Cena de Thor: Amor e Trovão

Créditos da imagem: Marvel Studis/Divulgação

Filmes

Artigo

Thor: Amor e Trovão | Entenda o final do novo filme do Filho de Odin

Com retorno de Taika Waititi à direção, longa muda tudo para o personagem-título

Omelete
3 min de leitura
Eduardo Pereira
07.07.2022, às 18H00

[O texto abaixo traz spoilers de Thor: Amor e Trovão]

Thor (Chris Hemsworth), o Filho de Odin, agora é pai. Como resultado do confronto final com o vilão Gorr, o Caniceiro dos Deuses (Christian Bale), o Deus do Trovão teve de aceitar a escolha de Jane Foster (Natalie Portman), a Poderosa Thor, de morrer em batalha. Ao optar por abraçá-la em seus últimos momentos, ele fez com que o vilão lembrasse do amor que sentia por sua filha — justamente o combustível de sua sanguinolenta vingança — e pedisse à entidade Eternidade não a morte das divindades, mas sim que a ressurreição da garota. Como o uso da necro-espada o havia deixado prestes a morrer, entretanto, ele usou seus últimos suspiros para confiar a garota aos cuidados do herói; o que ele acatou.

Assim, Thor: Amor e Trovão se encerra revelando, na narração de Korg (interpretado pelo diretor Taika Waititi) que o título é mais do que um resumo do que compõe sua trama, mas também a alcunha pela qual ficou conhecida a dupla composta pelo Filho de Odin e sua protegida. Vivendo juntos em uma nave espacial, ela aparece sendo não só cuidada pelo "tio Thor", como também guiada em batalha por ele. A extensão dos poderes da garota não fica evidente, mas como sua ressurreição dá a entender, ela parece carregar uma parte das habildades cósmicas da própria Eternidade, podendo até lançar raios de energia dos olhos.

Painel dos quadrinhos da Marvel com os Filhos da Eternidade
Marvel Comics/Reprodução

Isso indica uma ligação em potencial com um grupo de personagens dos quadrinhos da Marvel chamado Filhos da Eternidade, mais recentemente relevantes em histórias do Loki. Seres celestiais nascidos da entidade, eles são Empatia, Elogio, Conveniência, Entropia, Epifania, Inimizade, Eon, Antes e Hoje; conceitos abstratos em forma humanóide que podem muito bem estar começando sua jornada no MCU por meio de uma adaptação: a garota Amor (India Rose Hemsworth).

Além disso, toda a participação da Eternidade no terceiro ato de Amor e Trovão escancara as portas do Universo Cinematográfico da Marvel para a aguardada adaptação do vilão Galactus pela Marvel Studios. O personagem foi previamente levado às telonas no lamentável Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007), quando seus direitos ainda pertenciam à então 20th Century Fox (hoje, 20th Century Studios). Junto de Eternidade, Morte, Infinito e Esquecimento, ele compõe o quinteto que sustenta toda a realidade onde as histórias que acompanhamos nos quadrinhos acontecem.

No seu novo filme, Thor (Hemsworth) deve passar por uma crise da meia-idade em seus mais de 1500 anos. Em sua jornada de autoconhecimento, ele conhecerá outros deuses, vai reencontrar sua amada e também um novo adversário extremamente letal: Gorr, o Caniceiro dos Deuses (Bale).

Thor: Amor e Trovão estreia nos cinemas em 7 de julho de 2022.

O Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Acompanhe a gente também no YouTube: no Omeleteve, com os principais assuntos da cultura pop; Hyperdrive, para as notícias mais quentes do universo geek; e Bentô Omelete, nosso canal de animes, mangás e cultura otaku.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.