Sean Connery como James Bond em 007

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Lista

James Bond e muito mais: relembre papéis icônicos de Sean Connery

Ator morreu aos 90 anos neste sábado (31)

Nicolaos Garófalo e Arthur Eloi
31.10.2020
11h53
Atualizada em
31.10.2020
14h26
Atualizada em 31.10.2020 às 14h26

Eternizado na cultura pop como o primeiro a viver James Bond nos cinemas, Sean Connery morreu neste sábado (31) aos 90 anos. Ainda que seja reconhecido mundialmente por sua atuação como o charmoso agente da MI-6, o ator acumulou diversos momentos icônicos em sua carreira.

De seu primeiro “Bond... James Bond” à sua divertida química com Harrison Ford no terceiro Indiana Jones, relembre momentos icônicos da carreira de Sean Connery:

James Bond

A figura de Connery como Bond não só é altamente influente por ser o primeiro do cinema, mas também por ser uma das melhores interpretações do agente 007. O ator estabeleceu para o espião inglês um altíssimo padrão de elegância que tornou a figura de James Bond um marco da cultura pop.

Sua fase como o protagonista durou de 1962 até 1967, em cinco filmes: 007 Contra o Satânico Dr. No, Da Rússia Com Amor, 007 Contra Goldfinger, 007 Contra a Chantagem Atômica, e Com 007 Só Se Vive Duas Vezes (ele ainda voltaria para mais dois depois de um hiato). É certo dizer que se Sean Connery não tivesse acertado em cheio com sua performance, James Bond não estaria ganhando novas aventuras nas telonas até os dias de hoje. Isso, inclusive, é dito até pelo atual intérprete do personagem, Daniel Craig, que homenageou Sean Connery ao dizer: "Ele foi e deve ser sempre lembrado como o James Bond original".

Jim Malone – Os Intocáveis (1987)

Papel que rendeu a Connery seu único Oscar, Jim Malone foi parte importante de Os Intocáveis. O policial integra a força tarefa criada por Eliot Ness (Kevin Costner) para derrubar a perigosa rede criminosa do gângster Al Capone, que inclui agentes corruptos dentro da própria polícia. O momento em que Ness e Malone se encontram pela primeira vez ainda arrepia e é grande exemplo do talento e carisma que Connery tinha em sua atuação.

Juan Sánchez-Villalobos Ramírez – Highlander: O Guerreiro Imortal (1986)

Juan Sánchez-Villalobos Ramírez, personagem de Connery em Highlander: O Guerreiro Imortal, foi responsável por treinar Connor MacLeod (Christopher Lambert) após o escocês descobrir que era imortal. Ao longo do treinamento, Ramírez explicou o papel dos Highlanders no mundo, além de compartilhar com ele os costumes que os acompanham em suas vidas intermináveis.

Marko Ramius - A Caçada ao Outubro Vermelho (1990)

Além de James Bond, é visível que Connery tinha um talento para thrillers intensos. A adaptação da obra de Tom Clancy ajuda a comprovar isso. A trama, ambientada no auge da Guerra Fria, mostra um poderoso submarino soviético que tenta desertar para os inimigos, se tornando alvo de uma busca implacável pelos russos e pelos norte-americanos. Na obra, o ator interpreta Marko Ramius, o impiedoso comandante do submarino Outubro Vermelho que, motivado por traumas, fará de tudo para conseguir seus objetivos. O papel de Connery, que atua ao lado de Tim Curry, Stellan Skarsgard e Sam Neill, é um dos grandes motivos do filme ser tão memorável.

Henry Jones - Indiana Jones e a Última Cruzada (1989)

É possível ver Connery em outra das maiores franquias da cultura pop. Para o terceiro filme da saga Indiana Jones, o diretor Steven Spielberg recrutou o ator para viver ninguém menos do que o pai do protagonista de Harrison Ford. Na trama, Henry Jones Sr. (Connery) desaparece em busca do Santo Graal, forçando Indiana Jones a procurá-lo. Aqui o ator demonstra sua versatilidade, e que consegue transitar do drama para a comédia com facilidade. Bônus para as impagáveis interações entre Connery e Ford!

John Patrick Mason - A Rocha (1996)

Sean Connery já trabalhou até com Michael Bay, em um dos clássicos modernos de ação. Em A Rocha, o ator escocês interpreta John Patrick Mason, um ex-presidiário que é uma das únicas pessoas do mundo capaz de escapar de qualquer prisão. Esse conhecimento é bem-vindo quando um grupo terrorista se instala em Alcatraz e ameaça jogar bombas nucleares nos Estados Unidos. Aqui, o ator consegue participar do ação constante de Bay sem perder o charme que fez seu James Bond tão marcante.

Daniel Dravot - O Homem que Queria Ser Rei (1975)

Alguns anos após deixar James Bond, o ator se encontrou em um ambicioso projeto de época. O filme de John Huston coloca dois soldados britânicos - vividos por Sean Connery e Michael Caine - em uma jornada de ganância e poder, ao mostrá-los na luta para se tornarem reis do Kafiristão. O caminho não é fácil, e a dupla enfrenta o clima, a violência e os delírios de grandiosidade um do outro, em uma aventura que tem muito a dizer.

William de Baskerville - O Nome da Rosa (1986)

Na adaptação cinematográfica do mais renomado livro de Umberto Eco, Sean Connery assume o manto de William de Baskerville, um frade que é encarregado de investigar heresias em um mosteiro. Lá, porém, se depara com mortes, e passa a investigar as estranhas causas e condições ao lado do noviço Adso von Melk (Christian Slater).

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.