Cursed - A Lenda do Lago apresenta mitologia sólida e personagens cativantes

Créditos da imagem: Divulgação/Netflix

Netflix

Artigo

Cursed - A Lenda do Lago apresenta mitologia sólida e personagens cativantes

Confira nossas primeiras impressões da nova série da Netflix

Gabriel Avila
17.07.2020
14h53

Por conta de sua curiosa mistura de ingredientes, Cursed - A Lenda do Lago se tornou motivo de muita ansiedade para os fãs de cultura pop. Afinal de contas, não é todo dia que a Netflix contrata atores de peso como Katherine Langford (13 Reasons Why) e Gustaf Skarsgård (Vikings) para dar vida à uma nova versão das lendas do Rei Arthur com base em um livro escrito por Thomas Wheeler e ilustrado por Frank Miller, quadrinista conhecido por conceber obras como Batman: O Cavaleiro das Trevas e Sin City. Após assistir aos primeiros episódios da série, é possível afirmar que o streaming soube posicionar cada uma dessas peças para criar um épico fantástico que vale a maratona.

Cursed - A Lenda do Lago conta a história de Nimue (Langford), uma jovem do povo feérico que recebe a missão de entregar a mágica espada de Excalibur para Merlin (Skarsgård), mago que está longe de seus dias mais gloriosos, vivendo como conselheiro do rei Uther Pendragon (Sebastian Armesto), sob boatos cada vez mais fortes de que teria perdido seus poderes. Após a sanguinolenta invasão dos Paladinos Vermelhos, grupo que usa a religião como desculpa para caçar e exterminar qualquer magia da face da Terra, ao seu povoado, Nimue parte em uma jornada para salvar seu povo.

Logo de cara é possível perceber o esforço da equipe responsável por Cursed em equilibrar a tradição das lendas arthurianas com uma abordagem moderna. Os episódios iniciais da série se dedicam a apresentar a cultura dos feéricos, a crise no reino de Arthur Pendragon, a ameaça dos Paladinos e até sugere ameaças futuras com esse claro esforço de agradar tanto aos antigos fãs de literatura fantástica, quanto os espectadores novos que podem estar menos acostumados com as características do gênero. Para isso, a produção incorpora elementos mais que bem-vindos à estrutura clássica dessas histórias, além de adicionar doses de gore e até horror corporal com uma potente mistura de efeitos práticos e digitais que contribuem - e muito - para a imersão nesse universo.

Outro ponto alto da série está na entrega de seus atores. Ainda que parte da internet tenha torcido o nariz para a escalação de Katherine Langford por conta da polêmica 13 Reasons Why, ela se sai muito bem na pele de Nimue. A atriz se mostra especialmente versátil ao dar vida à uma personagem que transita entre o medo de ser pega, a raiva causada pela perda, e especialmente a bravura por carregar nas costas a espada que pode mudar o destino de seu povo. Gustaf Skarsgård não fica para trás e entrega o Merlin instável que é descrito na sinopse, que conquista pela canalhice, entretém pelos planos mirabolantes e cativa pelas dúvidas em si mesmo.

Além da dupla, que se tornou o carro-chefe da série, Cursed ainda conta com uma surpresa na figura de seu Arthur. Ao contrário de seus colegas, que ganham destaque desde o primeiro momento, Devon Terrell conquista os holofotes aos poucos com uma caracterização que aproxima seu Arthur mais do Han Solo de Star Wars do que do justo e experiente rei que estamos acostumados em outras versões. Vale destacar também a escolha em escalar um ator negro para dar vida a um personagem comumente associado a intérpretes brancos, uma decisão que fala diretamente com o momento que a sociedade atravessa em pleno 2020, com o debate racial se tornando uma discussão cada vez mais presente não apenas no mundo real, mas também no do entretenimento.

Os episódios iniciais de Cursed só derrapam ao estabelecer o ritmo de sua narrativa. O episódio de estreia, que deveria servir apenas para apresentar aquele mundo, tem uma cadência acelerada com o claro intuito de fechar sua primeira hora com uma de suas mais impactantes cenas de ação. Ainda que sirva para prender o espectador e fazer com que ele saiba que vai ter luta e sangue mais pra frente, essa decisão prejudica a cadência da história, que soa atropelada. Vale dizer que embora esse deslize se repita em doses menores, o ritmo melhora consideravelmente conforme a temporada avança.

Com potencial para se tornar o próximo hit da Netflix, Cursed - A Lenda do Lago apresenta mitologia sólida e personagens cativantes em seus episódios iniciais. Considerando que sua casa é a mesma de produções como The Witcher e Castlevania, que ganharam relevância por retomar a fantasia na televisão, a produção começa com o pé direito e um futuro promissor pela frente.

A 1ª temporada de Cursed - A Lenda do Lago já está disponível na Netflix.