Euphoria - segunda temporada

Créditos da imagem: Eddy Chen (HBO/Divulgação)

Séries e TV

Artigo

Euphoria explora limites da própria profundidade na segunda temporada

Aguardados episódios inéditos chegam com indícios de ser tudo o que esperávamos

Pedro Henrique Ribeiro
09.01.2022, às 13:15

O que fazer depois que se chega ao fundo do oceano? Você dá uma voltinha por lá para conhecer o máximo possível. É isso o que a nova temporada de Euphoria fez nos primeiros dois episódios — explorar a profundidade que ela mesma atingiu. Após construir um enredo para abraçar diversos debates em torno de seu elenco principal, a segunda temporada aproveita para aprofundar esse mesmo caminho, cavocando ainda mais os problemas dos personagens. Se há dúvida sobre uma eventual perda de brilho neste segundo ano, os primeiros capítulos indicam que não; ela seguirá com a mesma qualidade.

Na primeira temporada, o público fez um mergulho na história de um grupo de adolescentes encarando questões complexas e profundas que normalmente são vistas como tabu na sociedade. Com discussões sobre expressões de gênero, sexualidade, consumo de drogas e mais, a série impactou e agradou na mesma medida, fazendo com que os fãs clamassem por um segundo ano. Diante do produto desse sucesso, é seguro afirmar que vemos um grande esforço para não decepcionar.

Após quase três anos entre as temporadas, Euphoria retoma as histórias de Rue (Zendaya), Jules (Hunter Schafer) e seus colegas de escola, aproveitando tudo o que aprendeu com eles no primeiro ano para aprofundar personagens antes deixados em segundo plano, sem perder de vista situações antigas deixadas em aberto anteriormente. Os problemas de Rue com drogas, por exemplo, continuam sendo destaque, arrastando com eles as demais reviravoltas da série.

Segunda temporada de Euphoria
Eddy Chen (HBO/Divulgação)

Logo nesses primeiros capítulos, já é possível dizer que amor e desejo devem ser os principais motores da nova temporada. Relacionamentos antigos retornam enquanto novos se formam — e às vezes até se cruzam, criando ramificações e novas possibilidades para a história. Nessa lista está o namoro de Rue e Jules, que pode ser abalado após a chegada de um novo personagem. Fezco (Angus Cloud) também deve se deixar relacionar por um novo alguém, mas fica no ar quais dificuldades o seu envolvimento com drogas e seu ímpeto por dinheiro podem atrapalhar nesse processo.

Imersa em situações típicas da vida de adolescentes, Euphoria ainda tem muito conteúdo para trabalhar e faz isso muito bem. A nova temporada, assim como a primeira, contará com oito episódios de cerca de uma hora, tempo o bastante para explorar todo esse potencial. Em cada episódio, o espectador é instigado a rir, chorar, amar e odiar junto dos mais diversos personagens, e esse é um bom resumo do que a série indica querer repetir no novo ano.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.