Cartaz promocional de Invocação do Mal (2013)

Créditos da imagem: Invocação do Mal (2013)/Warner Bros./Divulgação

Filmes

Artigo

Invocação do Mal | Conheça o caso real que inspirou o primeiro filme

Casa mal assombrada que serviu como base para o longa terá transmissão ao vivo este mês

Arthur Eloi
05.05.2020
15h20
Atualizada em
06.05.2020
10h29
Atualizada em 06.05.2020 às 10h29

Desde seu início em 2013, Invocação do Mal é uma das franquias mais populares do terror moderno, com dois filmes e cinco derivados. Enquanto as tramas e assombrações variam de projeto para projeto, muito é baseado nas experiências paranormais dos exorcistas Ed e Lorraine Warren, vividos nas telonas por Patrick Wilson e Vera Farmiga. Os dois são figuras conhecidas nos EUA, tendo mais de 4 mil casos sobrenaturais investigados desde a década de 1950. Assim como nas sequências, o primeiro Invocação do Mal é baseado em um desses casos reais.

A trama do longa é especificamente inspirada na história da família Perron. Segundo os relatos, o casal Roger e Carolyn Perron compraram uma propriedade antiga em Rhode Island durante o inverno de 1970. O lugar, chamado de a Antiga Propriedade Arnold, tinha cerca de 80 mil hectares, com uma elegante casa de 10 quartos que acomodaria bem os dois e também suas cinco filhas. Mas logo que chegaram ao local, o casal relatou ter sentido uma energia estranha do local - não exatamente perversa, mas apenas carregada.

Ao se mudarem para a casa, os eventos estranhos começaram a acontecer. Primeiro, as meninas mais novas acordavam os pais na madrugada, chorando por ter ouvido vozes de supostos fantasmas enterrados nas paredes. Após o susto inicial, a família relatou que as aparições se tornaram mais frequentes, porém amigáveis, com presença calma. Isso foi escalando com fenômenos sem explicações, como camas levitando alguns centímetros do chão, quadros e cadeiras sendo derrubados em explicações, e manchas desconhecidas que apareciam e sumiam sem intervenção humana.

Mais tarde, a família descobriu que comprou a casa sem terem lhe contado do histórico. Oito gerações anteriores haviam vivido e morrido na propriedade, com um passado aterrorizante marcado por assassinatos, estupro e suicídios. Logo, os Perron começaram a ser visitados por espíritos mal intencionados, que puxavam as pernas e cabelos das garotas, batiam as portas e os deixavam acordados a noite toda com pedidos de ajuda. O que agravou toda a situação foi a chegada do espírito de Bathsheba Sherman, supostamente uma bruxa satanista que se enforcou de trás do celeiro da casa. Sua perversão contra Carolyn Perron era tão grande que não só a mulher afirma ter sido torturada pela entidade, como também ter sido possuída por ela. É aí que os Warren entraram em cena.

O casal de exorcistas foi chamado para a propriedade, onde conduziram diversas sessões espíritas e exorcismos para lidar com as forças do mal. Andrea Perron, uma das filhas, chegou a escrever um livro sobre sua experiência na casa, descrevendo o exorcismo de sua mãe: “A noite em que pensei ver minha mãe morrer foi a mais aterrorizante de todas. Ela falava com uma voz que nunca ouvi antes, e alguma força que não é deste mundo a arremessou por seis metros até outro quarto”, falou em House of Darkness House of Light (2011). Diferente dos filmes, a presença dos Warren só piorou as coisas. O casal não conseguiu expulsar os espíritos raivosos, e a família Perron abandonou a Antiga Propriedade Arnold em 1980.

O caso nos cinemas e a casa nos dias de hoje

Em 2013, quando a trama foi para as telonas nas mãos de James Wan, a família Perron e Lorraine Warren estiveram envolvidas no processo e supervisionaram a produção. Na verdade, os Perron desde sempre apoiaram que a história fosse contada, mas a filha Andrea afirmou que o filme é uma versão mais leve do que eles viveram na década de 1970.

Curiosamente, mesmo com todas as histórias, a casa foi vendida algumas vezes. Uma das donas mais recentes, Norma Sutcliffe, descreveu a experiência de morar lá como “um verdadeiro inferno”. Por conta dos fantasma? Não, mas sim pelos fãs de Invocação do Mal que não paravam de visitá-la e até invadir sua propriedade, ao ponto dela processar a Warner Bros. em 2015. Os donos que assumiram depois de Sutcliffe já sabiam do legado, com a intenção de preservar o local e torná-lo em uma atração histórica. Não surpreende que, dois meses após se mudarem para a casa, os donos passaram a relatar aparições fantasmagóricas, e resolveram documentar tudo no especial Ghost Adventures: Curse of the Harrisville Farmhouse (2019).

Hoje, em 2020, a casa volta a ser o centro das atenções. Durante a pandemia do coronavírus, com a popularização das várias transmissões ao vivo por artistas, os moradores do local abriram as portas da Antiga Propriedade Arnold para uma livestream. A transmissão, que acontece de 9 a 16 de maio, mostrará os vários cômodos através de câmeras e microfones. O acesso ao conteúdo é pago, mas a organização promete uma prévia gratuita em 8 de maio. Assim, o público poderá sentir um gostinho do que os Perron - tanto os da vida real quanto os de Invocação do Mal - passaram em 1970.