

UM GRANDE ACORDO EM QUADRINHOS

Um dos motivos para a pandemia estar demorando mais do que devia, explicado em quadrinhos. Um grande acordo nacional, reportagem em HQ do paranaense Robson Vilalba, sai no mês que vem.

É a história da derrubada da presidente Dilma Rousseff e dos principais envolvidos no golpe: o deputado Eduardo Cunha, a jurista Janaína Paschoal, o senador Romero Jucá e o vice-presidente Michel Temer. No meio disso, o próprio Vilalba tentando entender a situação como jornalista cobrindo a política brasileira.

“A HQ tem um tempo que é lento, próprio do processo”, diz Vilalba, em conversa pelo Facebook. “E isso ajudou muito nesse projeto. Eu acho que as análises em texto sobre o período tinham esse esforço de tentar dar conta de tudo e ‘para hoje’. Nos quadrinhos eu poderia ir recolhendo diferentes impressões e ir percebendo o desenrolar dos fatos. E, na minha opinião, isso garantiu ao livro uma certa perenidade.”

Grande Acordo está em pré-venda pela editora Elefante.

MOORE SEM NOME

Que Alan Moore é bom demais para o mundo em que a gente vive, você já sabia. Mas às vezes a gente desconfia por que Moore insiste com suas moorices.

Por exemplo: semana que vem sai nos EUA In Pictopia, edição de luxo de uma história curtinha escrita por Moore, com arte de Don Simpson, Mike Kazaleh, Pete Poplaski e Eric Vincent. Mas o nome de Moore não está na capa nem na divulgação – provavelmente a pedido dele.

Na descrição da editora Fantagraphics, In Pictopia é “uma HQ lendária criada em 1986, escrita pelo autor mais ousado daquela era”.

Por que o nome de Moore não aparece? Ninguém sabe. Mas quase todo mundo sabe que “Em Pictopia” é de Moore. Desde que saiu numa antologia, há 35 anos, ela circula entre os fãs do barbudão de Northampton e há pouco tempo entrou na coleção Histórias Brilhantes (lançada pela Mythos no ano passado). É realmente uma HQ lendária.

Uma página de “Em Pictopia”

Em entrevista recente ao canal Inteligência Limitada, o editor Alexandre Callari, da Pipoca & Nanquim, disse que a editora tentou negociar novos materiais de Moore para publicação no Brasil – e não conseguiu, porque Moore não libera os direitos. Aparentemente, o “autor mais ousado” dos anos 1980 não quer que alguns de seus quadrinhos voltem a circular.

O que é totalmente do direito de qualquer autor. Mas não deixa de ser uma moorice meio estranha.

É o que também estranha o novo agente literário de Moore, James Wills, em entrevista ao Bookseller. Apesar de ter agentes para seus quadrinhos, Moore publicou alguns livros de prosa e nunca teve agente nessa área, até agora.

“Ele me disse que não acreditava em agentes”, diz Wills. “E é uma pena, porque talvez algumas coisas teriam sido diferentes pra ele. Mas estou feliz em representá-lo.”

Wills também diz que está negociando com editoras britânicas trabalhos inéditos de Moore: uma coleção de contos e uma série de “ficção especulativa” chamada Long London.

TOMINE NO CINEMA

Quando foi entrevistado para a CCXP no final do ano passado, Adrian Tomine disse que estava trabalhando na sua primeira experiência com roteiro para cinema – mas não podia dar detalhes.

Os detalhes saíram esta semana. O próprio Tomine adaptou seu primeiro trabalho extenso, Shortcomings, e o filme será a estreia do ator Randall Park na direção.

Tomine e Park já estão de papo há algum tempo.

Shortcomings trata do fim de um namoro e os caminhos que ele e ela tomam a seguir. Ben Tanaka, o cara, é um personagem detestável. Miko Hayashi, a menina, é uma ativista política ligada em questões raciais. O pano de fundo é a vida dos jovens de ascendência asiática nos EUA.

A graphic novel é inédita no Brasil.

Outra adaptação de Tomine deve sair este ano. Les Olympiades, com direção do francês Jacques Audiard, está em pós-produção e já ganhou distribuidor e títulos nos EUA: Paris, 13th District. O roteiro mistura trechos de Intrusos e de Summer Blonde, duas coleções de contos de Tomine.

TRÊS CATARSES

Helô d’Angelo vai reunir as histórias dos seus vizinhos paulistanos durante a pandemia em álbum. É Isolamento, que acabou de estrear no Catarse. Serão 200 páginas do que ela publicou nas suas redes entre o ano passado e este. Tem apoios a partir de R$ 30.

Uma Nuvem no seu Oliveira é a colaboração entre Phellip Willian e Eduardo Ribas com a história de um velhinho rabugento que quer ditar a vida das crianças do bairro. Dá para apoiar com direito a arte comissionada e preços módicos. A campanha vai até 4 de maio.

