Quadros de HQs da Marvel

Créditos da imagem: Marvel Comics/Divulgação

HQ/Livros

Artigo

Entenda as ausências Deadpool, Mercúrio e Feiticeira Escarlate na HQ dos X-Men

Nova fase liderada por Jonathan Hickman já está sendo publicada no Brasil

Nicolaos Garófalo
03.10.2020
15h47

Spoilers de Dinastia X/Potências de X à frente

Já lançada no Brasil pela Panini, a nova fase dos X-Men traz algumas alianças surpreendentes para o mundo mutante. Com praticamente todos os personagens que já passaram tanto pelo título principal quanto pelos inúmeros derivados, heróis como Ciclope, Jean Grey e Wolverine convivem pacificamente com vilões clássicos como Magneto, Mística e Apocalipse na ilha mutante Krakoa, transformada em uma nação por Charle Xavier. No entanto, algumas ausências chamaram a atenção de leitores: Feiticeira Escarlate, Mercúrio e Deadpool, alguns dos nomes mais populares da Marvel, até agora não deram as caras na fase comandada por Jonathan Hickman, por motivos diferentes.

O mercenário tagarela, por exemplo, ficou de fora porque seu personagem não se encaixa com as novas leis mutantes estabelecidas pelo conselho governante de Krakoa. Como o Deadpool ganha a vida como mercenário, caçando desde humanos até alienígenas, seu trabalho entraria em conflito direto com a resolução krakoana de não mais matar humanos. Em X-Men #3, aliás, o Dentes-de-Sabre foi punido ao exílio no núcleo de Krakoa por cometer um assassinato. Não incluindo Deadpool entre os novos cidadãos da nação mutante, a Marvel permite que ele continue suas aventuras sem ser punido por Professor X e companhia.

Já Wanda e Pietro têm suas ausências explicadas pelo não muito popular evento Eixo. No arco de 2014 escrito por Rick Remender, a Feiticeira Escarlate, dominada pelo Caveira Vermelha, lança um feitiço contra todos os seus parentes de sangue em uma tentativa de ferir Magneto, que ela acreditava ser seu pai. No entanto, Wanda acabou atacando apenas seu irmão Mercúrio, descobrindo então que os dois não tinham qualquer parentesco real com o Mestre do Magnetismo. É muito provável que a mudança tenha sido feita por causa dos direitos dos personagens. Na época, a Disney não havia ainda adquirido a Fox e não tinha os direitos para usar os mutantes. Com o retcon, o Marvel Studios teria maior liberdade para usar os personagens no cinema. Essa alteração no status quo dos gêmeos, no entanto, impediu que eles fizessem parte desse retorno dos X-Men à posição de destaque no Universo Marvel.

No Brasil, a nova fase dos mutantes será introduzida na revista X-Men, que entre seus números 1 e 4 trará as histórias Dinastia X e Potências de X. As próximas edições trarão um mix com os vários títulos introduzidos pela Marvel entre 2019 e 2020 – saiba mais.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.