Watchmen | Referências e easter eggs da série da HBO

Créditos da imagem: Reprodução/HBO

Séries e TV

Lista

Watchmen | Referências e easter eggs da série da HBO

Produção prestou homenagens à HQ de Alan Moore e à eventos do mundo real

Fábio Gomes e Gabriel Avila
11.11.2019
14h05

A série de Watchmen estreou na HBO e em nos seus episódios retorna ao mundo da icônica HQ de Alan Moore e Dave Gibbons com uma temática atual e personagens interessantes. Enquanto estabelecia seus novos conflitos e mistérios, a estreia prestou diversas homenagens não só ao quadrinho que serviu de base, como também a eventos reais que marcaram a cultura dos EUA. Confira abaixo as principais referências e easter eggs:

Rebelião racial de Tulsa

Reprodução/HBO

A cena de abertura do seriado não faz referência ao quadrinho, mas é baseado em um fato real que aconteceu nos EUA no início dos anos 20. Brancos atacaram a comunidade negra de Tulsa, tendo como alvo a área mais rica da região, Greenwood – conhecida na época como a Wall Street Negra. Mais de mil casas foram incendiadas e 10 mil negros ficaram desabrigados. 

It's summer and we are running out of ice

Reprodução/HBO

O título do episódio é uma referência a uma das canções do musical Oklahoma!, que também aparece em uma encenação rápida. Tulsa, onde a história acontece, fica em Oklahoma.

Rorschach

Reprodução/HBO

A série mostra que supremacistas brancos adotaram a máscara de Rorschach como seu novo símbolo. Eles funcionam como um grupo terrorista e são tratados como tal pela polícia local, que procura por possíveis membros do movimento para achar o culpado pela morte de um policial.

Sétima Kavalaria

Reprodução/HBO

Em seu primeiro episódio, a série apresentou a Sétima Kavalaria, um grupo de supremacistas brancos que utilizam a máscara de Rorschach. O nome do grupo faz referência à Guerra de Little Big Horn, em que a sétima cavalaria do exército dos EUA invadiu um acampamento indígena com o intuito de conquistar suas terras. Em maior número, os nativos venceram a batalha, matando os militares. Entretanto, o extermínio da Sétima Cavalaria enfureceu o governo, que enviou um número ainda maior de soldados, conquistando o território e acabando com os povos que ali residiam. Vale notar que o C da cavalaria foi substituído por K, fazendo referência a Klu Klux Klan, um dos mais famosos grupos supremacistas dos EUA, que chegam a aparecer no flashback do massacre de Oklahoma no início do episódio.

Watchmen faz outra referência à batalha após o atentado sofrido pelo policial no início do episódio, quando é emitido um alerta aos oficiais chamado “Little Big Horn”.

Robert Redford

Reprodução/HBO

Durante a apresentação de Angela (Regina King) no colégio de seu filho, é possível ver a imagem do presidente Robert Redford na parede. A ideia de que ele será o presidente aparece na HQ e o seriado assume que ele está à frente dos EUA há 30 anos.

Redford é presidente dessa realidade também em O Relógio do Juízo Final, HQ que uniu Watchmen ao Universo DC. Apesar da similaridade, é pouco provável que o quadrinho faça parte do cânone do seriado.

Símbolo do Comediante

Reprodução/HBO

Assim que Angela coloca os ovos em uma vasilha a câmera mostra uma referência ao smile, o símbolo clássico do comediante que ficou famoso na primeira edição do quadrinho.

Chuva de Lulas

Reprodução/HBO

Uma das referências mais claras ao final do quadrinho. No final da HQ, o mundo é atacado por uma lula gigante que mata três milhões de pessoas. Tudo fazia parte do plano de Ozymandias, que fez isso para evitar uma guerra nuclear entre EUA e Rússia. A ideia é que a fenda dimensional que trouxe a lula gigante causa chuvas de lulas menores até os dias de hoje.

