Filmes

Artigo

A jornada de Brie Larson até Capitã Marvel

Vencedora do Oscar protagonizou primeiro filme solo de heroína da Marvel

A cozinha
30.12.2019
14h00
Atualizada em
30.12.2019
13h43
Atualizada em 30.12.2019 às 13h43

Um dos maiores sucessos do ano foi Capitã Marvel. Brie Larson se tornou a primeira heroína da Marvel a ganhar um filme solo, mas como foi a jornada dela para virar a personagem? 

A carreira de Larson começou cedo, com seus primeiros papéis chegando quando tinha apenas 9 anos. Seu primeiro papel de destaque foi na série Raising Dad, ao lado de Kat Dennings (Thor), mas a produção foi cancelada após uma temporada. As dificuldades na carreira das telas, no entanto, serviram seu propósito. Em 2003, depois de não conseguir o papel de Wendy na nova versão de Peter Pan para os cinemas, Larson escreveu a canção "Invisible Girl", que acabou lhe rendendo um contrato com Tommy Mottola na Casablanca Records. Seu álbum, Finally Out of P.E., de 2005, chegou a receber certa atenção na MTV e na Billboard, mas vendeu apenas 3.500 cópias. 

Larson concorreu por um papel em Juno, mas foi na série protagonizada por Toni Collette, United States of Tara, que ela conseguiu sua nova chance. A atriz permaneceu na série por suas três temporadas, chamando atenção da indústria e caminhando de modo mais firme ao estrelado. Os créditos na série, assim como seu talento musical, contribuíram para o sua primeira grande personagem, que viria em 2011: Envy Adams em Scott Pilgrim Contra o Mundo.

Apesar de não ter sido um sucesso comercial, o filme de Edgar Wright foi um dos pontos de virada na carreira de Larson, que passou a se dividir entre dramas independentes, como Um Tira Acima da Lei e O Problema de Morris Bliss, com filmes de maior alcance como Anjos da Lei. Em paralelo, Larson ainda trabalhava como corroteirista e codiretora de curtas-metragem.

Seu primeiro papel como protagonista veio com Temporário 12 (2013), que lhe rendeu uma indicação como Melhor Atriz no Independent Spirit Awards. Dois anos depois, em 2015, chegava a hora da sua consagração definitiva, como protagonista do drama O Quarto de JackO papel da jovem raptada que se torna mãe em cativeiro lhe rendeu todos as principais honrarias da temporada de premiações de 2016, incluindo o Oscar de Melhor Atriz. Isso colocou a jovem no radar da Marvel. 

A atriz admite que não foi fácil aceitar a ideia de se tornar uma heroína no cinema, dizendo que foi até difícil dar uma resposta ao estúdio: "Optar por fazer um filme como esse não muda apenas a minha vida. Também muda a vida da minha família, do meu parceiro, dos meus amigos. Então é preciso considerar tudo com cuidado, especialmente porque sou introvertida”. 

Por sorte ela aceitou o desafio e se tornou uma das heroínas mais poderosas do Universo Marvel. O filme arrecadou mais de US$ 1 bilhão de dólares ao redor do mundo e a heroína deve ser uma das líderes da nova fase dos Vingadores no cinema.