Detalhe do cartaz de Batwoman

Créditos da imagem: CW/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Estreia de Batwoman tem boa ação e drama típico de produções da CW

Piloto planta sementes para as principais tramas da temporada

Nicolaos Garófalo
07.10.2019
13h03
Atualizada em
09.10.2019
13h36
Atualizada em 09.10.2019 às 13h36

Já é algo esperado das séries do Arrowverso, produções de super-heróis da DC transmitidas pele rede CW nos EUA, um clima “novelão”. Apesar de cada um dos quatro seriados lançados até agora terem seus estilos e abordagens diferentes, os dramas familiares, romances impossíveis e relações pessoais entre heróis e vilões são tão marca registrada de Arrow, The Flash, Supergirl e Legends of Tomorrow quanto o próprio selo da editora. Em seu primeiro episódio, Batwoman, nova integrante desse universo televisivo compartilhado, expõe cada uma dessas características, mas faz delas ferramentas para estabelecer tramas a serem usadas no restante da temporada.

[Spoilers de "Batwoman: Pilot" a seguir]

A série começa com Kate Kane (Ruby Rose), prima de Bruce Wayne, treinando suas habilidades de sobrevivência em um lago congelado no Alasca. Enquanto tenta se livrar da camada de gelo que a separa da superfície, a protagonista se lembra de um acidente de carro, anos atrás, quando perdeu a mãe e a irmã, Beth. Na ocasião, Batman chegou ao local, mas, para a decepção de Kate, escolheu perseguir um vilão a salvar pessoalmente sua família.

A narrativa, então, se volta para Gotham e descobrimos que, aparentemente sem motivo, o Cavaleiro das Trevas deixou a cidade há três anos, obrigando o prefeito a contratar um exército particular, os Crows, comandados por Jacob Kane (Dougray Scott), pai de Kate. Em um evento público, a prefeitura decide desligar, de maneira permanente, o bat-sinal, que permanecera acesso na esperança do retorno do Batman.

Durante a transmissão do evento, Sophie (Meagan Tandy), agente favorita de Jacob, é sequestrada por Alice (Rachel Skarsten) e sua gangue, o que leva Kate, avisada por sua irmã adotiva Mary (Nicole Kang), a voltar a Gotham. Um novo flashback mostra que a protagonista e a agente eram, durante seu período juntas na academia militar, namoradas, mas o relacionamento acabou quando as regras do exército impediram que as duas ficassem juntas.

A primeira coisa que Kate faz ao retornar para Gotham é invadir uma aparentemente abandonada Torre Wayne, com o intuito de usar o circuito de câmeras da empresa para ajudar seu pai a encontrar Sophie. Lá, ela conhece Luke Fox (Camrus Johnson), chefe de segurança e único empregado que ainda permanece no prédio após Bruce Wayne deixar a cidade. O rapaz é facilmente derrotado por Kate, que leva as novas gravações para a base Crow.

Uma análise de imagens faz com que a equipe descubra que a vilã está escondida em um orfanato abandonado, que Kate e Beth costumavam brincar quando eram pequenas. Impulsiva, a protagonista não espera pelos preparos do exército de seu pai e parte sozinha para resgatar a ex-namorada.

Dentro do orfanato, Batwoman entrega uma das melhores sequências de ação nesses sete anos de Arrowverso. Sem a ajuda de infinitos cortes rápidos ou imagens demasiadamente tremidas, é possível distinguir Ruby Rose dentro da cena em que enfrenta, um a um, os capangas de Alice. A vilã, que eventualmente captura a heroína, diz que o sequestro de Sophie tem um motivo: ela é a única pessoa com quem Jacob realmente se importa e, agora, cabe a Kate entregar a mensagem.

Depois disso, o episódio amontoa um punhado de informações em poucos minutos: Mary, irmã adotiva de Kate e, aparentemente, apenas uma riquinha da elite de Gotham, comanda um hospital clandestino para sem-teto no centro da cidade; Jacob não quer a filha envolvida com as ações dos Crows; Luke sabia, o tempo todo, que Bruce era o Batman e aceita, sem pestanejar, ajustar os equipamentos do herói para Kate; Alice infiltrou seu amante nos Crows para poder ameaçar um evento a céu aberto com uma bomba. Tudo acontece de maneira um tanto apressada para que a Batwoman finalmente apareça em tela.

Já com um uniforme adaptado (mas ainda não finalizado), Kate surge para finalmente salvar a ex. Desta vez, ela usa os mesmos métodos do Batman, pendurando capangas por ganchos e usando as sombras para chegar até a vilã. O embate das duas é interrompido pela queda de Sophie do alto do prédio onde acontece a luta e, claro, a heroína salta junto para salvá-la.

No fim do capítulo, enquanto Gotham comemora a “volta do Batman”, Kate analisa uma das facas que Alice usou contra ela na noite anterior e descobre, graças a uma pedra enfeitando a arma, que a vilã é sua irmã, dada como morta 15 anos atrás.

Apesar de um pouco apressada em alguns momentos, Batwoman teve uma boa estreia. Ao invés de fugir dos dramas típicos do resto do Arrowverso, a série decidiu usá-los a seu favor, adiantando reviravoltas e expondo relações, dando início a tensões e atritos que devem dominar a trama no restante da temporada.