Nave do Coruja

Reprodução/HBO

Na luta final contra o grupo de Rorschach, o grupo policial usa uma nave muito parecida com Arquimedes, a utilizada pelo Coruja nos quadrinhos. Como eles a conseguiram ainda é um mistério.

Minutemen

Reprodução/HBO

Esse é um grupo de super-heróis dos anos 40 e conta com os principais heróis desse mundo antes da formação do grupo principal de Watchmen. Na série existe um programa dedicado a história deles. É possível ver também um cartaz do Dollar Bill, um de seus membros, em um esconderijo da  7ª Kavalaria.

Relógio

Reprodução/HBO

Um dos principais temas da HQ original é o relógio do fim do mundo - que quando chegar até meia-noite, o mundo acabará. Ao longo do primeiro episódio são realizadas diversas referências a um relógio. Seja os personagens falando Tic-toc, seja a câmera enquadrando os personagens como se eles fossem os ponteiros - como é feito na cena do jantar.

Vista Seu Rosto

Reprodução/HBO;Divulgação/DC Comics

Durante uma conversa entre o Judd Crawford (Don Johnson) e o vigilante Looking Glass (Tim Blake Nelson), o capitão da polícia pede para que o vigilante "vista seu rosto". Na HQ original, após investigar o cruel assassinato de uma criança, Rorschach abre mão de sua identidade civil e passa a viver apenas como vigilante. Essa mudança de personalidade faz com que ele enxergue sua máscara como verdadeiro rosto.

1985

Reprodução/HBO

A senha da Sister Night para entrar em seu esconderijo secreto é 1985, ano em que se passa a HQ original.

Quem vigia os vigilantes?

Reprodução/HBO;Divulgação/DC Comics

Apesar de dar nome à HQ, Watchmen (vigilantes em tradução livre) não é o nome de nenhuma das equipes de vigilantes encontrados no quadrinho. A palavra faz referência à famosa questão "Quem vigia os vigilantes?", que além de tema para a trama principal, também aparece diversas vezes através de pichações. A frase, retirada de "As Sátiras", do satírico da Roma Antiga Juvenal, se tornou o lema dos policiais na série, que após liberar o uso de armas contra a Sétima Kavalaria recitam a pergunta em latim “Quis custodiet ipsos custodes?” e em seguida respondem "Nos Costodimos", ou seja, nós vigiamos.

Coruja

Reprodução/HBO

Durante uma conversa com Crawford, é possível ver Sister Night bebendo em uma caneca de Coruja, animal que serviu de inspiração para dois heróis de Watchmen.

Sangue por baixo da porta

Reprodução/HBO;Divulgação/DC Comics

Para descobrir o paradeiro dos membros da Sétima Kavalaria, Sister Night leva um de seus membros para uma sala de interrogatório. Durante o tempo que a vigilante passa lá dentro, é possível ouvir gritos do interrogado ao mesmo tempo em que se forma uma poça de sangue por baixo da porta. Nas HQs, Rorschach é preso e passa a sofrer ameaças dentro da cadeia por parte do mafioso Figurão. Antes de fugir com a ajuda de Coruja e Espectral, o vigilante entra no banheiro em que Figurão se esconde e só sai do local após formar uma poça com o sangue do criminoso.

Pílula de veneno

Reprodução/HBO;Divulgação/DC Comics

Quando a polícia chega a um esconderijo da 7ª Kavalaria, seus membros decidem reagir. Antes de entrar em combate, os criminosos colocam pílulas de veneno na boca para evitar que sejam capturados pela polícia. O mesmo foi feito por Ozymandias na HQ original. Após matar o Comediante, Adrian Veidt forjou uma tentativa de assassinato para retirar-se da lista de suspeitos. Seu falso atentado termina com o bilionário forçando o capanga que contratou a engolir uma pílula de veneno, tornando impossível ligá-lo ao crime.

