Coringa | Gary Glitter não vai receber dinheiro por música no filme

Créditos da imagem: Warner/ Divulgação

Filmes

Notícia

Coringa | Gary Glitter não vai receber dinheiro por música no filme

Cantor está cumprindo pena de 16 anos de prisão por pedofilia

Itaici Brunetti
15.10.2019
16h44
Atualizada em
15.10.2019
17h23
Atualizada em 15.10.2019 às 17h23

O cantor Gary Glitter, preso por pedofilia, não está recebendo os royalties pela música "Rock and Roll Part 2" no filme Coringa. A Snapper Music, gravadora londrina detentora dos direitos do catálogo musical do astro, disse que Glitter vendeu os direitos da gravação e publicação de "Rock and Roll Part 2", além de várias outras músicas, há mais duas décadas. 

"Gary Glitter não está sendo pago. Não temos contato com ele", disse um porta-voz da Snapper ao jornal Los Angeles Times, acrescentando que a música sempre atraiu cineastas e apresentadores de TV muito antes do Coringa. "Nós não promovemos a música. São eles [produtores] que vêm até nós", disse. 

Nos Estados Unidos, os direitos de composição da música pertencem à Universal Music Publishing Group, que representa Glitter, e à BMG, que representa Mike Leander, o co-autor da canção. Um representante do grupo editorial da Universal também confirmou que os royalties não estão sendo pagos aos autores. "O interesse de publicação dos direitos autorais das músicas de Glitter são de propriedade da UMPG e de outras partes, portanto, a UMPG não paga a ele os royalties ou outras considerações". 

Glitter está cumprindo pena de 16 anos de prisão por abusar sexualmente de três meninas. 

Com uma semana em cartaz, Coringa já figura no Top 5 de maiores bilheterias de lançamento de filmes para maiores de 18 anos do país, ficando atrás apenas de Deadpool (US$ 132,4 milhões), Deadpool 2 (US$ 125,5 milhões) e It: A Coisa (US$ 123,4 milhões). No Brasil, o longa estrelado por Joaquin Phoenix recebeu classificação indicativa para maiores de 16 anos.

Coringa estreou no dia 3 de outubro e arrecadou US$ 93,5 milhões em seu primeiro final de semana, melhor marca da Warner desde Mulher-Maravilha que, sem a mesma limitação de ser só para maiores de 18 anos, fez US$ 103 milhões.