"409 Conflict", de Mr. Robot

Créditos da imagem: Mr. Robot/USA Network/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Mr. Robot | Elliot tem grande vitória no Episódio 9 da 4ª temporada

Programa entrega momentos esperançosos para inaugurar reta final

Arthur Eloi
04.12.2019
17h42

O conflito entre Elliot (Rami Malek) e o Dark Army ficou de plano de fundo durante o início da última temporada de Mr. Robot. Agora, na reta final, o arco ganha importância novamente em um episódio tenso e catártico.

[Cuidado! Spoilers do S04E09 de Mr. Robot]

409 Conflict” é o resultado de todas as ações que o protagonista tomou enquanto passava por sua crise de identidade, como a invasão dos servidores ou ter manipulado seu interesse romântico. Até agora o plano de ataque não havia ficado claro para o espectador - e isso ajuda muito na tensão de vê-lo ser executado em meio ao caos. O problema é que Elliot, após enfrentar traumas e memórias reprimidas, não consegue lidar com a investida, e é assim que Mr. Robot (Christian Slater) assume a liderança. O ator já havia demonstrado potencial como centro dos holofotes com sua narração sombria e intensa, e também não decepciona no lugar de protagonista. Ele e Darlene (Carly Chalkin) organizam um golpe no Deus Group, a reunião da elite mundial que secretamente está no controle de tudo. Para isso, a dupla resgata a fsociety em grande estilo, e expõe ao mundo tudo que acontece nas sombras.

O que carrega a tensão do episódio não é apenas os ataques de Darlene e Mr. Robot, mas principalmente como Phillip Price (Michael Cristofer) distraí Whiterose (BD Wong), líder do Dark Army, enquanto tudo é executado. O personagem tem um dos arcos mais interessantes, já que começou o seriado como o antagonista CEO da E Corp, mas agora é um grande aliado de Elliot após a morte de Angela (Portia Doubleday), sua filha. Luto e vingança o motivam a se juntar à fsociety numa função vital para o sucesso, e Price segura muito bem a barra. Sabendo do apego que o oponente tem por controle, ele o desestabiliza facilmente ao demonstrar que já não tem mais nada a perder. O hacker chinês até tenta rebater com a ilusão de que Angela ainda está viva, mas a mentira tem pouco efeito em Price. Essa dificuldade em se defender faz com que Whiterose se torne instável e violento, se voltando até contra os seus próprios. No fim das contas, quando o plano dos protagonistas é concluído com perfeição, Price relembra sua estratégia: “Sou um mercenário. Prefiro ver você perder do que eu ganhar”. Como esperado, isso não termina bem para ele.

É um capítulo que brilha pelo roteiro, especialmente nos diálogos, e que funciona por enfim entregar uma vitória após muito sofrimento. Seja no passo-a-passo do golpe, o monólogo de Price, ou então Darlene saboreando sua vitória em meio aos protestos que eclodiram pelos vazamentos, há um tom catártico que poderia muito bem se passar por conclusão definitiva. A suave direção de fotografia de fotografia de Tod Campbell, combinada com os sintetizadores melancólicos de Mac Quayle, traz uma sensação de esperança que só deu as caras no piloto do seriado, quando Elliot percebeu que poderia mudar o mundo para melhor com suas habilidades. Isso finalmente é comprovado aqui, quatro anos após o começo de tudo. A série então lembra que ainda tem muito a resolver, como a terceira personalidade do protagonista, a resposta do Dark Army e, agora, a morte de Phillip Price. Mesmo assim é certo que, daqui para a frente, Mr. Robot não será mais a mesma.

Não há previsão de estreia para a quarta temporada de Mr. Robot no Brasil. As três temporadas anteriores estão disponíveis no catálogo do Amazon Prime Video.