Filho do relojoeiro

Reprodução/HBO

Em uma manchete de jornal, é possível ver que Adrian Veidt foi dado como morto nesse mundo. Entretanto, o bilionário vivido por Jeremy Irons está vivo em seu próprio castelo. No dia de seu aniversário, Ozymandias revela a seus criados que está trabalhando em uma peça chamada “Filho do Relojoeiro”, uma clara referência ao Doutor Manhattan. Nesse universo, o mais famoso filho de relojoeiro é Jonathan Osterman, que pretendia seguir os passos do pai na manutenção de relógios, quando esse incentiva o filho a seguir carreira na ciência. Anos depois, após um erro em seus laboratórios, Osterman é desintegrado e dado como morto, mas aos poucos consegue se reconstruir e assume a identidade de Doutor Manhattan, o primeiro humano superpoderoso da história.

Joe Keene Jr.

Reprodução/HBO

Quando recebe um chamado ao final do episódio, Crawford ouve no rádio que Joe Junior considera concorrer à presidência dos EUA. A mesma reportagem diz que o pai do candidato é o senador Joe Keene, descrito como “um grande nome” pelo radialista. Nas HQs, esse é o criador da lei que proibiu os vigilantes mascarados de atuar em 1977. Graças à brutalidade que alguns mascarados - com destaque para Rorschach - passaram a utilizar contra os criminosos, o governo atende a uma pressão popular e instaura a “Lei Keene” que dava aos vigilantes a opção de trabalhar para seu país ou se aposentar.

Estrela da Polícia

Reprodução/HBO

Ao final do episódio o capitão é encontrado enforcado em uma árvore e a câmera mostra seu distintivo no chão manchado de sangue. Esse momento é uma referência a morte do Comediante na primeira HQ, que foi o grande mistério que guiou a história original. Isso indica que essa morte deve guiar os eventos do seriado.

Martial Feats of Comanche Horsemanship

O nome do episódio faz referência à pintura Comanche Feats of Horsemanship (Talentos Comanche de Equitação em tradução livre) de George Catlin, que exalta uma estratégia de guerra de povos nativos americanos. Não por acaso, é possível ver o quadro em exposição na casa de Judd Crawford.

Vale lembrar que a Sétima Kavalaria faz referência a um grupo do exército americano enviado para matar indígenas e conquistar seus territórios.

Paparazzi Mariposa

Paparazzis usando asas mecânicas tentam invadir a cena do enforcamento do capitão Judd e são violentamente reprimidos pelo vigilante Red Scare, que os chama de “mariposas”. Mariposa é o nome de um herói da formação clássica dos Minutemen. Porém, graças à tecnologia dos anos 1940, suas asas eram apenas um enfeite.

Os Amantes de Hiroshima

Quando está a caminho da cena do crime do enforcamento de Judd Crawford, Angela passa por um muro contendo o grafite dos Amantes de Hiroshima, que estavam espalhados na Nova York da HQ original. O grafite simboliza os perigos da queda de uma bomba atômica, mostrando a silhueta de dois amantes se abraçando no momento da queda de uma bomba.

Banca de Jornal

Entre os vários núcleos da HQ, um dos recorrentes é a banca de jornal, mostrando diálogos entre o dono de uma banca e um jovem leitor de HQs. Um dos grandes frequentadores do local é Rorschach, que passa semanalmente em busca do jornal New Frontiersman.

New Frontiersman

Durante a cena da banca de jornal é possível ver uma entrega do jornal New Frontiersman. Com um forte viés de extrema-direita e propenso a difundir para teorias da conspiração, a publicação estava presente na HQ original, descrita como a única fonte de informação confiável por parte do vigilante Rorschach. Vale lembrar que é o New Frontiersman o jornal escolhido pelo vigilante para enviar seu diário contendo a conspiração arquitetada por Ozymandias para encerrar a Guerra Fria - que acabou matando milhões de pessoas.

