Christian Slater e Rami Malek em Mr. Robot

Créditos da imagem: Mr. Robot/USA Network/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Mr. Robot explora origem do Dark Army e teorias de fãs no ano final

Segundo episódio do quarto ano trouxe possível confirmação de especulação do público

Arthur Eloi
14.10.2019
19h37

A temporada final de Mr. Robot começou com o pé direito ao trazer Elliot (Rami Malek) declarando guerra ao Dark Army. Agora, no segundo episódio, a origem do exército hacker é explicada, preparando o solo para a disputa com o protagonista, ao lado de uma grande revelação.

[Cuidado! Spoilers do S04E02 de Mr. Robot abaixo]

Payment Required” não tem a mesma intensidade do anterior, o que é esperado para garantir boa construção narrativa. A ideia agora é fazer as preparações finais para um conflito, ou seja, alianças. O capítulo dá bastante foco em fazer com que Elliot e Darlene (Carly Chaikin) resolvam suas diferenças. Assim, os irmãos trazem fantasmas do passado a tona, tanto no desprezo mútuo pela mãe quanto no assassinato de Susan Jacobs (Sandrine Holt) no ano dois, o qual o protagonista ainda não sabia que sua irmã cometeu. Essa reunião traz evolução a um arco em desenvolvimento desde a primeira temporada da série, quando os dois começaram a se afastar, e promete um núcleo central mais forte para combater Whiterose (BD Wong).

O hacker chinês, por sinal, tem bastante desenvolvimento no capítulo. A trama logo abre explicando como Zhi Zhang - sua personalidade pública - cresceu como Ministro da Segurança após se aproveitar de um momento caótico e conturbado da política ao fim dos século XX. A explicação, narrada por Phillip Price (Michael Christofer), ajuda também a entender a origem do poderoso Dark Army. Aparentemente, o ciberexército é financiado por uma organização chamada Deus Group, e pratica a mesma manipulação que levou Zhang ao sucesso através da tecnologia conectada da era da informação. É um esclarecimento necessário, visto que o grupo sempre soou muito elusivo, mesmo sem a série se apoiar nesse tipo de mistério.

Ao ritmo que se aproxima do fim, Mr. Robot parece mais disposta a colocar as cartas na mesa. O maior exemplo disso vêm numa revelação bombástica que acontece nos momentos finais: a existência de uma terceira personalidade além de Elliot e o titular Mr. Robot (Christian Slater). Para os teoristas, parece ser a tão aguardada confirmação de que Tyrell Wellick (Martin Wallstrom), antagonista inicial e, depois, aliado, também é um delírio do jovem. A especulação vêm desde o ano dois, desenvolvida a partir de interações duvidosas entre os dois e a natureza de plot twist do programa. Outra possibilidade é seguir pelo caminho de Fleabag e ter mais personagens reconhecendo a existência do público. A série, por enquanto, deixa isso em aberto (talvez para o episódio seguinte?) mas, considerando que é algo especulado desde o ano dois, fica claro como o programa está mais inclinado a servir respostas ao invés de mais perguntas.

Não há previsão de estreia para a quarta temporada de Mr. Robot no Brasil. As três temporadas anteriores estão disponíveis no catálogo do Amazon Prime Video.