Séries e TV

Entrevista

Entrevista: The Boys e a masculinidade tóxica na 3ª temporada

Elenco explora o que está por trás dos personagens no novo ano

Omelete
2 min de leitura
Julia Sabbaga
15.07.2022, às 18H41

A terceira temporada de The Boys chegou ao fim recheada de discussões: Será Ryan o nosso futuro vilão? Victoria Neuman pode ser presidente dos Estados Unidos em um futuro breve? Onde está o Emmy de Antony Starr? A série adaptada das HQs de Garth Ennis e levada às telas por Eric Kripke é recheada de sangue e violência, mas tem uma coisa que não deixa espaço para questionamento: ela é profundamente crítica. 

Para quem não enxergou, a gente explica: enquanto o primeiro ano de The Boys explorou o abuso sexual e a cultura de celebridade e o segundo ano focou na supremacia branca, o terceiro ano da série do Prime Video veio interessado em um assunto específico: a fragilidade masculina, ou masculinidade tóxica. É um tema que começa a dar as caras lá no primeiro episódio, desde que Hughie não consegue abrir um pote de geléia. E assim como o personagem - que falha novamente até finalmente estraçalhar o vidro na própria mão - o tema vai se desenvolvendo por todos os oito episódios. 

Durante a passagem do elenco de The Boys pelo Brasil, conversamos com eles sobre o que está por trás dessa temática, como ela está presente em cada um dos personagens - e o que esperar do futuro da série do Prime Video. Confira acima.  

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.