Watchmen | Tudo o que você precisa saber antes de assistir à série

Créditos da imagem: Divulgação/DC Comics;Divulgação/HBO

HQ/Livros

Artigo

Watchmen | Tudo o que você precisa saber antes de assistir à série

Produção da HBO será uma continuação da HQ de Alan Moore e Dave Gibbons

Gabriel Avila
02.10.2019
18h20
Atualizada em
04.10.2019
13h30
Atualizada em 04.10.2019 às 13h30

Com estreia marcada para 20 de outubro, a série de Watchmen da HBO tem a difícil tarefa de honrar a HQ em que se baseia. Escrita por Alan Moore com arte de Dave Gibbons, a publicação é uma minissérie em 12 partes que mudou para sempre não só os rumos da DC Comics como da forma de se fazer quadrinhos ao experimentar novas formas de contar uma história.

Damon Lindelof, criador do seriado, afirmou que o público “poderá embarcar sem saber nada sobre o original”. Porém, o próprio Lindelof revelou que a obra original é uma espécie de velho testamento para a produção. Confira abaixo tudo o que você precisa saber antes de assistir à Watchmen:

Antes de Watchmen

No mundo da HQ, os vigilantes mascarados começaram agir nos EUA durante a década de 1940, anos antes dos eventos da trama principal. Vestindo trajes e máscaras, os paladinos se uniram em uma equipe chamada Minutemen, que combatia tanto criminosos comuns quanto vilões. O time agiu por aproximadamente uma década, até que os heróis começaram a ser considerados ultrapassados e uma série de eventos desastrosos, como o assassinato da heroína Silhouette, causaram seu fim. Uma parte de seus membros se aposentou, enquanto aqueles que seguiram agindo individualmente foram obrigados a revelar suas identidades para o governo. Embora marque um momento anterior ao da trama principal de Watchmen, os Minutemen foram confirmados na série já no segundo trailer, quando Looking Glass, um personagem inédito, assiste na TV um de seus membros, o herói Justiça Encapuzada, em ação. Em outro momento é possível ver o anúncio de uma produção chamada American Hero Story, indicando que a trajetória do grupo deve servir de base para um seriado nesse universo.

À esquerda, Justiça Encapuzada na HQ e à direita na série

Entre os membros dos Minutemen se destaca o Edward Blake, o Comediante, um jovem vigilante que entrou para o grupo em busca de publicidade e pagamento por seus atos heróicos. Considerado egoísta e violento por seus colegas de equipe por atitudes como roubar os criminosos que impedia, o vigilante foi expulso após uma tentativa de estupro contra a heroína Espectral.

Um comediante morreu em Nova York

Mesmo com uma péssima reputação, Blake se tornou forte aliado do então presidente dos EUA, que o transformou em uma espécie de símbolo patriótico. A confiança do governo era tanta que o Comediante foi convocado para comandar tropas americanas na Guerra do Vietnã. Anos após seu envolvimento no conflito, Blake foi convidado para fazer parte de uma nova equipe de heróis mascarados chamada Combatentes do Crime, onde conheceu novos heróis como Rorschach e Ozymandias e novas versões de seus antigos companheiros de Minuteman como Coruja e Espectral. Pouco tempo depois, ele deixa a equipe afirmando que o país está à beira de uma guerra nuclear com a União Soviética, o que torna o combatente ao crime urbano uma missão boba.

Anos após seu desligamento da nova equipe, o Comediante seguiu carreira auxiliando o governo dos EUA. Durante uma de suas missões secretas, em 1985, Blake se infiltrou em uma misteriosa ilha e descobriu que ali acontecia uma conspiração de proporções catastróficas. Apavorado pela descoberta que fez no local, o vigilante embriagado invadiu a casa de Moloch, um antigo vilão dos Minutemen, e confessou boa parte de seus pecados - como ter feito “coisas ruins” a mulheres e atirado em crianças no Vietnã - mas que nenhum desses erros se comparava à atrocidade que estava sendo preparada na tal ilha. Após o ocorrido, Eddie Blake foi espancado e assassinado ao ser atirado pela janela de seu apartamento. Sua morte desencadeou a investigação de Rorschach, que ficou obcecado em descobrir o que teria causado a morte do Comediante.

