Melhores filmes de 2018

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Lista

Melhores filmes de 2018

Segundo o editorial do Omelete

A cozinha
31.12.2018
11h00
Atualizada em
26.12.2018
18h02
Atualizada em 26.12.2018 às 18h02

Continuando a série de listas com os favoritos do Omelete em 2018, selecionamos os filmes que marcaram o nosso ano.

Veja também:

Hereditário

Divulgação

O terror de Ari Aster é facilmente um dos melhores do ano, com sua jornada que vai do luto à insanidade em um conto violento, mas com forte charme teatral. Hereditário é um pesadelo vívido, daqueles que não sai da memória nem quando você acorda - Arthur Eloi

Uma experiência única. Não só pelo medo, mas pelo impacto que ele deixa. A direção de Ari Aster (em sua estreia, o que é absurdo) é arrepiante e a performance de Toni Colette é uma combinação perfeita. Já assisti algumas vezes e toda vez sinto o mesmo impacto. O que Hereditário fez é raro de ver. É diferente, é arriscado e bizarramente tenso - Julia Sabbaga

Ilha de Cachorros

Divulgação

Wes Anderson acerta em cheio na sua volta à animação stop motion, um meio que se adapta perfeitamente à visão do diretor. Fora a história emocionante, todos os detalhes e nuances do design de produção retratam um Japão cartunesco e esteticamente encantador. Wes Anderson é um gênio, ponto finalRyan Smallman

Tully

Divulgação

A maternidade mostrada de uma forma diferente dos contos de fada, muito mais realista do que muita gente imagina - Marcelo Forlani.

Aniquilação

Divulgação

Gostei muito dos conceitos apresentados e de sua execução. Da primeira vez, achei o final meio ridículo e sem sentido, mas da segunda vez, o filme ficou incrivelmente melhor. A biologia do filme é fantástica - Luiz Torreão

Infiltrado na Klan

Divulgação

Spike Lee volta a sua melhor forma e cria uma história que é ao mesmo tempo divertida e instigante, que obriga o espectador a pensar e refletir sobre o que acabou de ver na telona. Com atuações sólidas de John David Washington e Adam Driver, o grande destaque é o roteiro, que ao invés de tratar essa história real como um drama faz com que ela seja uma comédia absurda - o que deixa as cenas finais ainda mais tensas e pesadas.  Esse não é só um dos melhores filmes do ano, como também é um dos mais importantes - Fábio Gomes.

John David Washington, filho do Denzel Washington, faz em seu primeiro filme uma interpretação bem humorada e tensa nos momentos certos ao viver um policial negro, americano que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan no final dos anos 70. Adam Driver também está excelente como policial que, no meio da investigação da Klan com o parceiro (Washington), reflete pela primeira vez sobre a sua identidade e espaço dentro dos EUA. O filme é baseado em fatos, porém, o que mais choca são as cenas que retratam alguns caminhos da sociedade atualCamila Leal

Vingadores: Guerra Infinita

Divulgação

Pode parecer uma escolha óbvia, mas além dos efeitos visuais, o longa me surpreendeu por apresentar um vilão completo e a derrota dos heróis, algo inédito até então nos filmes baseados em quadrinhos. Guerra Infinita mostrou um amadurecimento da Marvel e o fechamento de um ciclo. Com certeza marcou meu 2018 - Camila Sousa

Apesar de todos os grandes filmes desse ano, Guerra Infinita, além de atingir todas as minhas expectativas , entregou um roteiro impecável e um final certeiro. Com certeza é o melhor filme do ano, e o melhor filme de super-heróis (até agora)Arthur Braga

 

Arábia

Divulgação

Filme brasileiro feito com coração a partir de operações estéticas bastante cerebrais e que só por isso - sem contar a temática e o contexto histórico - já serviria para colocá-lo acima da média de 2018 - Marcelo Hessel

Roma

Divulgação

O filme de Alfonso Cuarón representa uma nova era do cinema de autor, saindo do circuito restrito para o lançamento global graças ao desejo das plataformas de streaming como a Netflix de equilibrar produção industrial e prestígio - esquema estabelecido por Hollywood há décadas, mas que perdeu a força (ou a vontade de ousar) ao longo dos anos. Graças a isso, Cuarón pôde rodar Roma como se fizesse parte dos movimentos cinematográficos das décadas de 50 e 60. É um filme pessoal, inventivo e que certamente teria dificuldade para encontrar salas de cinema, não apenas por ser preto e branco, falado parte em espanhol, parte no dialeto Mixtec ou misturar realismo e fantasia em um roteiro sem amarras estruturais, mas também por dar protagonismo a Cleo (Yalitza Aparicio), cuja vida simples e difícil ganha contornos épicos graças a sensibilidade do cineasta. Uma luz rara e muito bem-vinda no cinema, seja na tela grande ou nas múltiplas possibilidades de exibição do streaming - Natália Bridi.

Histórias simples, cotidianas, contadas com primor visual e uma sensibilidade tocante. Melhor filme da carreira de Cuarón - Thiago Romariz 

Os Incríveis 2

Divulgação

Os Incríveis foi um dos meus primeiros DVDs e eu assistia ao filme constantemente durante a minha adolescência. A expectativa para a continuação estava altíssima - e não há coisa pior do que expectativa alta para um filme aguardado. Mas Os Incríveis 2 não só correspondeu como ultrapassou tudo o que eu esperava, com uma trama incrível e atual, um visual impecável e a mesma família Pêra de 14 anos atrás - Aline Diniz

Benzinho

Divulgação

Benzinho é um filme que traduz muito bem o que é o Brasil. Gustavo Pizzi e Karine Teles criaram uma narrativa encantadora e completamente honesta sobre uma família que poderia ser a minha ou a sua, enfrentando desafios da vida. Além de muito bem escrito, o filme ainda traz performances incríveis de Telles e Adriana EstevesMariana Canhisares

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo

Divulgação

Extremamente brega e previsível, mas absolutamente delicioso de assistir! Apesar de termos um ano recheado de blockbusters incríveis, este foi o filme que mais aqueceu meu coração ao sair do cinema. Meryl Streep saiu de cena para abrir espaço para uma inspiradíssima Lily James, que não só incorporou os trejeitos da atriz veterana, mas explodiu um carisma tão grande quanto. É um longa que se você pensar muito, encontra furos de roteiro, algumas desconexões, mas no fim, é uma diversão sem igual para quem ama musicais. Estou cantarolando ABBA até hoje - Patricia Gomes