Dois minutos para a meia-noite

Um dos maiores símbolos utilizados na HQ é o Relógio do Juízo Final, um dispositivo simbólico criado em 1947 que representa quão próximo a humanidade está do fim do mundo através de seus ponteiros - quanto mais próximo da meia-noite, mais perto o mundo está do fim. O mais próximo da 0 hora que o relógio já registrou foi dois minutos - em 1953 e 2018.

No segundo episódio, uma citação é feita durante o flashback que mostra uma invasão da Sétima Kavalaria à casa de Angela Abar. Conhecido como "Noite Branca", o evento foi um ataque simultâneo do grupo supremacista a casa de 40 policiais de Tulsa na noite de Natal. Dois minutos antes de chegar à meia-noite, Angela tenta convencer seu marido Calvin a esperar até a manhã para abrir seu presente. Entretanto, a discussão acaba quando a policial percebe que sua casa foi invadida.

Nixonville

Uma comunidade de pessoas brancas supostamente ligadas à Sétima Kavalaria fica em Nixonville. O nome do local faz referência ao presidente Richard Nixon, político conservador que se elegeu duas vezes, mas renunciou ao cargo durante o segundo mandato após o escândalo de Watergate. Na HQ, o Watergate nunca aconteceu e portanto Nixon seguiu na presidência, tendo como aliados os heróis Doutor Manhattan e o Comediante.

Henry Louis Gate Jr

Durante a visita de Angela ao Centro Cultural de Greenwood, é revelado que Henry Louis Gate Jr é secretário do tesouro dos EUA. Na vida real, Gate é escritor e diretor do Centro de Pesquisas Africanas e Afro-americanas da Universidade de Harvard, exercendo um forte papel de ativismo sobre a cultura negra no país.

Pirata e Coruja

Quando Angela volta para casa após interrogar Will Reeves, ela vê que suas filhas estão brincando com fantasias. Uma delas está vestida como uma Coruja, assim como dois heróis desse universo, enquanto a outra está fantasiada de pirata, fazendo referência aos Contos do Cargueiro Negro, HQ sobre piratas publicada dentro do Universo de Watchmen.

A fraude de Rolph Muller

Um episódio de American Hero Story - a série de TV sobre os Minutemen - mostrou parte da jornada do Justiça Encapuzada, o primeiro vigilante mascarado do universo de Watchmen. Na HQ original sua identidade é mantida um segredo, mas Hollis Mason - o primeiro coruja - revela em sua autobiografia uma hipótese para quem seu ex-companheiro de equipe possa ser. No livro Sob o Capuz, Mason reúne evidências de que sua identidade secreta seria Rolph Muller, um circense vindo da União Soviética logo após a segunda guerra mundial. Por sua ligação com os soviéticos, Muller foi investigado pelo Comitê de Atividades Antiamericanas e foi encontrado morto misteriosamente logo em seguida. Como Hollis notou, o Justiça Encapuzada deixou de agir na mesma época da morte de Muller.

Entretanto, o seriado dentro de Watchmen afirma que Rolph Muller era apenas um disfarce para o Justiça Encapuzada, alguém que por baixo da máscara não se sentia bem em sua própria pele.

Óculos do Coruja

Dan Dreiberg, o segundo Coruja, desenvolveu um óculos que o ajudasse a enxergar durante a noite, um acessório que o ajudava a patrulhar as ruas durante a noite. Enquanto investiga a casa de Judd Crawford, Angela Abar utiliza um óculos que parece ser uma evolução desta tecnologia, possibilitando-a a enxergar através de paredes e portas como uma espécie de visão de raio-x.

Bucéfalo

O cavalo de Adrian Veidt (Jeremy Irons) se chama Bucéfalo, o mesmo nome do cavalo de Alexandre, o Grande. Nas HQs o personagem faz diversas referências à literatura clássica, a ponto de escolher como alter-ego Ozymandias, nome tirado de um conto de Percy Shelley.

