O rock está mais vivo do que nunca… na música pop

Créditos da imagem: Reprodução/Montagem Omelete

Música

Artigo

O rock está mais vivo do que nunca… na música pop

13 de julho é o dia do rock - e, em 2021, o gênero continua aparecendo onde os fãs menos esperam

Caio Coletti
13.07.2021
09h00

Os gigantes do rock proclamam a morte do gênero há décadas. De fato, isso é tão frequente que a frase “o rock está morto” virou até um chavão. Do The Doors em 1969 a Gene Simmons (do KISS) em 2014, passando por Lenny Kravitz em 1995 e Tenacious D em 2012, o rock já foi “assassinado” dezenas de vezes - mas, tal qual um serial killer de filme de terror, o gênero continua sobrevivendo, de formas cada vez mais surpreendentes.

Veja o caso de 2021, por exemplo. Conforme comemoramos mais um dia mundial do rock, neste 13 de julho (data escolhida em homenagem ao Live Aid de 1985), a influência de vários subgêneros do estilo tem se mostrado pervasiva, quase inescapável… na música pop. O Omelete separou alguns exemplos que não deixam mentir.

Olivia Rodrigo é rockstar?

Difícil não começar por ela, né? A estrela de High School Musical: The Musical: The Series lançou alguns dos maiores hits do ano, e continua firme na segunda posição da parada de singles da Billboard (barrada só pelo fenômeno BTS) com “good 4 u”, uma raivosa exploração de um relacionamento passado que deixou marcas profundas… mas não no ex-parceiro, aparentemente.

A sonoridade remete às primeiras fases do Paramore, ao emocore de um Good Charlotte, ao pré-pop-punk do No Doubt. E o preconceito com a temática da letra, que se estende por todo o disco de estreia de Olivia, Sour, é uma grande besteira - ícones do rock criam músicas e álbuns para remoer rolos amorosos desde sempre, vide “Layla” ou o Rumours, do Fleetwood Mac.

No k-pop também!

O Tomorrow X Together (para os íntimos, TXT) é um dos maiores grupos de k-pop da atualidade, e a grande aposta deles este ano foi no rock de arena “0x1 = Lovesong (I Know I Love You)”, com suas guitarras pesadas e melodia romântica/triste. Parceria com a cantora Seori, a canção serviu como música de trabalho principal do disco The Chaos Chapter: FREEZE, que se provou um sucesso estrondoso.

O grupo já havia mostrado afinidade com o rock antes, em faixas como a climática “Ghosting”, mas apostar em uma canção como “0x1” para single principal (ou title, como se diz na indústria coreana) foi um passo ousado que deu certo. E eles não foram os únicos no k-pop: tivemos o Pink Fantasy com a sua “Poison”; o AB6IX e sua versão rock alternativo de “Surreal”; o pop rock fofo do Pentagon em “Do or Not”; e o retorno marcado do Dreamcatcher, veteranas em trazer o rock para o mainstream coreano.

Saudades do emo...

Lá se vão 11 anos desde que Willow Smith estreou como cantora com “Whip My Hair”, um hit eletrônico agressivo e grudentíssimo que a deixou marcada para muita gente como um nome a evitar. Bom, essas pessoas estão perdendo uma artista fascinante, porque a filha de Will Smith já passeou brilhantemente, desde então, por canções de R&B alternativo e folk que impressionam pela expressividade.

Por isso, a expectativa para o álbum Lately I Feel Everything, que sai nesta sexta (16), é tão grande. Como já mostrou nos singles “Transparent Soul” (parceria com Travis Barker, do Blink-182) e “Lipstick”, Willow se inspirou em seus ídolos da adolescência para o disco, que vai passar por alt rock, pop punk e emocore. Quem tem saudades de Avril Lavigne, My Chemical Romance e Paramore deve amar.

No TikTok, o rock também rende

@avrillavigne

He was a… @tonyhawk #GoSkateboarding #sk8rboi

♬ Sk8er Boi - Avril Lavigne

Por falar em Avril, a eterna estrela adolescente (ela não envelhece, gente!) fez sua estreia no aplicativo mais bombado da atualidade, o TikTok, com um vídeo que inspirou muita nostalgia nos millennials. Dublando “Sk8er Boi”, seu hit de 2002 sobre uma jovem bailarina apaixonada por um skatista, ela aproveitou para chamar ninguém menos do que Tony Hawk para a brincadeira.

O “feat” inesperado já rendeu 29,6 milhões de visualizações na rede social, além de 6,1 milhões de likes e mais de 143 mil comentários. Avril não postou mais nada em sua conta, inaugurada em 21 de junho - mas, depois de mexer assim com o nosso coração, nem precisava, né?

Miley é o momento!

A persona mais recente de Miley Cyrus, talvez a maior camaleoa do pop americano atual, é para lá de roqueira - e a última que ela aprontou foi regravar “Nothing Else Matters”, um clássico do Metallica, para o álbum tributo Metallica Blacklist, marcado para setembro,onde astros de todos os gêneros refazem suas canções favoritas do The Black Album (1991). A lista tem mais popstars, de Rina Sawayama a J Balvin.

No ano passado, antes de se juntar a Elton John, WATT, Yo-Yo Ma e Chad Smith para o cover de “Nothing Else Matters”, Miley já tinha causado frisson com suas versões de outros clássicos do rock: rolou “Heart of Glass”, do Blondie; “Zombie”, do The Cranberries; “Boys Don’t Cry”, do The Cure; e “Sweet Jane”, do Cowboy Junkies. Isso sem contar as parcerias com Joan Jett, Billy Idol e Stevie Nicks no último disco dela!

Fica a pergunta: seria Miley Cyrus a mulher mais trabalhadora do rock atual?

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.