Seu Jorge e Wagner Moura nos bastidores de Marighella

Créditos da imagem: Paris Filmes/Divulgação

Filmes

Notícia

Marighella | Wagner Moura lembra ameaças e clima tenso no set do filme

Diretor recordou ataques ao filme em redes sociais e episódio de apoio à produção

Eduardo Pereira
09.11.2021
14h00

Não é só por meio de campanhas de difamação como a promovida na nota do IMDb que Marighella, a cinebiografia do guerrilheiro Carlos Marighella dirigida por Wagner Moura, foi alvo de ataques. Em conversa com o Omelete, o diretor se lembrou de ameaças feitas nas redes sociais e falou como isso levou a um clima de tensão no set de filmagens.

"Teve um dia que, no Facebook, chegou uma galera que disse que tal dia iria ao set. Falaram: 'Vamos quebrar a porra toda e vamos dar porrada em todo mundo'. E aí, a gente se preparou para aquilo", contou Moura. "Dizíamos pros atores que não iríamos responder nenhuma provocação, mas também que não iríamos abaixar a cabeça para nenhum fascista que aparecesse".

Segundo o diretor, entretanto, as ameaças ficaram só no âmbito virtual. No dia em que ocorreria o ataque, a equipe do filme foi surpreendida por uma manifestação de apoio. "Apareceu no set, sem ninguém chamar, a juventude anti-fascista. Eram 20 jovens, os meninos e as meninas lá, para dizer: 'Se vier alguém, a gente está aqui'. Eu achei aquilo tão bonito", lembrou Moura. "Isso causou uma eletricidade no set e na gente. Dizíamos: 'Vamos fazer essa porra'. Foi um efeito colateral positivo para a filmagem"

Marighella, que traz Seu Jorge no papel do guerrilheiro, estreou em 4 de novembro, 52 anos depois dele, uma das principais figuras de oposição contra a ditadura militar, ser assassinado.

Anteriormente, o filme, que conta ainda com Adriana EstevesBruno Gagliasso e Herson Capri, estava marcado para estrear em abril de 2021, mas o plano foi adiado por causa da pandemia do coronavírus. Um adiamento prévio, em 2020, é atribuído por Moura a uma censura do governo federal via a Agência Nacional do Cinema (Ancine).

Marighella passou por vários festivais, inclusive o Festival de Berlim, onde estreou sob aplausos. O filme narra a vida do guerrilheiro em dois momentos, um em 1964 e outro entre 1968 e 1969, quando ele morreu em uma emboscada executada por policiais, na época da ditadura militar.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.