9 celebridades que são ativistas pelos direitos LGBTQI+

Créditos da imagem: The Late Show with Stephen Colbert/CBS/Reprodução

Filmes

Lista

9 celebridades que são ativistas pelos direitos LGBTQI+

Ellen DeGeneres, Madonna e mais!

Mariana Canhisares e Camila Sousa
26.06.2020
11h00
Atualizada em
25.06.2020
12h58
Atualizada em 25.06.2020 às 12h58

No mês do Orgulho LGBTQ+, relembre alguns dos artistas da música, da TV e do cinema que apoiam e defendem os direitos do movimento no mundo:

Ellen DeGeneres

A comediante norte-americana é considerada uma das pioneiras na defesa dos direitos da população LGBTQI+. Nos anos 1990, quando protagonizava uma sitcom de destaque na TV americana, Ellen DeGeneres publicamente se assumiu lésbica, contrariando o conselho de muitos colegas que diziam que a atitude acabaria com a sua carreira. No curto prazo, a humorista realmente lidou com uma repercussão negativa: seu programa foi cancelado e ela ficou sem trabalho durante três anos. Porém, ela não apenas recuperou seu espaço na televisão e se tornou uma das humoristas mais conhecidas do país, como continuou a levantar a bandeira da diversidade.

"Teve uma época na minha vida que eu não era escolhida", disse no Teen Choice Awards. "Era o oposto de escolhida porque era diferente e quero garantir que todos saibam que o que te torna diferente hoje é o que te faz se sobressair mais tarde na vida. Então você deve sentir orgulho se ser diferente. Você deve ter orgulho de quem é". Olhando em retrospecto, DeGeneres é realmente uma das responsáveis para que Hollywood tenha se tornado mais receptiva à diversidade com o passar dos anos.

O ativismo da apresentadora foi reconhecido em 2016 pelo então presidente Barack Obama, quando ela recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade, uma das maiores honrarias dadas aos civis no país. No discurso, Obama relembrou como ela desempenhou um papel importante não apenas para a comunidade LGBTQi+, mas também para ajudar "a empurrar o país na direção da justiça".

Ian McKellen

"Nunca conheci uma pessoa gay que se arrependeu de se assumir - incluindo eu mesmo", escreveu no Twitter Ian McKellen, o Gandalf de O Senhor dos Anéis, em 2018. "A vida finalmente começa a fazer sentido, quando você é aberto e honesto. Hoje é o aniversário de 30 anos da discussão na rádio da BBC quando eu publicamente disse que sou gay. Então, estou celebrando".

O ator britânico sempre foi bastante vocal sobre os direitos LGBTQI+. Além de escrever e falar publicamente sobre o assunto em diversas ocasiões, nos anos 1980 ele cofundou o Stonewall UK, uma instituição de caridade que defende a igualdade jurídica e social desta população. Ele também costuma marcar presença em Paradas ao redor do mundo, vestindo as cores da bandeira LGBTQI+.

Madonna

"Vogue"/Madonna/Youtube

Intérprete de um dos hinos mais emblemáticos do movimento LGBTQI+, Madonna sempre foi bastante vocal sobre a causa. Nos anos 1980, ela foi uma das pessoas que combateu o preconceito contra a população afetada pelo HIV, que fez muitas vítimas na comunidade gay.

Mais recentemente, em 2012, a cantora se posicionou contra uma lei que acabara de ser aprovada na Rússia - e está em vigor até hoje - que proíbe defender outras orientações sexuais que não a heterossexual. Madonna não apenas distribuiu pulseiras rosas para o público como um símbolo do apoio deles à causa LGBTQi+, como fez um belo discurso sobre diversidade:

"É um momento muito estranho no mundo. Sinto que as pessoas têm cada vez mais medo das outras pessoas que são diferentes, as pessoas estão se tornando mais e mais intolerantes. É um tempo muito assustador, mas nós podemos fazer a diferença. Nós podemos mudar isso. Nós temos o poder. E não precisamos de violência, nós apenas precisamos do amor".

Laverne Cox

Netflix/Divulgação

Laverne Cox, uma dos rostos do ativismo trans na atualidade, fez história na série Orange Is The New Black ao ser a primeira pessoa trans a ser indicada a um Emmy em uma categoria de atuação. Ela aproveitou esse destaque para realmente educar as pessoas nos Estados Unidos sobre as questões da população trans, falando em 44 universidades espalhadas pelo país e compartilhando, inclusive, sua experiência pessoal na juventude.