Matar milhões para salvar bilhões

Durante sua investigação, Rorschach descobre a conspiração que levou o Comediante à loucura: Ozymandias, um de seus antigos companheiros de combate ao crime, utilizou sua grande fortuna em um plano genocida para encerrar a Guerra Fria. Inspirado pelo discurso de Blake a respeito do embate entre EUA e União Soviética, Adrian Veidt utilizou sua fortuna para criar uma forma de terminar o conflito e para isso desenvolveu um complexo plano que culminou na criação de um monstro alienígena que foi teletransportado para os Estados Unidos, matando milhões de inocentes e criando um inimigo em comum para os adversários, que declararam paz e se uniram para erradicar criatura.

Essa é a maior diferença entre a HQ e o filme, já que o longa de Zack Snyder substituiu o monstro alienígena por uma bomba. A troca faz sentido, já que o plano original de Ozymandias é tão complexo que adicionaria uma camada extra para a produção, cujo corte final já passava de duas horas. Entretanto, a série será uma continuação direta da obra original, e seu segundo trailer já revelou a presença do monstro.

Para a concepção da criatura, Veidt levou uma série de artistas para sua ilha secreta com a desculpa de que estariam trabalhando em um filme secreto. Com o visual - que deveria parecer vindo de outro mundo - pronto, o empresário utilizou seu conhecimento em engenharia genética para encontrar formas de dar vida à sua criação, e para isso utilizou técnicas que replicavam os poderes do Doutor Manhattan, o único herói com superpoderes nesse universo.

Consciente de que Manhattan poderia descobrir seus planos, Veidt cria uma conspiração que leva a opinião pública a crer que o herói com poderes divinos causou câncer em diversas pessoas próximas. Desiludido e sentindo-se injustiçado pelos humanos, por quem lutou por boa parte de sua vida, ele deixa a Terra e se isola em Marte. Com o monstro pronto e sem um guardião para o planeta, Ozymandias leva a criatura ao centro de Nova York através de teletransporte, uma habilidade do Doutor Manhattan que foi replicada em laboratório para que se tornasse impossível rastrear e impedir a execução do projeto.

Enquanto isso, Espectral, que participou das investigações de Rorschach ao lado do Coruja, é levada a Marte pelo Doutor Manhattan, onde ela conta parte dos planos - sem saber que são criação de Ozymandias - e suplica para que ele salve a Terra. Após uma discussão, Manhattan tem uma epifania e decide defender a humanidade, mas chega segundos tarde demais. Impreciso, o teletransporte causa a morte da criatura no momento em que chega em Nova York, gerando um choque psíquico que mata milhões de pessoas instantaneamente. Massacre considerado justo por Veidt, que vê como positiva sua iniciativa após encerrar a Guerra Fria. As baixas inocentes, segundo o ex-vigilante, são consequências aceitáveis, já que ao matar milhões de pessoas, salvou a vida de bilhões.

Divulgação/HBO;Divulgação/DC Comics

Nada nunca acaba

Desesperada, Espectral pede para que o Doutor Manhattan a leve dali. Seguindo a radiação gerada pelo monstro, eles chegam a uma base de Ozymandias na Antártida, onde o bilionário está sendo confrontado por Coruja e Rorschach, que se recusa a sustentar a mentira e afirma que vai voltar para seu país e denunciar Veidt. Acreditando que a verdade só faria com que a guerra retornasse, Manhattan o mata para impedir que o plano de Ozymandias seja descoberto. Após assassinar seu antigo colega, ele se despede de Veidt afirmando que deixará a Terra para talvez criar vida em outro ponto do universo. No fim da história, é revelado que o diário em que Rorschach anotou toda a investigação a respeito da morte do Comediante - incluindo a criação do falso monstro alienígena - foi entregue a um jornal, deixando em aberto a possibilidade de que o plano seja descoberto no futuro.

Divulgação/DC Comics