MCU precisa deles: Personagens das séries Marvel/Netflix que queremos de volta

Créditos da imagem: Netflix/Divulgação

Filmes

Lista

MCU precisa deles: Personagens das séries Marvel/Netflix que queremos de volta

Com abertura do multiverso nas produções do Marvel Studios, é hora de resgatá-los

Eduardo Pereira
11.08.2021
18h13

O fim da Marvel Television e o foco do Marvel Studios em produzir séries diretamente ligadas à narrativa do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) exclusivamente para o Disney+ foram a pá de cal definitiva para as séries da Netflix inspiradas nos heróis da Casa das Ideias. Ligadas apenas de forma não oficial aos principais filmes da franquia (com menções à "Batalha de Nova York" e personagens como "o cara gigante e verde"), Demolidor, Jessica Jones, Luke CageJusticeiro e até Punho de Ferro entregaram histórias mais densas, urbanas e adultas, que cativaram muitos fãs, mas foram terminantemente canceladas.

Pensando nas inúmeras possibilidades permitidas pela abertura do multiverso do MCU, escancarada a partir dos eventos de Loki e extrapolada em What If...?, decidimos listar os personagens (e, claro, respectivos intérpretes) que adoraríamos ver de volta, agora sob a tutela de Kevin Feige. Entre especulações e rumores, a lista abaixo contém aqueles que deveriam voltar mesmo que em uma nova abordagem (sem brigas em corredores, talvez?), simplesmente porque depois de vê-los no papel fica difícil demais imaginar outra pessoa.

Charlie Cox como Matt Murdock (Demolidor)

Netflix/Divulgação

Como o Homem de Ferro de Robert Downey Jr. foi para o MCU, a interpretação de Charlie Cox para o advogado cego que é em segredo o vigilante Demolidor foi a pedra angular das séries da Marvel na Netflix.

Um personagem complexo, que deve equilibrar seu trabalho formal em nome da lei, o paralelo em nome da justiça, e a fé que professa em nome de seus valores, Matt Murdock tomou vida de forma tão plena na pele do ator britânico que protagonizou três temporadas de alto nível conceituadas entre o público e a crítica.

Reintroduzi-lo no MCU, inclusive, não seria difícil: entre tantas lutas destruindo patrimônio aqui e ali, qualquer herói da Marvel nos cinemas poderia fazer uso de um bom advogado; especialmente um que atende direto de Hell's Kitchen, no coração de Nova York.

A volta dessa versão do personagem, inclusive, há muito é um dos muitos rumores sobre o novo filme do Teioso Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, mas até agora nada foi confirmado. Resta torcer para que, se isso acontecer, Deborah Ann Woll e Elden Henson também voltem como Karen Page e Foggie Nelson.

 

Vincent D'Onofrio como Rei do Crime (Demolidor)

Netflix/Divulgação

Grande vilão de Demolidor na primeira e na terceira temporada da série, Wilson Fisk foi um dos grandes responsáveis não só pela qualidade geral da série como também por elevar a empatia e o carisma despertados pela interpretação dada por Charlie Cox como Matt Murdock. Interpretado como um predador animal tentando (e falhando) se restringir às normas da civilidade moderna, o experiente Vincent D'Onofrio entregou uma performance definitiva para o vilão, que merecemos revisitar.

Recentemente, rumores fortes tomaram o Twitter depois que o ator usou sua conta pessoal para favoritar um tweet do perfil Big Screen Leaks ("vazamentos da tela grande", em tradução livre), que afirmava que ele retornaria ao papel do Rei do Crime em Gavião Arqueiro, a série do Disney+ protagonizada por Jeremy Renner e Hailee Steinfeld. Mesmo Vincent tendo descurtido a publicação algumas horas depois, foi o bastante para que os fãs voltassem a sonhar com ele no MCU. Por enquanto, entretanto, não há nada de oficial.

Krysten Ritter como Jessica Jones (Jessica Jones)

Netflix/Divulgação

Ela já havia mostrado seu carisma e profundidade dramática como um dos personagens mais centrais ao desenvolvimento da trama de Breaking Bad, só uma das melhores séries de TV de todos os tempos, mas foi como a personagem-título de Jessica Jones que Krysten Ritter deixou o público absolutamente estupefato com seu talento.

