John Boyega como Finn em Star Wars: A Ascensão Skywalker

Créditos da imagem: Star Wars: A Ascensão Skywalker/Divulgação

Filmes

Notícia

Star Wars | John Boyega critica Disney pela falta de desenvolvimento para Finn

“Deram desenvolvimento só para Adam Driver e Daisy Ridley, vamos ser honestos", afirmou o ator

Arthur Eloi
02.09.2020
11h15
Atualizada em
02.09.2020
11h36
Atualizada em 02.09.2020 às 11h36

A Ascensão Skywalker finalizou a saga de Star Wars de forma bastante divisiva, até para o elenco. John Boyega, que já havia indicado seu descontentamento com a forma que Finn, seu personagem, foi tratado na nova trilogia, agora botou para fora sua decepção com a Disney em entrevista à revista GQ. “É complicado de lidar. Você se envolve em projetos e nem sempre vai gostar de tudo. Mas o que eu digo para a Disney é que não se cria um personagem negro e o vende como alguém importante na franquia apenas para depois jogá-lo de lado. Não é certo, vou falar a real.

Segundo o ator, o Stormtrooper Finn não foi o único a ser menosprezado, mas sim todos os personagens secundários, como Poe Dameron (Oscar Isaac) e Rose Tico (Kelly Marie Tran). Basicamente apenas Rey (Daisy Ridley) e Kylo Ren (Adam Driver) ganharam profundidade e holofotes, argumenta Boyega. “O estúdio sabia o que fazer com Daisy Ridley, e sabia o que fazer com Adam Driver. Eles sabiam o que fazer com os outros, mas quando chega em Kelly Marie Tran e John Boyega, que se fod** eles. Então você quer que eu diga? Eles querem que eu fale que adorei ter sido parte disso, que foi uma grande experiência… não, não, não. Aceito falar isso quando, de fato, tiver sido uma grande experiência”, reclamou. “Deram desenvolvimento só para Adam Driver e Daisy Ridley, vamos ser honestos. Daisy sabe disso. Adam sabe disso. Todo mundo sabe, não estou expondo nada.

O descontentamento de Boyega também se estende para trás das câmeras. Enquanto o ator é vocal na defesa de J.J. Abrams, dizendo que o cineasta sequer tinha a obrigação de consertar a bagunça feita pela Disney, ele afirma que a equipe contratada para cuidar de seu figurino e cabelo durante as coletivas de imprensa reprimia seu estilo. “Eu topei durante as coletivas de O Despertar da Força. E na época estava genuinamente contente de fazer parte de tudo. Mas meu pai sempre disse uma coisa: “Não gaste seu respeito em excesso”. Você pode ser respeitoso, mas às vezes estará se colocando como inferior.

"Sou o único membro do elenco que teve sua experiência em Star Wars ser baseada na sua cor de pele. Vamos deixar por isso", falou o ator. "Isso te deixa irritado com o processo, faz você ser mais militante. Te muda porque você percebe: 'Consegui essa oportunidade mas estou em uma indústria que sequer está pronta para mim'. Mais ninguém do elenco ouviu que pessoas iam boicotar o filme só porque você está nele. Ninguém ouvi reclamações e ameaças de morte nas suas DMs do Instagram e redes sociais, falando 'Negro isso, e negro aquilo, você nem deveria ser um Stormtrooper'. Ninguém mais teve essa experiência. E mesmo assim as pessoas ficam surpresas que eu sou como eu sou. Essa é minha frustração."

Sinto que, como celebridades, nós temos que falar através de um filtro de profissionalismo e inteligência emocional. Às vezes é preciso ficar bravo, e falar o que está na sua mente. Às vezes não há tempo para manter as aparências”, afirma Boyega.

Com mais de US$ 1 bilhão arrecadado nas bilheterias mundiais, Star Wars: A Ascensão Skywalker foi o último episódio da trilogia de sequência.

A franquia Star Wars está inteiramente disponível no catálogo do Amazon Prime Video.