O acidente do Doutor Manhattan

Durante o segundo episódio, os criados do personagem de Jeremy Irons encenam O Filho do Relojoeiro, a peça escrita por seu patrão. Como o título indica, a encenação conta a história de Jonathan Osterman, um cientista que trabalhava com sua amada Janey no projeto Manhattan e que após um acidente se tornou o primeiro ser super-humano deste universo, o Doutor Manhattan.

Nada nunca acaba

Uma das falas finais da peça é "nada nunca acaba", algo que o Doutor Manhattan diz a Ozymandias durante sua última conversa. Após se despedir de Veidt, o super-humano desaparece dizendo que vai se dedicar a criar vida em outro ponto do universo.

Mr Shadow

A cena que abre o terceiro episódio de Watchmen mostra uma operação do FBI para prender o vigilante Mr. Shadow. Sua caracterização mostra diversas similaridades com o Batman, graças a não só seu uniforme sombrio e voz rouca, mas também pelos equipamentos em seu uniforme. A referência se torna completa durante um diálogo entre Joe Keene Jr. (James Wolk) e Laurie Blake (Jean Smart), quando o congressista descreve Shadow como "um babaca rico vestindo uma fantasia".

She Was Killed By Space Junk

O nome do terceiro episódio da série faz referência a “Space Junk”, canção da banda Devo sobre uma mulher que é morta após ser esmagada por lixo espacial. O título também faz referência ao desfecho do episódio, em que Laurie Blake quase é esmagada pelo carro de Angela Abar vindo dos céus.

A música faz parte do álbum Q. Are We Not Men? A: We Are Devo!, escutado por Laurie em seu apartamento. Curiosamente, Sally é o primeiro nome da Espectral, mãe da agente do FBI na HQ original.

Tirar a Coruja da gaiola

Durante o diálogo em que Joe Keene Jr. pede para que Laurie investigue a morte de Judd Crawford, ele descobre que a agente do FBI é dona de uma coruja chamada Ken (Who no original). Se aproveitando da descoberta, Keene faz uma sutil promessa à Blake, que caso se torne presidente, terá poder o suficiente para conceder um perdão especial, que poderia até "tirar uma coruja da gaoila". Essa fala pode fazer referência à Dan Dreiberg, o segundo Coruja, que termina a HQ original casado com Laurie.

Peteypedia, site paralelo à série lançado pela HBO, revela que Laurie e Dan foram presos em 1995 agindo como vigilantes - conduta proibida desde a década de 1970 no universo da HQ. Segundo o artigo, a prisão do casal foi responsável por tornar a cultura dos vigilantes popular novamente, levando o jornal New Frontiersman a publicar o Diário de Rorschach integralmente. Publicação essa que inspirou o surgimento do grupo supremacista branco Sétima Kavalaria.

Combatentes do Crime por Andy Warhol

No apartamento de Laurie Blake é possível ver uma pintura dos Combatentes do Crime, equipe principal da HQ de Watchmen, retratados no estilo de Andy Warhol. Grande nome do movimento pop art, Warhol retratava em suas obras ícones e objetos da cultura popular - como Marylin Monroe ou uma lata de sopa enlatada. Considerando que nesse universo os vigilantes mascarados foram muito populares, não é difícil imaginar que essas figuras serviram de inspiração para o artista. Warhol já foi relacionado com Watchmen antes: na abertura do filme de Zack Snyder, o artista é visto em uma galeria cheia de obras inspiradas nos heróis.

Que tal uma piada?

No início do terceiro episódio, Laurie Blake entra em uma cabine telefônica interplanetária para mandar um recado ao Doutor Manhattan, que estaria em marte. Durante a ligação, ela conta duas piadas a ele, com a segunda fazendo referências aos heróis principais de Watchmen. A anedota tem como personagens o homem-coruja (Coruja), o homem mais inteligente do mundo (Ozymandias), um deus azul (Dr. Manhattan) e por fim uma garota com o poder de assassinar o próprio Deus. A última no caso, é ela própria, indicando que seu papel na trama vai além de meramente investigar a morte de Judd Crawford.