Dieferson Trindade tem só 24 anos, é porto-alegrense e já lançou sete HQs via Catarse. A nova chama-se Os Dias Ruins Acabaram, e trata de dois amigos caminhando pelo bairro enquanto discutem família, políticos e sorvete. Só o traço do Dieferson já é um acontecimento no quadrinho brasileiro, e ele ainda manja bem de diálogos. A HQ custa só R$ 24.

VIRANDO PÁGINAS

A primeiríssima página de Sin City, de 1991

Sin City, de Frank Miller, estreou há 30 anos na Dark Horse Present Fifth Anniversary Special. O que começou como uma série de pequenas histórias virou um dos maiores trabalhos da vida de Miller. Escrevi 25 curiosidades sobre a série quando ela fez 25 anos, aqui no Omelete.

Stefano Tamburini, um dos criadores de Ranxerox e fundador das revistas italianas Cannibale e Frigidaire, faleceu há 35 anos por overdose de heroína. Seu corpo foi encontrado no apartamento em Roma em abril de 1986, e ninguém sabe a data exata do falecimento. Ele tinha só 30 anos.

O pernambucano Watson Portela publicou uma das primeiras “graphic novels” brasileiras, Paralelas, há 35 anos. Era uma coleção de histórias autorais de Portela, que já tinha carreira no quadrinho erótico e viria a produzir muito na Editora Abril. Paralelas foi reeditado pela Devir em 2015.

Jason Lutes começou a publicar Berlim como série em abril de 1996, há 25 anos. Levaria quase todo esse tempo para concluir a história, o calhamaço que saiu no ano passado no Brasil (pela Veneta) e que é um dos grandes quadrinhos americanos da década.

UMA CAPA

Provisória, daquele que provavelmente será o quadrinho mais vendido no mundo em 2021: Asterix e o Grifo, nova aventura dos gauleses por Jean-Yves Ferri e Didier Conrad. Foi divulgada esta semana. Asterix continua sem publicação no Brasil e ninguém entende por quê.

UMA PÁGINA

De Grant Snider, dos brilhantes Incidental Comics. Tradução rápida: O que é este desejo / de viver / mais de uma vida? / A que eu tenho / já rebenta pelas bordas / transborda pelas margens / vence as fronteiras / com som e com luz / e quer alçar voo."

 

(o)

Sobre o autor

Érico Assis é jornalista da área de quadrinhos desde que o Omelete era mato e autor do livro Balões de Pensamento.

Sobre a coluna

Toda sexta-feira, virando a página da semana nos quadrinhos. O que aconteceu de mais importante nos universos das HQs nos últimos dias, as novidades que você não notou entre um quadrinho e outro. Também: sugestões de leitura, conversas com autores e autoras, as capas e páginas mais impactantes dos últimos dias e o que rolar de interessante no quadrinho nacional e internacional.

#35 - Por que a Marvel sacudiu o mercado ontem

#34 - Um quadrinista brasileiro e um golpe internacional

#33 - WandaVision foi puro suco de John Byrne

#32 - Biografia de Stan Lee tem publicação garantida no Brasil

#31 - Sem filme, McFarlane aposta no Spawnverso

#30 - HQ dá solução sobrenatural para meninos de rua

#29 - O prêmio de HQ mais importante do mundo

#28 - Brasileiros em 2021 e preguiça na Marvel

#27 - Brasileiros pelo mundo e brasileiros pelo Brasil

#26 - Brasileiros em 2021 e a Marvel no Capitólio

#25 - Mais brasileiros em 2021

#24 - Os brasileiros em 2021

#23 - O melhor de 2020

#22 - Lombadeiros, lombadeiras e o lombadeirismo

#21 - Os quadrinistas e o bolo do filme e das séries

#20 - Seleções do Artists’ Valley

#19 - Mafalda e o feminismo

#18 - O Jabuti de HQ conta a história dos quadrinhos

#17 - A italiana que leva a HQ brasileira ao mundo

#16 - Graphic novel é só um rótulo marketeiro?

#15 - A volta da HQ argentina ao Brasil

#14 - Alan Moore brabo e as biografias de Stan Lee

#13 - Cuidado com o Omnibus

#12 - Crise criativa ou crise no bolo?

#11 - Mix de opiniões sobre o HQ Mix

#10 - Mais um fim para o comic book

#9 - Quadrinhos de quem não desiste nunca

#8 - Como os franceses leem gibi

#7 - Violência policial nas HQs

#6 - Kirby, McFarlane e as biografias que tem pra hoje

#5 - Wander e Moebius: o jeitinho do brasileiro e as sacanagens do francês

#4 - Cheiro de gibi velho e a falsa morte da DC Comics

#3 - Saquinho e álcool gel: como manter as HQs em dia nos tempos do corona

#2 - Café com gostinho brasileiro e a história dos gibis que dá gosto de ler

#1 - Eisner Awards | Mulheres levam maioria dos prêmios na edição 2020

#0 - Warren Ellis cancelado, X-Men descomplicado e a versão definitiva de Stan Lee

 

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.