Star Wars: Visions

Créditos da imagem: Disney+/Divulgação

Mangás e Animes

Artigo

Star Wars: Visions | Produtores contam como série “devolve” a franquia ao Japão

Liberdade criativa e “artistas fãs” foram determinantes para criação da série

Pedro Henrique Ribeiro
17.09.2021
18h16

A série animada Star Wars: Visions, composta por nove curtas produzidos por diferentes estúdios de animação japoneses, chega ao Disney+ na próxima semana. Inovando totalmente o universo da franquia, a nova série antológica é resultado do constante sucesso de animes no ocidente, como foi comprovado pelo produtor executivo James Waugh e com a produtora Kanako Shirasaki em entrevista ao Omelete. Na conversa, os dois ainda falaram sobre como a liberdade criativa foi fundamental para o desenvolvimento da série. Eles falaram ainda do constante sucesso dos animes no ocidente, o que foi fundamental para que a empresa decidisse investir em uma produção totalmente japonesa.

“Eu acho que animes em geral têm sido uma grande influência na equipe de criação da LucasFilm em todas as nossas mídias”, disse Waugh. “A arte e a qualidade cinematográfica de tudo isso realmente nos inspirou por muito tempo. Na animação japonesa, acho que sempre foi uma questão de qual seria a melhor abordagem para permitir que esses criadores fizessem o que fazem de melhor. Isso requer um pouco de liberdade para que eles explorem todo o potencial imaginativo de uma forma que não tenha as expectativas do tipo da história da saga central”, continuou.

Além de deixar os criadores à vontade, outros fatores fizeram a diferença no resultado da série. Entre eles está a paixão que os artistas dos respectivos estúdios têm pela franquia Star Wars, bem como o carinho que a presidente da LucasFilms, Kathleen Kennedy, nutre pelas produções japonesas. Unido a isso, está o mundo de possibilidades que o streaming Disney+ abriu para novas produções.

“O Disney+ tornou-se uma opção incrível, como um espaço robusto para poder contar novas histórias. E Kathy Kennedy era a pessoa que realmente defendia isso, ela havia trabalhado com Miyazaki [do estúdio Ghibli, em Ponyo] e amou o trabalho vindo do Japão. Rapidamente começamos a fazer reuniões com diferentes estúdios de que gostávamos. Com isso, encontramos fãs inacreditáveis ​​de Star Wars, uma paixão incrível, entusiasmo e ótimas ideias. E [...] chegamos a um ponto de, ‘bem, como podemos escolher?’ Por onde começamos? Há tantas histórias e perspectivas incríveis e inesperadas em Star Wars. E foi então que percebemos que o poder do Disney+ nos permite quebrar a forma tradicional”, contou ele.

George Lucas e o DNA de Star Wars

Star Wars: Visions
Disney+/Divulgação

A ausência de George Lucas na produção dos animes é um fato confirmado pelos produtores. Mas, apesar de o criador não estar envolvido, a essência da saga foi mantida em cada um dos nove curtas. “Não houve nenhuma conversa com George sobre este projeto especificamente. Acho que todos nós fomos inspirados por tudo que George fez e colocamos cada grama de Star Wars e o seu DNA lá. Esperamos que George esteja orgulhoso. Como um fã de histórias e cinema japoneses, espero que ele veja isso e tenha o mesmo tipo de alegria. Tenho assistido a cada corte”.

O DNA de Star Wars, como citado por Waugh, veio do Japão. Nunca foi segredo que George Lucas se inspirou no clássico A Fortaleza Escondida (1958), de Akira Kurosawa, para desenvolver uma das maiores franquias do ocidente. O produtor-executivo também comentou essa relação cíclica entre a obra e a arte japonesa: “Acho que esse tipo de diálogo entre o Oriente e o Ocidente, e cultura inspirando cultura, foi realmente incrível de assistir, já que as pessoas amam a boa arte. E George ficou tão inspirado [na cultura japonesa], que quase parece que estávamos traduzindo isso de volta, que Star Wars estava voltando para casa no caminho certo”.

Para ficar empolgado

Star Wars: Visions
Disney+/Divulgação

Para os fãs que estiveram empolgados para devorar os nove episódios da série na próxima quarta-feira (22), a produtora promete uma experiência única: “Eu acho que os antigos diretores de criação, roteiristas, todo mundo no Japão, fizeram um trabalho maravilhoso para trazer a emoção e também ter um grande impacto mesmo com um curta. Cada curta não é tão longo, é uma média de 15 minutos. Mas na narrativa eles realmente fizeram um trabalho maravilhoso”, afirmou a produtora Kanako Shirasaki. “Eu adoraria ouvir como os fãs reagirão quando o curta for oficialmente lançado na próxima semana”.

Confira abaixo a lista de curtas e seus respectivos estúdios que farão parte de Star Wars: Visions:

  • Kamikaze Douga - “The Duel”
  • Geno Studio (Twin Engine) - “Lop and Ochō”
  • Studio Colorido (Twin Engine) - “Tatooine Rhapsody”
  • Trigger - “The Twins”
  • Trigger - “The Elder”
  • Kinema Citrus - “The Village Bride”
  • Science Saru - “Akakiri”
  • Science Saru - “T0-B1”
  • Production IG - “The Ninth Jedi”

Star Wars: Visions tem Waugh, Jacqui Lopez e Josh Rimes como produtores executivos e Shirasaki como produtora. A série antológica tem estreia marcada para 22 de setembro, no Disney+.

O Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.