O mesmo número de partículas

No momento em que a piada com os heróis chega ao Doutor Manhattan, Laurie imagina um diálogo entre Deus e o herói. Ao ser questionado pelo criador sobre quantas pessoas matou, Manhattan dá de ombros e responde “um corpo vivo e um morto tem o mesmo número de partículas, então não importa”. A resposta faz referência direta a uma fala da HQ original, quando o Doutor Manhattan comenta a morte do Comediante com indiferença, dizendo que “estruturalmente não há diferença discernível” entre um corpo morto e vivo.

O desfecho da piada

No encerramento da piada há uma outra citação direta à HQ original. Enquanto investiga a morte do Comediante, Rorschach se lembra da piada a respeito de Pagliacci, um palhaço deprimido que busca ajuda em um psicólogo que receita a ele assistir a um show de humor que está na cidade. A graça no entanto, é que o paciente é o próprio Pagliacci.

Assim como Rorschach, Laurie conclui sua piada com uma irônica narração a respeito de uma possível reação do público: “Rufam os tambores. Desce o pano. Boa piada.”

A publicação dos diários de Rorschach

Os diários em que Rorschach anotou a investigação a respeito do assassinato do Comediante - que por sua vez revela que o monstro alienígena responsável pela morte de milhões de pessoas é obra de Ozymandias - foi revelado ao público após o desfecho da HQ. Porém, o terceiro episódio revela que ele não só foi revelado pelo jornal New Frontiersman, a quem o vigilante endereça seus registros, como foi publicado na íntegra. Em um slide da apresentação do FBI é possível ver a capa do livro, que tem uma ilustração do vigilante com sua tradicional máscara manchada.

“Contemplem minhas obras, ó poderosos, e desesperai-vos!”

Na cena em que Laurie Blake e Dale Petey estão em um avião a caminho de Tulsa, eles passam pelo Millenium Clock, uma obra criada por uma das empresas de Adrian Veidt. Na cena, Petey explica que os empreendimentos foram comprados por Lady Trieu, uma personagem inédita da série. Segundo o agente, ao inaugurar a torre do relógio, a magnata declarou “Contemplem minhas obras, ó poderosos, e desesperai-vos!”, fazendo referência à Ozymandias, soneto de Percy Shelley que inspirou o nome de vigilante de Veidt.

Cargueiro Negro

Ao chegar em Tulsa, Laurie e Petey se hospedam no hotel Cargueiro Negro, uma referência aos Contos do Cargueiro Negro, HQ fictícia sobre um ataque pirata publicada dentro da história original.

Little Abu Grahib

No início de sua investigação a respeito do assassinato de Judd Crawford, Laurie Blake visita o local em que a polícia de Tulsa interroga suspeitos de envolvimento com a Sétima Kavalaria. O local se chama Little Abu Grahib, e faz referência à Prisão de Abu Grahib, complexo iraquiano historicamente ligado à tortura. Desde sua fundação pelo Império Britânico, passando pelo governo de Saddam Hussein até a Guerra do Iraque, o local é sinônimo de crueldade, com incontáveis relatos de tortura e execuções massivas em suas dependências.

Busto de Alexandre, o Grande

O misterioso castelo em que Adrian Veidt se esconde após ser declarado morto trás em sua decoração uma série de referências à história da humanidade, e no terceiro episódio é possível ver um busto de Alexandre, O Grande em uma mesa de sua biblioteca. O rei da Macedônia é uma grande referência para Veidt, que chegou a batizar seu cavalo de Bucéfalo, em homenagem à montaria de Alexandre Magno.

Curiosamente, é com esse busto que a série confirma que Jeremy Irons é de fato Adrian Veidt na série, já que a estátua está vestindo uma máscara roxa - tradicional disfarce do milionário em seus tempos como o vigilante Ozymandias.

