Imagem do segundo episódio da quinta temporada de Supergirl/CW/Divulgação

Créditos da imagem: CW/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Vilões começam a executar planos em novo episódio de Supergirl

Passado do Caçador de Marte também foi explorado

Nicolaos Garófalo
14.10.2019
21h03
Atualizada em
14.10.2019
21h20
Atualizada em 14.10.2019 às 21h20

Depois de um começo vazio na semana passada, com dramas pessoais dominando o episódio, o segundo capítulo da quinta temporada de Supergirl aproveitou as tramas criadas para injetar uma dose de emoção no começo do novo ano. Apesar de, às vezes, exagerar na exposição, “Stranger Beside Me” deu o verdadeiro pontapé inicial nas relações que serão desenvolvidas nos próximos episódios e finalmente estabeleceu os vilões a serem enfrentados no arco pré-crossover.

[Spoilers de “Supergirl – Stranger Beside Me” a seguir]

Seguindo os novos romances que surgiram na quarta temporada, o capítulo abre com uma adorável sequência em que Brainy (Jesse Rath), tentando agradar Nia (Nicole Maines), acorda a amada com um prato cheio de burritos e um enorme copo de café gelado, ao mesmo tempo em que Alex (Chyler Leigh) prepara um café da manhã especial para Kelly (Azie Tesfai). Enquanto a meta-humana define o gesto do androide como “a melhor manhã de todos os tempos”, a irmã de Kara (Melissa Benoist) descobre que quase matou a namorada ao preparar um prato de panquecas com mirtilo, fruta que poderia causar uma forte reação alérgica na médica.

Na cidade, Kara e James (Mechad Brooks) conversam sobre o pedido de demissão do jornalista que, em menos de doze horas, recebeu propostas para se candidatar como senador nas eleições especiais e para comandar o setor de comunicação do Smithsonian, importante museu dos Estados Unidos. O ânimo da conversa é cortado quando a dupla entra na casa de J’onn (David Harewood) e encontra o marciano desacordado, com uma terrível dor de cabeça. De acordo com o Caçado de Marte, essa dor é causada por uma “maldição” criada após guerra civil no planeta vermelho, quem impede que irmãos lutem uns contra os outros, confirmando as palavras ditas pelo vilão no último episódio.

No laboratório de Lena (Katie McGrath), descobrimos que a Luthor é a responsável pelo sequestro de Eve (Andrea Brooks), que tenta revelar, sem sucesso, sua ligação com a organização Leiathan. É então que Andrea Rojas (Julie Gonzalo), dona da multinacional tecnológica Obsidian e nova presidente da CatCo, invade o laboratório de Lena, confiscando as lentes de realidade virtual que a irmã de Lex vinha usando para descobrir como alterar o cérebro humano usando a tecnologia. Ao invés de anunciar sua presença e pedir ajuda, Eve se mantém calada, na esperança de demonstrar lealdade à Luthor.

Em reunião de pauta da CatCo, Andrea dá a Kara a tarefa de cobrir uma lista dos trajes dos convidados da noite de gala do Pulitzer (o mesmo que foi recebido pela kryptoniana no primeiro episódio), para o desgosto da jornalista. Em meio ao trabalho, Kara recebe um alerta de Alex sobre a possível localização do irmão de J’onn – chamado Malefic - e abandona sua mesa, despertando a curiosidade de William (Staz Nair) que, usando contatos no governo, rastreia a colega e acaba dando de cara com a Supergirl batalhando um marciano branco, aliado de Malefic. Apesar de cena não deixar claro se o jornalista deduziu ou não a identidade secreta de Kara, a heroína descobre pouco depois que ele escreveu e entregou seu artigo sobre os “looks do Pulitzer”.

Na Obsidian, Kelly tenta ajudar J’onn a recuperar suas memórias perdidas do irmão com ajuda de raios-Q (uma onda de radiação fictícia encontrada entre os raios X e Gama). Durante o experimento, o Caçador descobre que Malefic traiu a própria raça durante a guerra marciana e, por isso, foi banido para a Zona Fantasma.

Na grande sequência de ação do episódio, o irmão de J’onn se transforma em Kelly para tentar “destruir a nova família” do marciano, mas é interrompido quando Alex percebe que não está falando com sua namorada e pede a ajuda do resto da equipe. Supergirl enfrenta Malefic, agora transformado em sua irmã, em uma bela luta com o auxílio de James e Caçador de Marte.

Com a vitória, J’onn questiona se haveria um jeito de aumentar a intensidade do tratamento com raios-Q para descobrir quem apagou suas memórias do irmão, mas é informado por Kelly que essa mudança poderia resultar num reboot completo do cérebro do herói. Malefic, disfarçado como uma mosca na parede, vê na fala da médica a solução para a limitação de seus poderes, algo que o agoniza desde sua fuga da Zona Fantasma.

Espelhando o início do episódio, Kelly pergunta como Alex sabia que não era ela no apartamento mais cedo e a agente do DEO afirma que, apesar de estarem juntas há pouco tempo, ela gosta demais da companheira e vê em seus olhos que o sentimento é recíproco, algo que Malefic não conseguiu reproduzir em sua imitação. A troca faz a irmã de Kara se acalmar após incidente das panquecas e lhe passa a segurança de que ela conhece Kelly o bastante para compartilhar seus sentimentos.

Já Nia e Brainy percorreram o caminho contrário. Após a refeição matinal proporcionar a “melhor manhã da história” para Dreamer, o androide passou a enchê-la de sushi e pizzas para tentar criar “o melhor dia”, sobrecarregando a heroína. Quando ela pede que o namorado dê um tempo nos astronômicos pedidos de comida, Brainy não entende e tenta fazer absolutamente todos os momentos do casal serem extremamente românticos, a ponto de se tornarem cansativos para a meta-humana.

De volta ao laboratório de Lena, a Luthor decide libertar Eve de sua prisão e conta parte de seu plano de usar a inteligência artificial Hope para retirar dos seres humanos a vontade de ferir os outros. Lena então ativa o protocolo Non Nocere (“não prejudicar”, em latim), fazendo com que sua assistente virtual domine a antiga aliada de Lex.

Se o episódio anterior de Supergirl pecou com introduções rasas e uma estreia com poucas emoções, esse segundo capítulo cumpre melhor o papel de estabelecer os caminhos para o resto da temporada. “Stranger Beside Me” deixa pequenos fios a serem puxados nas tramas de J’onn e Lena, assim como estabelece obstáculos em relações complicadas o bastante para fugir do drama comum – e cansativo - do Arrowverso. O novo episódio também já amplia a base para a despedida de James da série, impedindo que sua saída pareça abrupta.