"Não era para durar para sempre", diz Kevin Feige sobre Homem-Aranha no MCU

Créditos da imagem: Marvel Studios/Divulgação

Filmes

Notícia

"Não era para durar para sempre", diz Kevin Feige sobre Homem-Aranha no MCU

Presidente do Marvel Studios comentou a saída do teioso do MCU

Nicolaos Garófalo
24.08.2019
19h26
Atualizada em
24.08.2019
20h02
Atualizada em 24.08.2019 às 20h02

Depois de dias do anúncio do fim do acordo pelo uso do Homem-Aranha nos filmes do Marvel Studios, o presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, afirmou a Entertainment Weekly que sente apenas gratidão e alegria por ter trabalhado com Peter Parker, mas lembrou que o acordo nunca foi feito para durar para sempre.

Nós sabíamos que tinha um tempo finito de contrato, contamos a história que queríamos contar e serei sempre grato por isso”, afirmou o produtor, lembrando os cinco filmes com participação do Aranha na franquia.

Tom Holland também comentou a EW sobre a situação complicada do seu personagem: "Basicamente fizemos cinco filmes. Foram cinco anos incríveis. Foi o melhor momento da minha vida. Quem sabe qual será o futuro. Tudo o que sei é que continuarei a ser o Homem-Aranha e a ter o melhor momento da minha vida. Será tão divertido, não importa como a gente escolha fazer. O futuro do Homem-Aranha será diferente, mas será igualmente maravilhoso e incrível, e encontraremos novas formas de fazer ainda mais divertido". 

As negociações para renovar o acordo sobre o Homem-Aranha desandaram esta semana. A Disney fez uma proposta para dividir os lucros dos filmes do teioso de igual para igual. Assim, Marvel e Sony receberiam 50% cada uma: nos filmes anteriores, a Disney recebeu 5% dos valores de venda de ingressos e ficou com todo o lucro de merchandising. A Sony recusou a proposta e, com isso, Kevin Feige não será mais o produtor dos filmes solo do Aranha.

Recentemente, Homem-Aranha: Longe de Casa se tornou a maior bilheteria da Sony com US$ 1,109 bilhão arrecadados mundialmente, superando 007 - Operação Skyfall. O filme ganhará um relançamento com quatro minutos a mais nos EUA em 29 de agosto.