Anthony Mackie e Sebastian Stan em O Falcão e o Soldado Invernal

Créditos da imagem: Marvel Studios/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Falcão e o Soldado Invernal | Por que Steve Rogers escolheu Sam como sucessor

Entenda por que Capitão América deu escudo ao Falcão e não para Bucky, seu melhor amigo de infância

Nicolaos Garófalo
22.03.2021
18h16

[Spoilers de Falcão e o Soldado Invernal à frente]

Falcão e o Soldado Invernal já está disponível no Disney+ e o primeiro episódio já deixou claro que muitas pessoas no MCU questionam a escolha de Steve (Chris Evans) de passar seu manto para Sam (Anthony Mackie), ao escolher John Walker (Wyatt Russell) como o novo Capitão América. No entanto, esse questionamento também surgiu fora das telas entre alguns fãs que, apesar de saberem das histórias recentes do Falcão como o dono do escudo, não entenderam por que Bucky (Sebastian Stan), melhor amigo de infância de Rogers e afetado por uma versão do soro de supersoldado, não herdou o manto patriótico. Mas é justamente essa proximidade entre Steve e Bucky que fez o Soldado Invernal ser preterido.

Por conhecer o amigo, Steve leva em consideração a vida de guerras e violência vivida por Bucky e os traumas que esses eventos causaram. Por carinho e empatia, o Capitão escolhe poupar o amigo de infância de mais um período de mortes e violência, deixando-o livre para aproveitar uma possível aposentadoria.

Bucky, por sua vez, já parecia saber da decisão de Steve de deixar o manto de lado ao final de Vingadores: Ultimato. O Soldado Invernal não só dá um abraço de despedida no amigo, como sinaliza a aparição da versão mais velha do personagem para o Falcão. Barnes vê Sam receber o escudo do Capitão América com um sorriso no rosto, dando a entender que aprovava a decisão de Steve.

Ao mesmo tempo, Rogers vê Sam como seu legado no exército. Assim como o ex-Capitão, o Falcão lutou pelos Estados Unidos no exterior e perdeu seu parceiro em ação. Além disso, o veterano também nunca deixou de lutar por seus companheiros de exército. Mesmo longe dos campos de batalha, Sam promovia reuniões de terapia em grupo para soldados que conviviam com estresse pós-traumático.

O Falcão também foi um dos primeiros a se prontificar quando Steve e Natasha (Scarlett Johansson) organizaram uma nova formação dos Vingadores. Como parte do grupo, ajudou a localizar e a enfrentar o bando do Ossos Cruzados (Frank Grillo), se colocou na linha de frente das batalhas contra o exército de Thanos (Josh Brolin) em Guerra Infinita e Ultimato e ajudou a recrutar o Homem-Formiga (Paul Rudd) na Guerra Civil contra o Homem de Ferro (Robert Downey Jr.).

No MCU, Sam deu a Steve mais garantias de que manteria o legado do Capitão América vivo por sua maneira racional de lidar com as adversidades impostas a ele ao longo de sua parceria. Bucky, ao contrário, passou anos tentando fugir de seu passado e lidando com os traumas e consequências da lavagem cerebral sofrida pela Hidra. Receber o escudo de Steve apenas colocaria no Soldado Invernal a obrigação de continuar acumulando esses traumas sem que houvesse qualquer garantia que ele conseguiria manter uma boa saúde mental. Sem o escudo, voltar à ação para Bucky pode se tornar algo pessoal – e, pelo que vimos no primeiro episódio, terapêutico – ao invés de uma obrigação para o símbolo de justiça criado por Steve Rogers.

O peso do escudo já começou a afetar a vida de Sam. Logo no primeiro episódio de Falcão e o Soldado Invernal, fica claro que o herói questionou e foi questionado se estava pronto para assumir o papel de Capitão América. Como a série dá a entender que há uma motivação política por trás da escolha de John Walker (Wyatt Russell) como novo Capitão, é possível que os próximos capítulos abordem diferenças ideológicas entre Sam e o Departamento de Defesa dos EUA, refletindo o arco do personagem nos quadrinhos.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.