Cinco vezes em que Shazam foi pioneiro nos quadrinhos

Créditos da imagem: Divulgação/DC Comics

HQ/Livros

Lista

Cinco vezes em que Shazam foi pioneiro nos quadrinhos

Personagem foi o precursor de elementos clássicos das HQs

Gabriel Avila
04.04.2019
16h50

Criado em 1939 por Bill Parker e C. C. Beck com o nome de Capitão Marvel, Shazam se tornou um dos mais tradicionais heróis dos quadrinhos ao estrelar revistas que misturavam mitologia, magia e ciência criando um universo fantástico e singular. Ao longo de seus quase 80 anos de existência, o Campeão da Magia foi pioneiro em diversos níveis, que ultrapassam as HQs e chegam aos tribunais.

Confira cinco vezes em que O Mortal Mais Poderoso da Terra realizou façanhas até então inéditas para os super-heróis:

Primeira criança a virar super-herói

Divulgação/DC Comics

Referência no assunto parceiro-mirim, Robin é o mais celebrado ajudante da cultura pop devido a sua importância histórica em se tornar uma ponte entre o público infantil e as revistas do Batman, medida que deu tão certo que dobrou as vendas das HQs do Homem-Morcego. Porém, a introdução de uma criança ao mundo super-heróico já havia acontecido nas páginas da revista Whiz Comics #2 publicada em dezembro de 1939, apresentando Capitão Marvel como alter-ego do garoto Billy Batson. Ele não só chegou primeiro, como estava em uma posição de maior destaque, assumindo o papel de herói.

Primeira família super heroica

Divulgação/DC Comics

Billy Batson não foi o único mortal a receber os talentos do mago Shazam. Após uma luta contra o vilão Capitão Nazista, o garoto Freddy Freeman estava se afogando quando o Mortal Mais Poderoso da Terra decidiu tentar salvá-lo ao transferir seus dons. Como só recebeu uma fração deles, Freeman não se tornava adulto e assumiu a identidade de Capitão Marvel Jr. Em seguida, Billy descobriu que tinha uma irmã gêmea chamada Mary, que pelo grau de parentesco também ganhava superpoderes ao gritar a palavra mágica, se tornando a Mary Marvel. Foi nas HQs da garota que surgiu o Tio Dudley, um senhor que se passava por parente distante quando era na verdade um charlatão que dizia também ter poderes. Mary descobriu a armação logo de cara, mas não o desmascarou por perceber que no fundo ele tinha bom coração. Em dezembro de 1945 todos esses personagens foram reunidos na revista Marvel Family, onde se juntaram para impedir o vilão Adão Negro. Além dos heróis, a Família Marvel ganhou também mascotes, como o tigre falante Senhor Malhado e Hoppy, o Coelho Marvel.

Primeiro vilão a descobrir identidade secreta

Divulgação/DC Comics

Na terceira edição da revista Whiz Comics, publicada em abril de 1940, o Doutor Silvana descobre que Shazam é na verdade Billy Batson. Em busca de uma reportagem, o garoto vai à casa do vilão, que usando um disfarce apresenta sua nova invenção: um foguete com destino a Vênus. Billy, que conseguiu emprego na emissora de rádio após impedir outros planos de Silvana, acompanha o cientista, mas eles são atacados por um dragão assim que chegam ao planeta. Para se defender, o garoto grita a palavra mágica e se torna o Capitão Marvel, o que acaba entregando sua identidade secreta ao seu maior inimigo.

Primeiro super-herói a chegar aos cinemas

Reprodução/Republic Pictures

Apesar de estrear no universo cinematográfico da DC em 2019, Shazam já havia chegado aos cinemas em 1941. No filme seriado Adventures of Captain Marvel, o jovem Billy Batson recebe seus poderes do mago Shazam para impedir que o vilão Escorpião roube um artefato mágico, o Escorpião Dourado. Na produção, que marca a primeira adaptação cinematográfica de um super-herói, o Campeão da Magia é interpretado por Tom Tyler, grande estrela do faroeste. A série está disponível online - assista aqui.

Mais famoso caso de processo nos quadrinhos

Reprodução/DC Comics

Em 1941, a editora National Publications (que viria a se chamar DC Comics) entrou com processo contra a Fawcett Comics, alegando que o Capitão Marvel seria uma cópia do Superman. O principal motivo seria o sucesso da série Adventures of Captain Marvel, lançada no mesmo ano. Após perder o processo em 1953, a Fawcett cancelou todos os títulos da Família Marvel em publicação e foi condenada a pagar uma multa de US$ 400 mil. Quase vinte anos depois, em 1972, a DC decidiu licenciar os heróis, pagando uma comissão por uso dos personagens. Porém, não poderiam mais chamar a revista de Capitão Marvel porque na época a Marvel Comics tinha um herói com esse nome (Mar-Vell, o comandante Kree que estreou em 1967). A saída foi renomear a HQ para Shazam!. Apesar da troca no título, Billy continuava sendo chamado de Capitão Marvel nas histórias. Entenda melhor o processo aqui.