Imagem de His Dark Materials

Créditos da imagem: His Dark Materials/HBO/Divulgação

Séries e TV

Artigo

His Dark Materials fica sombria ao mostrar violência feita pelo Magisterium

Série avança e continua misturando elementos do segundo livro

Camila Sousa
03.12.2019
19h19

Se o episódio anterior de His Dark Materials foi mais leve com a chegada de Lin-Manuel Miranda, “The Lost Boy”, quinto capítulo da história, seguiu um caminho mais sombrio ao finalmente revelar os planos dos Magisterium para as crianças sequestradas.

[Spoilers de “The Lost Boy” abaixo]

Assim como já aconteceu anteriormente, a série foi ligeiramente explicativa demais, mas isso não incomoda tanto. O capítulo começa com Kaisa, o daemon da feiticeira Serafina Pekkala (Ruta Gedmintas), revelando a famosa profecia das bruxas, sobre uma criança que mudará o destino para sempre, mas, para fazer isso, não pode saber de nada. Já estava óbvio que Lyra é a escolhida, porém há a impressão de que a produção tem medo que o público não esteja acompanhando e faz um jogo de cenas que mostra a garota enquanto a narração é feita.

Outra tendência que continua é a de adiantar elementos de A Faca Sutil, segundo livro da série, ao mostrar várias cenas de Will Parry (Amir Wilson), personagem que terá muita importância na história de Lyra. Na mira constante de Carlo Boreal (Ariyon Bakare), que quer descobrir todos os segredos deixados por seu pai, Will é apresentado como um garoto que sofre bullying na escola e faz de tudo para cuidar de sua mãe traumatizada pela ausência do pai. Dessa forma, His Dark Materials o estabelece como um personagem íntegro e merecedor da confiança do público. Nos livros, Will é mostrado somente na segunda publicação, mas adiantar essa apresentação na série funciona tanto para aumentar a empatia do público, como para não gerar estranhamento quando a história dos dois finalmente se cruzar.

Antes de partir para os momentos mais importantes de “The Lost Boy”, há dois pontos que merecem destaque. O primeiro deles é a chegada da feiticeira Serafina Pekkala e sua interação com o sempre incrível Farder Coram, interpretado por James Cosmo. A apresentação de mais um grupo fantástico ajuda a aprofundar o universo de His Dark Materials e, de quebra, ainda entrega mais um momento emocionante com Coram. Ao rever sua amada, o gípcio não segura as lágrimas e, mais uma vez, cria um momento muito emocionante. A resposta de Serafina, afirmando que ainda vê o homem que ele é por dentro, não poderia ser mais bela e melancólica. Tal cena representa o fim de um amor intenso que terminou em uma dor terrível. O trabalho de Cosmo como Coram é um dos mais incríveis na TV atualmente e merece reconhecimento.

O segundo destaque é para o sempre surpreendente Lin-Manuel Miranda. Aqui, o astro entrega exatamente o que foi mostrado no episódio anterior: uma mistura de qualidade de humor com momentos densos. Quando precisa, Miranda é carismático, divertido e até meio folgado. Mas quando tudo fica intenso, o olhar do ator não deixa dúvidas de que ele está totalmente entregue ao que está acontecendo. Por mais malandro que seja, Scoresby tem um código moral importante quando se trata das crianças que estão desaparecendo. Neste episódio, ele deixa claro que Lyra pode contar com ele para o que precisar.

Depois disso, His Dark Materials entrega suas sequências mais sombrias, ao revelar o que o Magisterium está fazendo com as crianças sequestradas. Após uma dica do aletiômetro, Lyra encontra Billy Costa, mas ele não é mais o mesmo. Seu daemon foi retirado dele e, apesar de vivo, o garoto parece mais um fantasma do que uma pessoa completa. Ainda que a mitologia dos daemons ainda seja algo abstrato na mente de muitos fãs da série, a reação deixa claro a gravidade do que aconteceu. Como o próprio Lee Scoresby afirma, o Magisterium quer mostrar poder ao retirar um daemon de sua criança. Além de impedir que tal pessoa se torne “impura”, a instituição aumenta seu poder ao fazer algo tão vil. O funeral de Billy é uma cena dolorosa, que assusta ainda mais por antecipar o que pode acontecer com Lyra em seguida, já que o episódio termina com a própria sendo sequestrada pelos Papões. 

Com apenas dois episódios restantes, His Dark Materials é uma das séries mais sólidas atualmente e tem tudo para terminar como uma das melhores primeiras temporadas da TV.