A bandeira do Cargueiro Negro

A história principal de Watchmen é intercalada com outras publicações do universo da HQ, e a mais relembrada é Contos do Cargueiro Negro, um “quadrinho dentro do quadrinho” que acompanha um marinheiro que tentava voltar para casa quando seu barco é atacado pelo amaldiçoado Cargueiro Negro, uma embarcação cheia de piratas. Seu maior símbolo é a caveira utilizada no Cargueiro, que pode ser vista em uma bandeira na ilha de Adrian Veidt e em no selo da carta que o milionário recebe.

O compartimento secreto do Comediante

Em seu interrogatório disfarçado de conversa casual, Laurie Blake questiona Angela Abar a respeito do que ela teria encontrado no “compartimento secreto” do guarda-roupas de Judd Crawford. A vigilante finge não saber do que se trata, escondendo a descoberta de uma vestimenta da Klu Klux Klan entre os pertences de seu amigo. Em seguida, Laurie comenta que sempre procura “compartimentos secretos” após descobrir que seu pai também tinha um. A fala faz referência a Eddie Blake, o Comediante, que guardava seu equipamento de vigilante - traje, armas e memorabilia - em um local secreto.

A paródia pornô

Após um dia agitado em Tulsa, Laurie Blake se recolhe e abre uma maleta que contém um curioso vibrador azul em “homenagem” ao Doutor Manhattan e uma edição da revista Esquire contendo uma entrevista com Laurie a respeito de sua relação com Manhattan. A capa da publicação, que mostra o casal abraçado, presta homenagem indireta aos quadrinhos pornô da primeira Espectral. Na HQ original, Sally Júpiter mostra a Laurie uma de suas “Biblia de Tijuana”, quadrinhos pornográficos criados por fãs que tinham a heroína como protagonista. Enquanto sua filha fica ultrajada, Sally se sente lisonjeada por exaltar o auge de sua beleza.

“Você nunca teve senso de humor”

No fim de sua ligação para marte, Laurie diz que não sabe por que continua contando piadas para o Doutor Manhattan, já que ele “nunca teve senso de humor”. O desabafo mostra que a agente do FBI segue magoada com a indiferença do ex-marido, mesmo 30 anos após os eventos da HQ. No início da obra original eles ainda eram um casal, mas o crescente menosprezo em relação à humanidade fez com que ela o largasse e começasse um romance com Dan Dreiberg, o Coruja.

Entretanto, o arco de Manhattan na HQ envolve a redescoberta da humanidade, que acontece após descobrir que Laurie é filha do Comediante. Com sua fé renovada, ele retorna à Terra após um período em Marte para impedir o plano genocida de Ozymandias. Por azar, ele chega segundos após o “monstro alienígena” ser transportado para Nova York, causando a morte de milhões de inocentes.

Família Clark

A abertura do quarto episódio de Watchmen apresenta um casal que vende ovos em sua casa na área rural de Tulsa. Em uma noite comum, eles são surpreendidos por Lady Trieu, uma trilionária que faz uma proposta para comprar suas terras. Inicialmente eles negam, mas mudam de ideia quando a misteriosa empresária entrega a eles um filho gerado a partir do material biológico do próprio casal. Esta é claramente uma referência ao Superman, que é adotado por Martha e Jonathan Kent, fazendeiros do interior do Kansas que em algumas versões não podem ter filhos.

Além de batizar o casal de Clark - o primeiro nome da identidade humana do Superman - a sequência escancara a referência em seu final, quando Lady Trieu vê algo vindo dos céus em direção às terras que acabou de comprar, em uma cena parecida com a forma como o pequeno Kal El chegou a Terra.

Fogdancing

Antes de receber Lady Trieu, Katy Clark (Christine Weatherup) está lendo Fogdancing, livro de Max Shea. Na HQ original, ele é um renomado autor de livros descritos como “clássicos modernos” e também de quadrinhos, sendo o responsável pelos Contos do Cargueiro Negro - a HQ dentro da HQ. Shea é um dos artistas recrutados por Adrian Veidt para um projeto secreto. Enquanto o escritor achava que faria parte de um filme secreto, na verdade estava criando todo o conceito do monstro alienígena.

