Lewis Tan como Cole Young em Mortal Kombat (2021)

Créditos da imagem: Mortal Kombat (2021)/HBO Max/Divulgação

Filmes

Artigo

Como o ator principal de Mortal Kombat quer devolver dignidade a cenas de luta

Cotado para ser o Punho de Ferro, Lewis Tan alfineta Marvel e outros estúdios que não dão devido valor à porradaria bem feita

Arthur Eloi
18.03.2021
12h54

A ação é um dos gêneros mais populares de Hollywood, o que torna bem curioso o fato de que são raros os estúdios e cineastas que dão atenção redobrada a boas cenas de porradaria. A partir do começo dos anos 2000, quando os longas de brucutus como Arnold Schwarzenegger, Sylvester Stallone e Jean-Claude Van Damme saíram dos holofotes, uma tendência tomou conta da indústria: em vez de preparar os astros, “resolver” momentos intensos na edição. O resultado são anos de longas sem impacto, repletos de trechos picotados para esconder dublês e a inaptidão do elenco.

Recentemente, alguns cineastas, inspirados pelo frenesi de baixo orçamento e alto nível de porradaria das produções asiáticas, decidiram que era hora de dar um basta nessa tendência. Assim surgiu um movimento para valorizar a execução prática das mais complexas cenas de ação, que rendeu títulos como Operação Invasão, responsável por lançar o mestre de artes marciais Iko Uwais ao mundo, e John Wick, comandado pelos dublês Chad Stahelski e David Leitch. Mortal Kombat, nova adaptação da franquia de games da NetherRealm, quer ser como eles.

Em 2019, o Omelete foi convidado a visitar o set do filme em Adelaide, na Austrália. Ao conversar com o elenco e a produção, ficou claro como as cenas de luta são prioridade máxima no projeto - em especial para Lewis Tan, que vive o protagonista Cole Young. O ator rasga elogios ao fato de o restante do elenco ser capacitado para trocar socos na frente da câmera, e se diz extremamente grato por ter conseguido o papel principal. “É incrível trabalhar com artistas que sabem fazer suas próprias lutas, traz a autenticidade que os fãs querem e merecem”, disse aos jornalistas. “Recentemente, houve muita repercussão negativa por atores, séries e filmes que não conseguiram entregar boas lutas. É hora de deixarmos isso nas mãos dos profissionais.” Pode parecer papo ensaiado, mas a honestidade está no fato de que Tan também entende como é ser escalado em produções que usam artes marciais apenas como estética. Afinal, ele foi cogitado para viver Danny Rand em Punho de Ferro, série da Marvel na Netflix.

Falando com a Vulture em 2017, o ator conta que ficou sabendo do projeto com antecedência, e logo foi atrás da produção para tentar a vaga de protagonista. O resultado agradou bastante, especialmente porque Tan trazia uma riqueza enorme para o projeto: sua ascendência asiática, a criação em Londres e Los Angeles e, é claro, a vasta experiência em kickboxing e muay thai. A equipe conduziu diversos testes e até chegou a montar o cronograma de filmagens em cima de sua agenda. De última hora, porém, o ator foi deixado de lado e Finn Jones, de Game of Thrones, foi escalado para o papel. Um pouco depois, Tan recebeu a proposta de uma participação especial no programa como o vilão bêbado Zhou Cheng, que dá as caras em um único episódio.

No fim das contas, a decisão teve um custo para a Netflix, com Punho de Ferro se tornando a série da Marvel com pior recepção no catálogo. Dentre as críticas, a inaptidão de Jones para lutar foi uma reclamação recorrente. Lewis Tan, por sua vez, seguiu para Into the Badlands e Wu Assassins, duas produções queridas entre os fãs de porradaria honesta. Até na Marvel ele eventualmente deu as caras, com uma breve aparição como Shatterstar em Deadpool 2.

No set de Mortal Kombat, o ator reforça que o treino de artes marciais não é fachada para aumentar o currículo, e sim algo que demanda estudo e prática. "Nós do elenco não começamos a treinar para Mortal Kombat, nós treinamos por muitos anos só para poder chegar até aqui, sabe? Acho que essa é uma mentalidade errada nos atores, de só começar a se preparar após garantir o papel. Como assim? Você vai treinar por três semanas para interpretar um lutador de artes marciais? Já vimos isso acontecendo!”, disse, aos risos, relembrando a questionável substituição por Finn Jones. “Todos do elenco têm muita experiência em artes marciais, são muito atléticos ou são bons em se adaptar e aprender novas coreografias."

Além do bom humor, Lewis Tan fala do projeto com seriedade. Segundo ele, assumir o protagonismo de Mortal Kombat é muito importante para sua carreira e também para sua família, visto que é filho de Philip Tan, lendário mestre de artes marciais e coordenador de ação em Hollywood. “Ele fez cenas de Indiana Jones para Steven Spielberg, e também as de Batman para Tim Burton - que, na verdade, foi o filme que nos levou do Reino Unido para os Estados Unidos. É como o fechamento de um ciclo: meu pai foi aos EUA pela Warner Bros., e agora eu estou fazendo um filme com o mesmo estúdio."

Dar continuidade ao trabalho do pai envolve em grande medida acertar a mão nas cenas de ação. Portanto, o ator - que é treinado em Kickboxing, Muay thai, Judô e Jiu-jitsu - explica como os diretores se beneficiam em ter um elenco altamente capacitado. “Há formas de gravar cenas que não funcionam com gente sem treinamento. Por exemplo, se Joe Taslim (o Sub-Zero) e eu brigássemos - hipoteticamente, claro - é possível rodar essa luta em um ótimo plano aberto, sem cortes ou usar ângulos estranhos para esconder o rosto dos dublês”, contou aos jornalistas. “Isso é muito importante para mim como ator, como lutador de artes marciais, e também para continuar o legado do meu pai.

Legado é o que move Lewis Tan. Repleto de honestidade, carisma e agilidade, ele é um astro pronto para estourar em Hollywood. Mas o ator não pretende apressar essa jornada atirando para todos os lados. "Eu recusei seis ofertas de trabalho em 2018, e isso estava começando a me deixar preocupado”, relembrou. “Mas eu precisava encontrar o projeto certo para mim - e ele chegou até mim em Mortal Kombat. É preciso confiar na sua intuição como ator. Sempre acontece de ler algum papel que é ruim, que não é para você, mas que paga bem. Nunca topei. Tudo que eu faço é para criar o meu legado."

A estreia de Mortal Kombat nos cinemas brasileiros está marcada para 15 de abril. Até lá, fique ligado no Omelete para saber todos os segredos do set do novo filme! No podcast TBT, contamos como foi a experiência de visitar os bastidores da produção; ouça abaixo:

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.