Wagner Moura para o Omelete

Filmes

Notícia

Wagner Moura na Marvel? Ator e diretor diz o que o faria aceitar papel no MCU

Em conversa com o Omelete, Moura relembrou quando quase fez Mulher-Maravilha 1984

Eduardo Pereira
10.11.2021
14h00

De Elysium (2013) a Sergio (2020), passando pela primeira temporada de Narcos (2015), Wagner Moura estrelou uma boa dose de projetos hollywoodianos, mas ainda falta marcar presença em um grande Blockbuster. Conversando com o Omelete, o ator e diretor da cinebiografia Marighella lembrou de quando isso quase aconteceu e ainda revelou o que o levaria a aceitar um papel em um filme da Marvel Studios.

"Não é o tipo de cinema que eu paro para ver, mas acho bom", comentou Moura. "Eu faria, mas depende do personagem. Se ele fosse bem desenvolvido, aí eu faria". Segundo o ator e diretor, seu filme preferido do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) é Vingadores: Guerra Infinita (2018). Ou, como ele diz: "O que o Thanos mata todo mundo. Eu gostei muito desse. Às vezes eu assisto com meus filhos".

Segundo Moura, seu "quase" nos filmes de super-heróis aconteceu com Mulher-Maravilha 1984, dirigido por Patty Jenkins (2020). "Era um papel que estava ali. Me chamaram pra falar com a diretora, mas eu realmente não podia fazer. Estava envolvido com outras coisas", lembrou o ator e diretor.

Marighella, que traz Seu Jorge no papel do guerrilheiro Carlos Marighella, estreou em 4 de novembro, 52 anos depois dele, uma das principais figuras de oposição contra a ditadura militar, ser assassinado.

Anteriormente, o filme, que conta ainda com Adriana EstevesBruno Gagliasso e Herson Capri, estava marcado para estrear em abril de 2021, mas o plano foi adiado por causa da pandemia do coronavírus. Um adiamento prévio, em 2020, é atribuído por Moura a uma censura do governo federal via a Agência Nacional do Cinema (Ancine).

Marighella passou por vários festivais, inclusive o Festival de Berlim, onde estreou sob aplausos. O filme narra a vida do guerrilheiro em dois momentos, um em 1964 e outro entre 1968 e 1969, quando ele morreu em uma emboscada executada por policiais, na época da ditadura militar.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.