O Escolhido, da Netflix

Créditos da imagem: O Escolhido/Netflix/Divulgação

Séries e TV

Artigo

O Escolhido | Como a Netflix recriou o Pantanal em São José dos Campos

Visitamos o set do suspense místico nacional

Arthur Eloi
16.07.2019
18h18

A Netflix leva muito a sério seu investimento em produções brasileiras: após o sucesso internacional de 3%, a empresa passou a encomendar mais e mais séries, incluindo comédias, como Samantha!, e dramas históricos, como Coisa Mais Linda. Entre tantas oportunidades, os autores de fantasia Raphael Draccon e Carolina Munhóz tiveram a chance de experimentar o até então inédito mundo do audiovisual, e o resultado é o suspense místico de O Escolhido.

Em novembro de 2018, muito antes da chegada do seriado à plataforma, o Omelete visitou o set a convite da Netflix - não no Pantanal, onde se desenrola a trama, mas sim em São José dos Campos. Para criar o isolado vilarejo de Águazul, a produção trouxe à mesa uma grande variedade de truques: ainda que muitas das cenas externas tenham sido rodadas em Tocantins para garantir autenticidade, a cidade no interior de São Paulo foi muito útil na etapa de finalização.

A escolha não é incomum, já que a Netflix utiliza muitos locais estado em suas produções, como explica o produtor encarregado de acompanhar os jornalistas pela locação: 3%, por exemplo, já teve muito material gravado em Itaquera, na zona leste da capital, e também na cidade de Osasco. Até Black Mirror aproveitou o centro de SP para seu episódio de abertura da quinta temporada. A ideia é estender esse mesmo afeto para o interior, e São José dos Campos abraçou o projeto por completo, com a prefeitura indicando diversas locações e também facilitando toda a burocracia necessária. O carinho dos habitantes foi tão grande que quase deu dor de cabeça, já que muitos dos comerciantes da cidade que tiveram algum envolvimento na produção queriam falar sobre antes do anúncio oficial. No fim das contas deu tudo certo, para o alívio da Netflix.

Autenticidade que impressiona

Enquanto um ou outro momento foi rodado nas ruas de São José dos Campos, boa parte do trabalho se concentrou no Parque da Cidade. A vasta área permitiu que a Netflix trabalhasse todo tipo de cenário por lá, seja usando o lago em frente a Residência Olivo Gomes para mostrar os personagens desembarcando em Águazul, ou então montar a habitação do Escolhido (Renan Tenca).

Essa foi a primeira área da visitação para os jornalistas, e já estabelece o nível de atenção ao detalhe da produção: o que antes era só um canto menos movimentado do lugar, tornou-se um impressionante cenário cuja atmosfera te puxa para a ambientação do programa, mesmo quando as câmeras não estão rodando. De frágeis pontes de madeira improvisadas até tendas adornadas com caveiras e artefatos místicos, era difícil imaginar que toda essa textura seria mostrada no seriado, mas isso não parecia ser uma preocupação: ao avistarmos uma gaiola, o produtor nos explica que o local há pouco havia rodado uma cena com uma onça - não em computador, e nem gravada separadamente em um galpão, mas sim uma onça de verdade interagindo com o elenco. No chão, as marcas do animal mostravam que não era brincadeira.

Mesmo os sets menos exóticos traziam a mesma sensação de realismo fantástico, como a igreja onde o Escolhido prega para os habitantes do vilarejo. Sentamos para acompanhar a gravação de uma cena - especificamente, um momento delicado (e cheio de spoilers) do capítulo final -, que se passava na igreja em questão. Mesmo que só o altar fosse o foco, era fácil comprar a ilusão já que não havia quase nada de equipe no ambiente além de alguns operadores de câmera. Do lado de fora a situação não poderia ser diferente, com o diretor coordenando tudo através de rádios e monitores, e uma verdadeira horda de figurantes e membros da produção correndo de um lado pro outro para garantir que tudo seguisse o cronograma à risca.

Por algumas semanas, o Parque da Cidade se tornou uma verdadeira cidade cenográfica, e isso só demonstra o quão comprometida a Netflix está com suas produções brasileiras. É perceptível que a passagem da plataforma pelo país têm efeito positivo, ainda mais com a empresa tendo recrutado muito da força necessária direto em São José dos Campos. Todo mundo sai vencendo - especialmente a prefeitura, que quer crescer a cidade como referência cinematográfica e treinar uma nova geração de cineastas a partir de cursos de teatro, roteiro, produção e muito mais. Se isso acontecer nos próximos anos, O Escolhido terá sido parte importante dessa evolução.

O Escolhido já está disponível na Netflix.