Séries e TV

Lista

As melhores séries de TV de 2017

Redação do Omelete escolhe seus favoritos

A cozinha
31.12.2017
17h27
Atualizada em
29.06.2018
02h46
Atualizada em 29.06.2018 às 02h46

Foi um bom ano para o cinema (veja aqui) e um bom ano para a TV. As telinhas mostraram histórias diferentes, relevantes e provaram mais uma vez a sua capacidade de desafiar criativamente o audiovisual.  A redação do Omelete escolheu as suas séries favoritas de 2017 - confira na lista. E para você, qual foi a melhor série do ano? Deixe nos comentários!

The Handmaid's Tale

Rafael Gonzaga: -A mais impactante do ano. Além de ser visualmente incrível e de contar com um elenco sensacional - destaque para a Elisabeth Moss -, a série levanta debates desconfortavelmente contemporâneos enquanto apresenta um universo aterrorizante”. Thiago Romariz: “Fantasia com cara de realidade. Um tapa na cara de um mundo cada vez mais tecnológico que aos poucos se torna mais retrógrado”. Aline Diniz: “Trata de um assunto completamente relevante e atual de forma aberta e sem amarras. Com excelentes atuações, montagem e roteiro impecáveis e um visual espetacular, é obrigatória”.

Star Wars Rebels

Marcelo Forlani: "Gostei muito das temporadas de Game of Thrones e Stranger Things, mas preciso dizer que Star Wars Rebels é uma das melhores séries da atualidade. É o que mais gosto de parar e ver com meus filhos".

Twin Peaks

Marcelo Hessel: “No meio de tantas séries que voltaram para ganhar com a nostalgia dos fãs, Twin Peaks retornou depois de 26 anos subvertendo todo tipo de expectativa. Ao invés de jogar com fan services mais tradicionais, David Lynch e Mark Frost viraram personagens e cenários do avesso e de fato revigoraram o universo da série com um recomeço que é, ao mesmo tempo, celebratório e desbravador”. Érico Borgo: “Tanto tempo depois e David Lynch volta pra TV pra botar ordem (ou seria caos?) nessa mídia. E o faz de maneira absolutamente inovadora, ao seu melhor estilo, com assinatura e emoção”.

 

Rick and Morty

Julia Sabbaga: “A terceira temporada de Rick And Morty foi mais afundo no que ela tem de melhor, a exploração do psicológico. A série ainda ficou mais tensa e continuou com seu humor cruel e irresistível. Melhor série atual, sem dúvidas”. Arthur Braga: “Com episódios sensacionais como Morty's Mind Blowers e The Ricklantis Mixup a série mostrou todo seu potencial e tudo que pode trazer em temporadas futuras. Com um humor que dispensa comentários e roteiros muito bem escritos, o 3º ano de Rick and Morty foi o que mais gostei de ver em 2017”.

Twin Peaks

Arthur Eloi: “De cara, um revival de Twin Peaks não parecia uma boa ideia, e sim mais um tentativa de lucrar em cima de nostalgia. Nunca fiquei tão contente de estar errado: David Lynch provou mais uma vez que a televisão não deve nada às outras mídias quanto se trata de contar histórias com altíssima qualidade artística, podendo servir tanto para narrativas mais convencionais como também experimentações malucas. Tenho certeza que não entendi 10% do que assisti, mas honestamente talvez essa seja a ideia”.

 

This is Us

Camila Sousa: “O drama é mais do que a história de alguns personagens muito carismáticos. É a história de todos nós, com as vitórias, derrotas, alegrias e tristezas que temos na vida. É uma série leve e forte, uma contradição, assim como a própria vida”. Patrícia Gomes: “Não precisa de muito para se contar uma boa história. This is Us cativa por ser uma série pura, que fala sobre família e os percalços que passamos pela vida de forma com que qualquer um consiga se relacionar. A segunda temporada consegue manter a qualidade do roteiro do primeiro ano e me emocionou em cada um dos episódios.”

BoJack Horseman

Mariana Canhisares: "É impossível não se emocionar com ao menos um episódio da quarta temporada de BoJack Horseman. Sem deixar de lado a ironia, a série mergulha nos dilemas do protagonista e dos coadjuvantes ao mesmo tempo que entrega 12 capítulos críticos sobre a política estadunidense. É incrível".

Legion

Natália Bridi: "A série de Noah Hawley mostrou como é possível encaixar o universo dos super-heróis em novos desafios criativos. Assim como as páginas das HQs assumem os traços de cada artista, a adaptação dos X-Men incorporou o olhar de Hawley para entregar um programa diferente, intrigante e divertido. Não é o tipo de coisa que agrada todo mundo, mas é o tipo de coisa que precisa existir para deixar o mundo menos chato".

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.