Sua contribuição para a comunidade foi tamanha que, em 2014, ela recebeu a maior honra do GLAAD Media Awards - prêmio da organização não-governamental que monitora e luta pela representação LGBTQI+ na mídia, tornando-se a primeira mulher trans a ser homenageada.

"É importante que as pessoas contem histórias diversas", disse no seu discurso. "Acredito que esse deva ser o objetivo de todo mundo. Todos temos a capacidade de sermos o opressor. Encorajo que todos se questionam sobre como podem ser o opressor e como podemos nos tornar libertadores de nós mesmos e dos outros".

Ellen Page

"Aprendi que a beleza, a alegria e até mesmo a dor do amor são os presentes mais incríveis que alguém pode dar e receber como um ser humano. E nós merecemos viver o amor por completo, em igualdade e sem vergonha", disse Ellen Paige durante a conferência Human Rights Campaign's Time to Thrive de 2014, quando ela se assumiu lésbica publicamente.

Desde então, a atriz não economizou esforços para dar destaque às questões LGBTQI+. Entre eles, estava a série Gaycation, em que ela e Ian Daniel visitaram cidades ao redor do mundo, inclusive o Rio de Janeiro, para entender como cada lugar enxerga esta comunidade - assista aqui ao episódio sobre o Brasil.

Stephen Fry

O ator, roteirista e comediante britânico Stephen Fry é ativista dos direitos da população LGBTQI+ há mais de 30 anos. Não à toa, ele foi premiado neste ano no British LGBT Awards. No documentário em duas partes Stephen Fry: Out There, ele explorou como é a vida das pessoas homossexuais ao redor do mundo, incluindo o Brasil.

Lady Gaga

"Independente de gay, hétero ou bi, lésbica, ou vida transgênero, estou no caminho certo, baby, nasci para sobreviver". Lady Gaga, a voz de "Born This Way", definitivamente não poderia ficar de fora desta lista.

A cantora usa sua plataforma sempre que pode para apoiar as causas da comunidade, seja no palco, seja nas manifestações de orgulho LGBTQI+. Para ela, sair em defesa dos direitos desta população é um verdadeiro compromisso. "Quando comecei no mainstream foram os gays que me levantaram. Me comprometi com eles e eles, comigo. É por causa da comunidade gay que estou onde estou", disse, em 2009.

Em 2010, por exemplo, a artista foi ao VMA acompanhada de membros do exército americano que tiveram que deixar seus cargos por causa de uma política que proibia que eles se assumissem gays. "Se não defendermos o que acreditamos e se não lutarmos por nossos direitos, logo teremos tantos direitos quanto a carne nos nossos ossos", afirmou, vestindo o icônico vestido de carne.

Vale notar também que, em 2012, Gaga lançou uma fundação sem fins lucrativos, cujo objetivo é dar o suporte necessário para que os jovens possam se tornar líderes e, assim, fortaleçam suas comunidades. Entre as ações da instituição está dar assistência à saúde mental dessa geração, que sofre com o bullying por simplesmente serem quem são.

Daniela Mercury

A cantora baiana se tornou um dos grandes nomes da causa LGBTQI+. Além de participar regularmente da Parada, incluindo sua versão virtual realizada em 2020, Mercury já falou sobre o tema no Congresso Nacional ao lado da esposa, Malu Verçosa. Na época, as duas se beijaram dentro da Câmara dos Deputados, como um símbolo de amor e luta. 

Recentemente em suas redes sociais, a cantora comemorou a confirmação de que o Bob Esponja faz parte da comunidade LGBTQI+, afirmando que as crianças precisam de referências.

Linn da Quebrada

Além de atriz, cantora e compositora, Linn da Quebrada é ativista trans pelos direitos da comunidade LGBTQI+ e da população negra. Em suas músicas, Linn fala sobre a realidade da comunidade LGBTQI+ e sobre identidade de gênero, misturando diversos estilos musicais, incluindo o funk. Na letra de “Oração”, Linn canta que “Não queimem as bruxas mas que amem as bixas mas que amem”. Em 2018, a vida de Linn foi para os cinemas com o documentário Bixa Travesti, que fala também sobre a cena musical de artistas trans em São Paulo.