Ryan Reynolds em Deadpool

Créditos da imagem: 20th Century Studios/Divulgação

Filmes

Notícia

Em live, criador de Deadpool critica Disney por não usar o personagem

Rob Liefeld disse que estúdio deveria monetizar popularidade do mutante com games e animações

Nicolaos Garófalo
22.07.2020
20h59

Dias depois de dizer que estava tranquilo com o possível fim da franquia cinematográfica do Deadpool, Rob Liefeld reclamou da postura da Disney em relação ao personagem. Em uma live comandada pelo portal IGN para acompanhar a Comic-Con@Home, o quadrinista criticou o estúdio por não aproveitar melhor a popularidade do personagem em games e animações.

Segundo ele, a Disney não pode, por causa da pandemia, abrir seus parques, que “trazem 50% de seus lucros totais, eles estão fechados faz cinco meses. Vocês não têm como ganhar seus US$ 3 bilhões nos cinemas”. O quadrinista afirmou que “animadores podem trabalhar de casa. Artistas digitais podem trabalhar de casa. O Deadpool é meio popular. Games do Deadpool, animações do Deadpool – é claro que vocês deveriam fazê-los”.

Leifeld ainda citou Bob Iger, ex-presidente da Disney e um dos responsáveis pela negociação que levou à compra da 21st Century Fox, e Kevin Feige, presidente do Marvel Studios, dizendo que “existem outros gênios” fora da empresa que podem ajudar o estúdio a recuperar o dinheiro investido na união das companhias. “Existe uma demanda, espero que eles a supram, mas não tenho certeza de que eles o farão”.

San Diego Comic-Con @Home acontece entre os dias 22 e 26 de julho, tudo pela internet.

Ainda não há previsão de estreia ou detalhes adicionais para Deadpool 3. Seu antecessor, Deadpool 2, superou o original e foi, temporariamente, a maior bilheteria mundial de um filme para maiores. O recorde foi quebrado em 2019 porCoringa, dirigido por Todd Phillips.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.