Foto de Mr. Robot

Créditos da imagem: Mr. Robot/USA Network/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Mr. Robot retorna ao realismo sombrio em sexto episódio da última temporada

Série retoma o ritmo após dois capítulos experimentais

Arthur Eloi
13.11.2019
17h17

Os episódios 4 e 5 da temporada final de Mr. Robot são um triunfo da experimentação, parte central da série desde o início. E é ter essa comparação fresca na memória que torna o capítulo 6 drasticamente mais sóbrio eum verdadeiro soco no estômago.

[Cuidado! Spoilers do S04E06 de Mr. Robot]

406 Not Acceptable” é onde Elliot (Rami Malek) percebe que precisa acelerar o passo. Desde o início da fase atual, o hacker, se mostra impaciente e, consequentemente, menos cuidadoso. Isso ganha outro nível aqui, quando o protagonista planeja um ultimato para forçar com que Olivia (Dominik Garcia) colabore no seu golpe ao Deus Group, organização com fortes laços ao Dark Army. Há algo especialmente seco na trama sobre impaciência destrutiva se passar após dois capítulos de intensa exploração estética, o que soa quase como se Elliot cobrasse avanços por parte da produção da própria série e também do espectador.

O progresso vem, mas cobra um preço caríssimo: para obter as informações que queria, o hacker droga o café de seu interesse romântico, o que pode levar Olivia – dependente química em processo de reabilitação há 8 anos – a cair novamente no uso de drogas e ainda perder a guarda do filho. O golpe é especialmente doloroso considerando que sua introdução trouxe um dos poucos momentos de humanidade e conexão genuína que Elliot viveu no programa.

Momentos do tipo são elevados pela narração do Mr. Robot (Christian Slater) que, de forma áspera e quase ressentida, pontua o momento em que o próprio protagonista percebe que foi longe demais. O alter-ego teve sua própria evolução, e agora se encontra no papel do bom senso reprimido de Elliot:Ai está, entra a fala cirúrgica de Slater. Aquela sensação de pavor que só acontece quando se passa de um limite que você sequer sabia que existia. Talvez seja uma coisa boa. Afinal, quando se percebe que passou dos limites, significa que você ainda tinha algum. Quando todos os limites ultrapassados ficam para trás, resta apenas escuridão à frente.”

O restante do episódio não dá descanso ao público. O arco de Darlene (Carly Chaikin), por exemplo, chega muito perto de ser concluído com uma bala na cabeça por Dominique DiPierro (Grace Gummer). Sob as ordens do Dark Army, a agente invade a casa da irmã do protagonista com a missão de eliminá-la. Após o fim bruto que Angela (Portia Doubleday) recebeu nos momentos iniciais, Mr. Robot reconquistou sua capacidade de surpreender, ao ponto que quando uma arma é apontada para a cabeça de uma protagonista, há uma grande chance do gatilho realmente se puxado. O que acontece aqui é muito pior, com Janice (Ashlie Atkinson) – acompanhada de capangas do exército hacker chinês - encontrando as duas tramando uma forma de Darlene escapar. Considerando a capacidade de violência do Dark Army e o sadismo de Janice, a morte poderia sim ser um destino melhor para as personagens.

Porém a subtrama mais impactante é o interrogatório de Krista (Gloria Reuben), ex-psiquiatra de Elliot, por Fernando Vera (Elliot Villar). O ex-traficante teve poucos momentos desde o seu retorno, mas todos surpreendentes por sua personalidade ainda mais instável do que antes. Aqui ele ganha os holofotes para explicar o que quer com o protagonista: quebrá-lo, e depois reconstruí-lo como um aliado. O que torna tudo fascinante, além do diálogo afiado e da fotografia excelente, é a ótima atuação de Elliot Villar, que segura o público com controle absoluto. Ao longo de seu monólogo ele demonstra ameaça, ironia e emoção pura, transicionando organicamente entre esses estados – material de qualidade para um vilão. Agora que Vera sabe da existência do Mr. Robot, o traficante deve ganhar mais espaço na reta final, complicando ainda mais a briga de Elliot contra o Dark Army. Assim, o sexto episódio mostra que a temporada tem uma narrativa intrigante e original para entregar antes da conclusão, não se limitando ao fanservice ou à bizarrice – mas misturando tudo isso na dose certa.

Não há previsão de estreia para a quarta temporada de Mr. Robot no Brasil. As três temporadas anteriores estão disponíveis no catálogo do Amazon Prime Video.