Shea foi morto por Veidt como queima de arquivo para que não descubram a conspiração.

Lady Trieu

O nome de Lady Trieu, personagem interpretada por Hong Chau, é uma referência a uma personagem histórica real. Conhecida como a "Joana D'Arc vietnamita", Bà Triệu foi uma guerreira do século III que reuniu um grupo de aproximadamente 1000 pessoas para combater o Império Chinês que controlava o Vietnã. A Lady Trieu da série também é vietnamita, país que nesse universo se tornou território dos EUA após vencer a Guerra do Vietnã com a ajuda dos vigilantes Doutor Manhattan e Comediante.

Vale notar que a guerreira Lady Trieu vestia túnicas amarelas durante os combates, uma semelhança com os policiais de Tulsa, que cobrem seus rostos com um tecido da mesma cor.

Milagre da Termodinâmica

Durante um diálogo com Angela Abar, Laurie Blake cita a ocorrência de um milagre da termodinâmica, o que ela explica como a "forma científica de dizer que tudo está conectado". Essa é uma referência ao diálogo que Laurie teve anos atrás com o Doutor Manhattan enquanto tentava convencê-lo a voltar para a Terra e impedir os planos de Adrian Veidt. Enquanto conversavam, o herói descobriu que sua amada é filha do Comediante e da Espectral, uma espécie de evento tão aleatório que causou uma epifania a respeito da natureza humana, que até então ele desprezava. Ao compreender a "magia" por trás do nascimento de Laurie - e por consequência de toda a espécie -, ele descreve a natureza como um Milagre da Termodinâmica, "eventos com probabilidades astronômicas tão pequenas que são efetivamente impossíveis". Por fim, Manhattan conclui que sua transformação em um ser divino é tão extraordinária quanto qualquer qualquer forma de vida.

O Relógio da sabedoria

O quarto episódio apresenta o Relógio do Milênio por um novo ângulo, que apresenta sua arquitetura com maiores detalhes. Dessa perspectiva é possível perceber que a construção tem um formato similar ao da coroa de Tote, rei egípcio da sabedoria. Vale lembrar que o local foi construído por Adrian Veidt antes de ser declarado morto e, entre suas principais paixões, estão o conhecimento e a cultura egípcia, que era representada em seu traje de Ozymandias, que trazia hieróglifos em seu design.

O interior do Relógio do Milênio

Lady Trieu recebe Laurie Blake e Angela Abar em seu escritório pessoal no interior do Relógio do Milênio. Segundo a empresária, o local é resultado de uma promessa que fez à sua mãe, de que nunca deixaria o Vietnã. Com negócios a cuidar nos EUA, construir uma réplica de seu lar foi a forma de honrar o juramento. O lugar é visualmente semelhante a base que Adrian Veidt mantinha na Antártida enquanto desenvolvia seu "monstro alienígena". Construído no meio de um continente coberto por gelo, o local tinha uma estufa que simulava florestas tropicais impossíveis de se encontrar pela região.

O pesadelo de Bian

Após receber Blake e Abar no Relógio do Milênio, a jovem Bian acordou assustada por um pesadelo que "parecia muito real". A jovem contou à Lady Trieu, sua mãe, que sonhou com homens ateando fogo em sua vila e fazendo com que ela caminhasse muito, a ponto de seus pés doerem mesmo após despertar. A narração faz uma nova citação à Guerra do Vietnã, conflito armado que no universo de Watchmen foi vencido pelos EUA com a ajuda dos vigilantes Comediante e Doutor Manhattan. É possível que Bian - cuja mãe é vietnamita - tenha não apenas sonhado, mas revivido a experiência de alguém que sofreu abusos no conflito.