Inspiração em V de Vingança e a “Big Tiddie Gang”: a fase solo de BM, do Kard

Créditos da imagem: Reprodução/Instagram

Música

Artigo

Inspiração em V de Vingança e a “Big Tiddie Gang”: a fase solo de BM, do Kard

Rapper lançou o The First Statement, seu primeiro projeto fora do grupo, em junho

Caio Coletti
21.07.2021
13h32

BM estava aproveitando uma noite em casa após trabalhar duro na gravação de “13IVI”, o principal single do seu primeiro álbum solo, quando resolveu assistir pela primeira vez um clássico das adaptações de quadrinhos: V de Vingança (2005). Foi justamente do longa inspirado nas HQs de Alan Moore, estrelado por Natalie Portman, que nasceu a ideia de interpretar um fugitivo do FBI no seu clipe - veja abaixo.

Em entrevista ao Omelete, o integrante do KARD explica: “O protagonista do filme, V, é um vigilante. Ele viola as leis e faz coisas horríveis, mas em nome da justiça. Eu achei isso realmente incrível. ‘13IVI’ tem essa mensagem de perseguir os seus sonhos e as suas crenças, trabalhar duro por isso, não importa quantas cobras existam na sua vida, quantas pessoas injustas, degradantes, condescendentes... Você precisa continuar adiante, precisa ir atrás do que acredita”.

Articulado, mas de riso fácil, ele emenda a explicação com uma ressalva, em tom de deboche: “Obviamente, [o clipe] não é tão intenso quanto V de Vingança, porque no filme há assassinatos, e não há nenhum assassinato na minha história. É algo mais interno”.

“Gosto de fazer parte dessa energia”

BM (abreviação de Big Matthew, apelido conseguido graças aos seus 1,86m de altura), de 28 anos de idade, está na ativa com o KARD desde 2016, e buscando sucesso na indústria do k-pop desde pelo menos 2011, quando se mudou da Los Angeles natal para a Coreia do Sul a fim de participar de um reality show de competição. Ele explica que a estreia solo, em 2021, veio após pelo menos um ano de preparação.

É um bom momento agora porque, para começar, um dos membros [do KARD, J.Seph] está no serviço militar, então temos alguma dificuldade para fazer coisas do grupo”, diz. “‘13IVI’ está pronta há muito tempo, mas obviamente a desenvolvi muito com o passar dos anos, e as outras canções acabaram vindo muito naturalmente”.

Ele ainda conta que, originalmente, o The First Statement seria um mini-álbum (jargão da indústria coreana para o que chamamos, no Ocidente, de EP), com seis faixas. No entanto, a decisão de selecionar apenas as três canções mais fortes que já compôs fez com que o lançamento se transformasse em um “single triplo” - ouça abaixo.

Além do hip hop destemido de “13IVI”, a outra faixa do disco que ganhou clipe foi “Broken Me” (veja abaixo) - uma balada intensa e emocional que BM escreveu evocando suas próprias experiências com a saúde mental na época em que era um trainee, nome dado aos aspirantes a artistas contratados por gravadoras na Coreia, que passam por um regime de treinamento árduo, por anos, antes de estrear oficialmente.

Eu estava treinando há cinco anos, tinha 25 anos de idade, e ainda precisava emprestar dinheiro dos meus pais para conseguir viver aqui [na Coreia], longe deles [nos EUA]. Eu me sentia sem esperanças, inseguro, duvidava muito do meu futuro”, comenta ele. “Pensei em todo tipo de coisa, tive pensamentos suicidas, realmente passei por muita coisa. Depois de superar isso… nada na minha vida foi tão difícil quanto”.

Destas memórias vieram versos como: A ansiedade está voltando, posso sentí-la/ As luzes estão diminuindo e as paredes estão se fechando/ Você não consegue ver que estou sufocando mais a cada inspiração?”. BM acredita, no entanto, que “Broken Me” traz uma mensagem de esperança.

Eu queria dizer às pessoas que sempre há um jeito de sair dessa. [A música é para] qualquer um que esteja passando por algo semelhante agora, uma batalha interna. Eu recebo comentários de fãs o tempo todo dizendo que eu os ajudei a aliviar o estresse ou as emoções, que eu os ajudei a ter uma manhã seguinte melhor, um dia seguinte melhor. Eu gosto de fazer parte dessa energia no mundo”, diz.

