Enquanto Isso... nos Quadrinhos | Os brasileiros em 2021

HQ/Livros

Lista

Enquanto Isso... nos Quadrinhos | Os brasileiros em 2021

No que os quadrinistas vão trabalhar este ano, mais despedidas de 2020, Tolet e uma página de quatro metros

Érico Assis
04.01.2021
14h07
Atualizada em
11.01.2021
10h13
Atualizada em 11.01.2021 às 10h13

O que você produziu de melhor em 2020?

E quais são seus projetos para 2021?

Mandei essas duas perguntas para uma lista de quadrinistas do Brasil. Vou publicar as respostas na coluna durante janeiro.

Quanto ao melhor de 2020, vale tudo: uma HQ inteira, uma página, uma tira, uma capa, uma charge, uma ilustração. Só pedi que me enviassem uma imagem.

Quanto a 2021, cada um e cada uma pode interpretar como quiser, falando sobre a vida ou sobre trabalho.

PEDRO COBIACO E O TEMPO

O novo trabalho de Pedro Cobiaco (Aventuras na Ilha do Tesouro), no qual ele investiu boa parte de 2020, chama-se Haya e o Tempo. O projeto foi aprovado no Proac no ano passado e sai este ano pela Mino. A página acima estreia aqui com exclusividade.

“É um quadrinho pensado para todos os públicos. A história trata de duas amazonas, uma garota e uma velha, que saem de sua aldeia em uma jornada: elas foram escolhidas para proteger uma criatura mágica, que irá caminhar de um lado ao outro da Amazônia carregando consigo a passagem do tempo. Para isso, deverão enfrentar um grupo de grandes empresários que querem raptar a criatura para controlar o tempo a serviço de seus negócios. A história é narrada em parte pela própria fauna e pela flora da floresta amazônica.”

Cobiaco já tem outro trabalho agendado em seguida: um quadrinho documental sobre a Democracia Corinthiana. Dessa vez ele trabalha com Janaína de Luna (roteiro), Marina de Campos (pesquisa/roteiro) e Marcelo Alexandre Becker, jornalista do Identidade Corinthiana que vai fazer assistência na pesquisa e revisão. É outro projeto original da Mino, previsto para sair em 2022 nos 40 anos do Democracia.

“Pretendo continuar trabalhando como colorista para o mercado internacional” – ele coloriu a capa de Cavaleiro das Trevas: a Criança Dourada e uma de Flash, e deve anunciar outros trabalhos em breve – “e vou seguir como professor no projeto Narrativas Periféricas, que terá sua segunda edição.”

VERÔNICA BERTA, REALISTA MÁGICA

“Estou escrevendo o roteiro de uma HQ, então ainda não tenho como te mandar uma sinopse ou algo assim”, me escreveu a paulista Verônica Berta, autora de Ânsia Eterna (finalista do Jabuti de quadrinhos em 2019). “Ainda está bem cru.”

Mas ela adiantou que “o assunto principal do projeto é identidade paulistana e seu gênero é inspirado no realismo mágico”.

Do melhor de 2020, ela me mandou essa pequena HQ inspirada em Carmen Miranda, que saiu no Instagram e também virou pôster. Dá para conhecer mais do trabalho dela através do Apoia-se.

CAMILO SOLANO FAZENDO UM GIBIZÃO

O ano do Camilo Solano foi de Cascão. Temporal, a Graphic MSP que saiu em março, foi uma das primeiras HQs prejudicadas pela pandemia: os eventos de lançamento típicos (e movimentados) das Graphic MSP foram cancelados.

A nova estratégia foi fazer lançamentos virtuais e oferecer edições autografadas com venda pela internet. Foram mais ou menos quinhentas - cada uma acompanhada de uma pequena aquarela.

"Eu quis fazer isso como um carinho a todos que compraram meu novo livro em um ano tão duro, com a pandemia. Tentando também retribuir esse carinho que faltou tanto pelo distanciamento e por não ter tido nenhum evento."

O projeto para 2021 é maior. “Estou fazendo essa nova HQ, grande, com mais de duzentas páginas”. Mas ele só falou do tamanho; tema, nome e editora ainda estão em sigilo.

Solano vem fazendo um monte de ilustrações, que publica no Instagram e às vezes mostra o processo no YouTube. A de Charlie Brown e Snoopy é espetacular.

JÉSSICA GROKE, ME ACEITE QUANDO EU APRESENTAR

A autora de Me Leve Quando Sair, Babilônia e Piracema já respondeu sobre seu melhor de 2020 com uma página que deve sair em 2021: de Concreto, uma HQ ainda inédita.

Assim como Solano, ela também vai fazer um quadrinho longo. “Será um Romance Gráfico de umas 200 páginas que espero que a Companhia das Letras aceite publicar quando eu apresentar pra eles hahahaha”, ela respondeu por e-mail.

“Focarei o ano inteiro nesse projeto. Será bem trabalhoso, mas estou ansiosa pra trabalhar. Topei esse desafio para 2021. Se eu sobrevivi a 2020, consigo fazer esse quadrinho”.

