Sex Education, assédio e sororidade: como a 2ª temporada acertou em cheio

Netflix

Artigo

Sex Education, assédio e sororidade: como a 2ª temporada acertou em cheio

Criadora Laurie Nunn diz que história de Aimee foi inspirada em experiência própria

Julia Sabbaga
29.01.2020
16h43

[Cuidado com spoilers da 2ª temporada de Sex Education]

Em sua primeira temporada, Sex Education já havia lidado com diversos temas relacionados ao sexo, desde DSTs a inexperiência, medo, disfunção, aborto e preferências sexuais, sem cerimônia e com muita genuinidade. Por isso, não foi surpreendente quando a 2ª temporada resolveu abordar uma das questões mais relevantes hoje em dia: assédio. A história de Aimee (Aimee Lou Wood) durante o novo ano foi uma das mais marcantes entre os personagens, e para a criadora Laurie Nunn, teve uma importância única. 

O arco de Aimee na primeira temporada terminou de modo otimista. Depois de passar um ano se autoconhecendo e se autoafirmando, a jovem termina sua história assumindo sua amizade forte com Maeve e namorando um simpático intercambista, com todos os acontecimentos tão bem resolvidos que poderiam até ter encerrado com uma cereja em cima. Mas logo no 3º episódio do novo ano, a personagem passa por uma experiência traumática. Ela entra no ônibus para ir para a escola e é assediada por um dos passageiros, que se masturba e ejacula em sua perna. A cena é construída de modo cortante, com Aimee pedindo ajuda e sendo ignorada, antes de descer do ônibus em desespero. 

Mas o mais devastador é o desenvolvimento do trauma na personagem. A partir deste dia, Aimee não é a mais a mesma. Apesar de mal entender o que se passou, ela não consegue mais entrar no ônibus e passa a andar para todo lugar. Em uma das cenas mais simbólicas da temporada, Aimee tira um tênis do fundo do armário e se contenta com o novo visual, que acomoda suas longas caminhadas. Com uma sequência curta, Sex Education representa aqueles sacrifícios feitos por cada mulher para se sentir minimamente mais segura no dia a dia. E os efeitos da experiência vão muito além: ela não consegue mais ser tocada e chega a romper seu relacionamento por isso. 

A história de Aimee é tão terrível porque, assim como muitos outros acontecimentos representados em Sex Education, ele é tão real. “A história veio de uma experiência pessoal, da minha própria vida”, revelou Nunn em entrevista à THR. E a escolha da personagem não poderia ter sido melhor [via Bustle]: “ela é uma pessoa tão engraçada e aberta, e vê-la perdendo essa inocência e percebendo que o mundo não é tão seguro quanto ela achava é algo que muitas mulheres conseguem se relacionar”. 

Felizmente, Sex Education é uma série otimista também. O sétimo episódio, que encerra o arco de Aimee, traz a personagem rodeada de outras mulheres tentando achar um elemento comum entre si. A experiência é frustrada até que elas percebem que o que as une, de modo geral, é experiências com assédio. Nesta cena, Aimee fala a frase que resume tudo: “eu me sentia segura, e agora não me sinto mais”. Para Nunn, o momento resume a experiência feminina, de andar pelo mundo sempre carregando uma dose de medo. “Acho que homens não entendem as coisas do mesmo jeito, então, eu espero, que ao contar estas histórias, possamos fazê-los pensar para sentir empatia e compreensão”. 

Sex Education constrói um momento de sororidade inesperado entre mulheres que mal se conhecem, não são amigas e, inclusive, têm diversos conflitos entre si. Mas ao discutir a experiência de Aimee e relembrar que cada uma delas tem a sua própria história, há um momento de revelação dos diversos tipos de agressão que as mulheres passam em uma vida, muito bem resumido pela personagem de Viv. “Estatisticamente, dois terços das mulheres passam por experiências ou contatos sexuais indesejados antes dos 21 anos”. Nunn quis evidenciar isso com todas as letras: “não conheço nenhuma amiga que não passou por algo como Aimee passou no ônibus. Talvez não tão ruim quanto isso, mas na mesma categoria”, explicou.

Assim como fez no icônico momento “It’s My Vagina” na primeira temporada, Sex Education então uniu suas personagens femininas em uma sequência arrebatadora tanto de companheirismo como de raiva. Depois de expressar toda energia reprimida em um ferro velho, onde elas juntas quebram tudo (ao som da maravilhosa “Make Your Own Kind of Music”, na voz de Cass Elliot), no dia seguinte as personagens aparecem juntas no ponto de ônibus, para ajudar Aimee a enfrentar este obstáculo. “É só um ônibus idiota”, diz Maeve, encorajando a amiga.

Reunindo um grupo de mulheres totalmente diverso, Sex Education pretende mostrar que este tipo de experiência independe de classe, idade, aparência, etnia, ou qualquer fator que constrói uma mulher. Felizmente, ao mesmo tempo, a série não abre mão de sua eterna positividade, e também representa algo poderoso: que a sororidade está acima de qualquer coisa. 

As duas temporadas de Sex Education estão no catálogo da Netflix.