Doom Patrol começa apresentando heróis de forma intimista e sarcástica

Créditos da imagem: Patrulha do Destino/DC Universe/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Doom Patrol começa apresentando heróis de forma intimista e sarcástica

Série da DC mostra potencial para se tornar uma das melhores adaptações das HQs

Gabriel Avila
19.02.2019
17h27
Atualizada em
19.02.2019
19h40
Atualizada em 19.02.2019 às 19h40

Patrulha do Destino é uma equipe improvável em vários níveis. Mesmo com uma trajetória iniciada na década de 60, o grupo nunca foi conhecido pelo grande público, ficando reduzido ao nicho de quadrinhos mesmo em sua época mais aclamada. É difícil imaginar que um time tão bizarro pudesse funcionar na TV. Porém, a série, que estreou recentemente no serviço de streaming DC Universe, aceita o desafio e desafia o status quo apostando no carisma de seus personagens já no piloto.

O primeiro capítulo é um empolgante cartão de visitas que explora a excentricidade do grupo ao equilibrar fidelidade aos quadrinhos e atualizações muito bem-vindas. As origens dos heróis seguem as HQs, mas com sutis modificações que adicionam camadas aos personagens. Cada um deles carrega um fardo próprio, seja desvio de caráter ou o peso de uma mentira, o que dá ao time um senso de redenção em sua jornada, conferindo dimensões que vão além das tragédias que concederam seus poderes.

Misturando fatalidades, ironia e alívios cômicos pontuais, a série apresenta consciência em meio à saturação de produções estreladas por super-heróis e sabe rir de si mesma ao brincar com isso de diversas formas, especialmente quando decide quebrar a quarta parede. Embora pouco exposto no piloto, essa é a principal função do vilão Sr. Ninguém, vivido por Alan Tudyk, que narra o episódio com texto carregado de sarcasmo e metalinguagem.

Embora traga uma abordagem particular, o seriado desliza ao perder o fôlego na reta final do episódio. A empolgação gerada pelo apelo dos personagens se perde quando a produção inclui uma sequência de eventos que não se conectam de forma natural ao que foi apresentado até então. Apressar a narrativa para fazer caber uma ameaça maior torna o capítulo mais longo do que o necessário, o que contradiz o clima intimista da trama até então.

Com 13 episódios confirmados para a primeira temporada, Patrulha do Destino tem grande potencial para se firmar como uma grande série baseada em HQs justamente por abraçar a essência da obra original e transportá-la para outra mídia com propriedade. O maior trunfo da série está justamente na dinâmica da equipe graças ao trabalho do elenco principal, que cativa ao retratar uma família esquisita que precisa salvar o mundo antes do jantar.

Patrulha do Destino é transmitida nos Estados Unidos pelo serviço de streaming DC Universe. Ainda não há previsão de chegada ao Brasil.