Oscar 2019 | Ouça e conheças as trilhas sonoras indicadas

Música

Lista

Oscar 2019 | Ouça e conheças as trilhas sonoras indicadas

Premiação acontece no domingo, dia 24

Julia Sabbaga
22.02.2019
14h37

Assim como na categoria de canção original, os indicados ao Oscar por melhor trilha sonora em 2019 incluem uma grande variedade de gêneros, desde animação até filme sobre a Ku Klux Klan. Assim, os compositores indicados também diferem bastante, com nomes indicados pela primeira vez até veteranos da Academia, que já ganharam mais de uma vez na premiação. Ouça e conheça mais sobre cada uma das trilhas indicadas abaixo:

Pantera Negra - Ludwig Göransson

O compositor sueco Ludwig Göransson comemora a sua primeira indicação ao Oscar com a trilha de Pantera Negra, apesar de já ter sido aclamado por outros trabalhos também ao lado do diretor Ryan Coogler, como Creed: Nascido para Lutar. 

Göransson estudou ritmos africanos para o longa, passando um mês em Senegal e fazendo uma análise dos ritmos africanos na África do Sul, na Biblioteca Internacional de Música Africana de Grahamstown. “A música da África é uma linguagem, ela tem um propósito", o compositor disse à Pitchfork"Cada ritmo foi escrito por um propósito, para uma cerimônia, para um rei (...) Existem instrumentos diferentes para cada tribo, e cada som significa algo único”. 

Infiltrado na Klan - Terence Blanchard

Terence Blanchard também tem sua primeira indicação na Academia neste ano, por seu trabalho em Infiltrado na Klan, mas também recebeu elogios por trabalhos anteriores com o diretor Spike Lee, como em A Última Noite.

Sobre o direcionamento do diretor e a ideia da trilha sonora, Blanchard explicou à Vulture: "Ele me disse 'banda de R&B' e eu respondi 'Guitarra'. Eu não dei motivos, mas eu quis usar por causa de Jimi Hendrix. Eu ouvi ele tocando o hino em Woodstock quando eu era criança, e foi muito patriótico".

Se a Rua Beale Falasse - Nicholas Britell

Nicholas Britell recebe a sua segunda indicação ao Oscar este ano por sua nova parceria com Barry Jenkins em Se A Rua Beale Falasse. Sua primeira menção na Academia foi por Moonlight - Sob a Luz do Luar

Sobre a música de Se A Rua Beale Falasse, Britell explicou o som do violoncelo, que permeia toda a trilha. A escolha aconteceu depois que as composições estavam escritas, mas eram baseadas em metais: "Tinha algo errado. Faltava algo. E descobrimos que o que faltava eram cordas. O filme foca em amor e injustiça, e o violoncelo simboliza isso".  

Este ano, Britell também esteve por trás das composições de Vice

Ilha de Cachorros - Alexandre Desplat

A animação de Wes AndersonIlha de Cachorros, trouxe a trilha sonora do último vencedor do Oscar, Alexandre Desplat, que levou a estatueta em 2018 por A Forma da Água. Esta não é a primeira vez que o compositor trabalhou em parceria com Anderson, tendo composto também as trilhas de Moonrise KingdomO Fantástico Sr. Raposo e O Grande Hotel Budapeste, pelo qual também ganhou o Oscar, em 2015.

A trilha de Ilha de Cachorros se utiliza de muitos tambores e se aproveita pouco da temática japonesa do filme. Sobre isso, o compositor explicou muito bem“A vantagem dos tambores é que eles tocam muitas coisas ao mesmo tempo, são várias emoções. É a força por trás de um exército. Se eu tivesse usado instrumentos japoneses eu sinto que soaria um pouco colonialista. E isto é algo que nem passou pela nossa cabeça”.

O Retorno de Mary Poppins - Marc Shaiman

Além de Alexandre Desplat, o outro veterano indicado este ano é Marc Shaiman, nome por trás da trilha de O Retorno de Mary Poppins. Shaiman nunca saiu vitorioso, mas já foi indicado sete vezes, por filmes como South Park: Maior, Melhor e Sem Cortes, Patch Adams, o Amor é Contagiante e O Clube das Desquitadas

Para O Retorno de Mary Poppins, Shaiman se encontrou com o compositor da trilha do Mary Poppins original, Richard Sherman, e se emocionou: "Eu voltei a ter quatro anos de idade. Ele estava na minha frente e eu perguntei tudo! Por que ele escreveu uma música, por que estava neste tom. Suas escolhas de palavras. A coisa mais linda foi que ele amou o nosso filme, ele sentiu que estava em boas mãos. Isso, de algum jeito, foi como passar o bastão".