“As pessoas realmente querem ajudar”

Falando sobre o grande momento global do k-pop, o músico se mostra ambivalente. BM admite que, hoje em dia, “existem fãs de k-pop por todo o planeta”, e que as redes sociais facilitaram a entrada dos artistas coreanos no Ocidente, mas aponta também um outro lado dessa moeda. 

Não tenho certeza se ficou mais fácil [fazer sucesso em mercados internacionais]. Acho que é a mesma rota de sempre, na verdade. Você precisa trabalhar duro e ser consistente na música, na performance. A internet fez o k-pop ser mais fácil de acessar, mas também fez com que os fãs tenham um discernimento maior. As pessoas veem um grupo e acham legal, mas daí encontram outro e pensam: ‘Esse aqui é melhor’”, comenta.

Reprodução/Instagram

O que ele tem feito, no entanto, é aproveitar a fama para lançar iniciativas beneficentes - sem deixar o bom humor de lado. A história da “Big Tiddie Gang” é uma das mais curiosas do mundo do k-pop, começando com uma live no Instagram em que um dos fãs de BM perguntou a ele qual era a sua parte do corpo preferida para malhar. “Você tem que manter o peitoral. As ‘tetas masculinas’ [‘man tiddies’, no melhor dialeto de Los Angeles] têm que estar em dia”, brincou ele em resposta.

O momento viralizou nas redes sociais, e logo BM estava formando, em entrevistas e outras interações com fãs, o que chamou de “Big Tiddie Gang” ou “Big Tiddie Comittee”, uma lista de ídolos do k-pop que mantém o físico (e, especialmente, as “man tiddies”) em dia. Nomes como Baekho (NU’EST), Shownu (Monsta X), Bang Chan (Stray Kids) e Wonho foram adicionados à “gangue”, mas foi só após um show do KARD em Los Angeles (EUA) que BM percebeu que poderia usar a popularidade do meme para uma boa causa.

Quando a coisa do ‘Big Tiddie’ se tornou o maior meme de 2019 e 2020, eu fiquei pensando: ‘Uau, o que foi que eu fiz? O que foi que eu comecei?’. Eu fiquei preocupado, por um lado, de ficar marcado como ‘o cara engraçado das tiddies”, admite ele ao Omelete. “Mas, depois do nosso show em Los Angeles, uma fã me disse que a música do KARD ajudava ela com a quimioterapia. Ela estava tratando um câncer na época - e, quando perguntei, ela me disse que era câncer de mama”.

O momento comovente (“Nós dois começamos a chorar”, confessa BM), aliado ao fato de que o show aconteceu no mês de outubro, tradicionalmente reservado para a conscientização sobre o câncer de mama, fez com que “as coisas se encaixassem” na cabeça do idol. Juntando-se à marca norte-americana StaydiumLA, ele lançou uma coleção de roupas temáticas de sua “Big Tiddie Gang”, destinando os lucros da venda para organizações que ajudam pacientes de câncer.

Eu pensei: ‘Posso ajudar as pessoas que precisam. Vamos fazer algo que possa ajudar as pessoas a partir dessa coisa engraçada’”, conta ele. “E vendeu feito água! Eu fiquei surpreso, isso mudou minha perspectiva. Eu percebi que as pessoas realmente querem ajudar umas às outras. Se for por uma ótima causa, elas querem ajudar”.

Desde então, BM lançou uma segunda coleção com a StaydiumLA, esta intitulada Healers, que beneficia a instituição Stomp Out Bullying, atuante na causa da prevenção do bullying, cyberbullying e outros tipos de abuso. A ação foi coordenada com o lançamento de “Gunshot”, single do KARD, co-escrito por BM, que fala sobre os efeitos do abuso verbal, online e offline. A postura socialmente consciente, garante ele, veio para ficar.

Esse sucesso [das coleções com a Staydium] me fez querer planejar a próxima iniciativa. Eu não sei o que será ainda, porque ainda estamos fazendo produtos da Big Tiddie Gang, e ainda está vendendo muito bem”, diz ele. “Acima de tudo, isso me fez ver um pouco de esperança no mundo, me fez entender que há muita gente boa por aí”.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.