Vale a pena ver outros quadrinhos da Jessica aqui.

ANDRÉ VALENTE, TOLET

Não perguntei para o André Valente qual foi o melhor dele em 2020. Eu mesmo escolhi (e nem conferi o que mais ele fez em 2020, que foi um monte de coisa).

O caso é que assisti Tenet no fim do ano e expressei minha imensa vontade de ver uma típica sátira cinematográfica da Mad de Tenet. Não era direcionado a ninguém, mas Valente atendeu na hora.

(Mort Drucker, uma das vítimas de 2020 e autor de centenas de sátiras de filmes na Mad, pode descansar em paz.)

Planos para 2021, Valente?

"Terminando Colocs du Temps pra Dupuis e contribuindo ocasionalmente com a Fluide Glacial. Mas principalmente: sobrevivendo."

OBRIGADO/NÃO OBRIGADO, 2020

Eleanor Davis, a melhor quadrinista do mundo, se despediu de 2020 com um “editorial ilustrado” no New York Times.

Na verdade, saiu no Dia de Ação de Graças, mas só vi agora. Tem um trecho no instagram da autora, abaixo, e completo aqui.

VIRANDO PÁGINAS

Hayao Miyazaki completa exatamente oito décadas amanhã, dia 5. Seu maior quadrinho, Nausicaä do Vale do Vento, deve ser relançado este ano no Brasil – foi anunciado pela JBC no início do ano passado – e finalmente vai sair completo.

Há 50 anos, em janeiro de 1971, chegava às bancas do Brasil Pato Donald n. 1000. Embora não tenha sido exatamente a primeira revista da Abril, a editora tratava Pato Donald n. 1 como sua primeira publicação. A revista foi até o número 2481, em 2018Este mês a Abril fecha sua última e gigante gráfica.

Elektra comemora 40 anos este mês, tendo sido criada por Frank Miller em Daredevil n. 168, de janeiro de 1981. “Dias de um Futuro Esquecido”, uma das histórias mais famosas dos X-Men, começou a sair no mesmo mês em Uncanny X-Men n. 141.

E, há 25 anosOs Fabulosos X-Men n.1, com capa metalizada e ilustração exclusiva de Roger Cruz, lançou a primeira revista mutante em formato americano no Brasil.

UMA PÁGINA

Nick Sousanis, autor de Desaplanar, tem pretensões megalomaníacas com seu novo livro – que parece que vai se chamar Nostos (“retorno” em grego antigo). Um dos capítulos é essa tira de quatro metros e meio.

Quando sair em livro, o capítulo provavelmente vai ficar em várias páginas duplas – como Promethea n. 12, uma de suas inspirações. Mas vai que role uma edição especial em pergaminho.

UMA CAPA

De Frank Quitely, para The Joker n. 1. A nova série do palhaço começa em maio nos EUA. Recomendo muito ampliar para ver cada detalhe.

 

(o)

Sobre o autor

Érico Assis é jornalista da área de quadrinhos desde que o Omelete era mato.

Sobre a coluna

Toda sexta-feira, virando a página da semana nos quadrinhos. O que aconteceu de mais importante nos universos das HQs nos últimos dias, as novidades que você não notou entre um quadrinho e outro. Também: sugestões de leitura, conversas com autores e autoras, as capas e páginas mais impactantes dos últimos dias e o que rolar de interessante no quadrinho nacional e internacional.

#23 - O Melhor de 2020

#22 - Lombadeiros, lombadeiras e o lombadeirismo

#21 - Os quadrinistas e o bolo do filme e das séries

#20 - Seleções do Artists’ Valley

#19 - Mafalda e o feminismo

#18 - O Jabuti de HQ conta a história dos quadrinhos

#17 - A italiana que leva a HQ brasileira ao mundo

#16 - Graphic novel é só um rótulo marketeiro?

#15 - A volta da HQ argentina ao Brasil

#14 - Alan Moore brabo e as biografias de Stan Lee

#13 - Cuidado com o Omnibus

#12 - Crise criativa ou crise no bolo?

#11 - Mix de opiniões sobre o HQ Mix

#10 - Mais um fim para o comic book

#9 - Quadrinhos de quem não desiste nunca

#8 - Como os franceses leem gibi

#7 - Violência policial nas HQs

#6 - Kirby, McFarlane e as biografias que tem pra hoje

#5 - Wander e Moebius: o jeitinho do brasileiro e as sacanagens do francês

#4 - Cheiro de gibi velho e a falsa morte da DC Comics

#3 - Saquinho e álcool gel: como manter as HQs em dia nos tempos do corona

#2 - Café com gostinho brasileiro e a história dos gibis que dá gosto de ler

#1 - Eisner Awards | Mulheres levam maioria dos prêmios na edição 2020

#0 - Warren Ellis cancelado, X-Men descomplicado e a versão definitiva de Stan Lee

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.