Na pele da ex-heroína que virou detetive particular, a atriz protagonizou uma série madura e profunda sobre abuso, suas consequências e a jornada de superação de uma vítima. Além disso, viveu por três temporadas um arco rico de desenvolvimento que o Marvel Studios ainda não conseguiu desenvolver para suas heroínas.

Introduzir Jessica Jones ao MCU seria uma ótima forma de chacoalhar as estruturas do universo compartilhado em um momento que uma das maiores referências femininas, a Viúva Negra (Scarlett Johansson), se despediu de forma agridoce. É uma pena, entretanto, que esse seja um caso no qual o maior desafio será convencer a atriz a retornar, já que Ritter já afirmou não querer voltar a interpretar a personagem.

Rachael Taylor como Trish Walker (Jessica Jones)

Netflix/Divulgação

Desenvolvimento de personagens, inclusive, sempre foi o ponto forte de Jessica Jones, que ao longo de suas três temporadas desenhou um arco rico e repleto de altos e baixos para mostrar a jornada de Trish Walker rumo à identidade heróica da Hellcat (ou Felina, como a personagem é chamada nos quadrinhos por aqui).

Mesmo que você tenha críticas à condução dessa história no último ano da série (que colocou Jessica contra a amiga), há de convir que é uma personagem que faria maravilhas nas telonas, muito graças ao carisma e talento de Rachael Taylor.

A exemplo do que Oscar Isaac deverá fazer em Cavaleiro da Lua, outra produção do MCU que está a caminho do catálogo do Disney+, ver a Hellcat em uma roupagem mais heróica seria um interessante caminho de explorar e expandir o "vigilantismo" na narrativa expandida do Marvel Studios. Só acho que vale deixá-la como uma heroína, mesmo, desta vez.

Simone Missick como Misty Knight (Luke Cage)

Netflix/Divulgação

Que me perdoem os fãs de Mike Colter como Luke Cage, mas é a interpretação de Simone Missick para Misty Knight que realmente rouba a cena na série da Netflix. Introduzida como uma policial durona com um senso de justiça afiado, a personagem eventualmente se transforma em algo mais, uma verdadeira heroína, enquanto fica lado a lado com o grandalhão invulnerável mesmo sem ter qualquer grande poder. Essa coragem tem seu custo: um braço.

Você tem ideia que a gente viu uma mulher ter o braço arrancado em uma série da Marvel? Obrigado Netflix. E o melhor: ele ainda foi substituído por uma prótese robótica que a faz chutar ainda mais bundas do que ela já chutava antes. Misty Knight é o tipo de personagem que roubaria a cena em qualquer filme ou série que o MCU quisesse colocá-la. E nós apoiamos demais essa ideia.

Jessica Henwick como Colleen Wing (Punho de Ferro)

Netflix/Divulgação

Olha, ninguém aqui vai mentir: Punho de Ferro é uma série ruim. Só que o faltou de carisma e habilidade de luta para o herói-título vivido por Finn Jones sobrava à Colleen Wing vivida por Jessica Henwick. Nas duas temporadas da série, é ela que rouba a cena e, honestamente, sustenta uma narrativa bem fraca que carecia de um protagonista que tivesse, veja só, tudo que ela tem de sobra.

Embora não se saiba se Kevin Feige tem planos para Danny Rand no MCU (espero que, se sim, seja escalando um ator asiático-americano no papel), a gente acha que Colleen deveria estar no topo da lista de resgates da Netflix, especialmente agora que as artes marciais da Marvel estarão muito mais bem representadas graças ao vindouro Chang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis.

Jon Bernthal como Frank Castle (Justiceiro)

Netflix/Divulgação

Frank Castle é um personagem bastante unidimensional se abordado de forma preguiçosa. Movido por uma sede insaciável de vingança, ele mata. Só que a interpretação dada pelo multifacetado Jon Bernthal ao personagem foi muito além disso, mergulhando na discussão sobre estresse pós-traumático de soldados veteranos e humanizando o mais desumano anti-herói da Marvel Comics.

Vê-lo de volta não seria só um deleite para os fãs de Frank Castle, seria uma porta aberta para o Marvel Studios investir em uma narrativa densa, pesada e adulta que dialoga diretamente com muitas facetas da sociedade em que vivemos hoje; num momento em que a própria polícia tem tido de se manifestar contra a romantização dos crimes cometidos pelo personagem.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.