220 Volts

Créditos da imagem: Globo/Divulgação

Filmes

Lista

Paulo Gustavo: Como perseverar quando rir parece impossível?

A trágica morte escancarou até para os mais incrédulos a dureza da vida cotidiana na pandemia

Mariana Canhisares
05.05.2021
15h40
Atualizada em
05.05.2021
17h02
Atualizada em 05.05.2021 às 17h02

“Rir é um ato de resistência.” Desde que ouvi a triste notícia da morte do ator, humorista e diretor Paulo Gustavo essa frase não sai da minha cabeça. Para mim, a comédia sempre foi um refúgio. Um lugar quentinho, sobretudo nos últimos tempos, quando a realidade é tão difícil de digerir, e a impotência é rotineira. Mas, antes dessa sensação de pequenez diante da pandemia e do desgoverno, é fato que fazer piada do absurdo cotidiano já era o modus operandi do brasileiro. E não necessariamente como fuga.

Na ironia, estivesse ela manifestada em uma charge, esquete, crônica, peça ou na espontaneidade (ou embriaguez) de uma mesa de bar, ela sempre foi a nossa ferramenta para seguir adiante. Às vezes com mais crítica ou, simplesmente, com o coração mais leve para aguentar mais um dia. No exagero de um humor gritado e escrachado, fomos e somos capazes de olhar para nós mesmos e enxergar a nossa realidade com uma clareza que só a piada pode nos proporcionar: rendidos. Porque, embora a dor e o drama do outro tenham sido simplificados como “mimimi”, a risada te obriga a baixar sua guarda e sentir no peito o peso do seu próprio escárnio. Quer você queira ou não.

Não precisa ser fã do Paulo Gustavo - nem descer mais de um degrau do pedestal do jornalista cultural encastelado, como bem apontou Guilherme Genestreti na Folha de S. Paulo - para ver como ele foi e sempre será importante para a cultura e para o povo brasileiro. Seus personagens ressoaram de tal maneira que, mesmo na crise de 2017, ele quebrou recorde de público e arrecadação nos cinemas com Minha Mãe é Uma Peça 2: R$ 124 milhões. Uma nova aventura da Dona Hermínia, a caricatura da sua mãe, foi ainda mais longe e fez mais de R$ 180 milhões no ano passado, a maior renda da história do cinema nacional.

Contudo, esse marco comercial é pequeno para quantificar as risadas causadas pelo divertidíssimo Valdomiro, do sucesso Vai que Cola, pela Senhora dos Absurdos, cuja insensatez cômica um dia pareceu mais distante - hoje, é até uma prévia das mensagens do grupo da família no whatsapp -, ou qualquer outro dos seus personagens. Muito menos mensurar o legado de um cara que, pelo humor, levou discussões ditas tabus para tantos lares brasileiros.

No 220 Volts, Paulo Gustavo chamou a risada de resistência para levar esperança para o brasileiro que, prestes a entrar em 2021, já não via muita razão para esperar pelo melhor. Hoje, novamente, está difícil esboçar um mero sorriso. Parece que só nos sobrou a indignação, a revolta, a raiva e, novamente, a nossa velha sensação de impotência diante do caos - pelo menos, aqui para mim. Como, então, resistir quando rir parece impossível?

1 - Atente-se à sua hipocrisia

Rir da hipocrisia alheia é gostoso, mas nunca é demais fazer um exercício de autocrítica. Se a retrospectiva da Blogueirinha do Fim do Mundo te lembrou muito o seu próprio 2020 não ironicamente, resista sendo diferente de agora em diante. Como bem colocou Tata Werneck em um de seus muitos posts homenageando Paulo Gustavo, não deixem a dor e o luto de 400 mil famílias serem em vão: "Entendam a gravidade dessa pandemia. Usem máscara. Álcool gel. Distanciamento social. Por favor".

2 - Não normalize o absurdo

Fazer piada do absurdo é fácil, mas normalizá-lo exige um esforço diferente, numa direção oposta. Todos os dias, o Brasil se despede de mais de 3 mil pessoas só por COVID-19, uma doença que tem vacina. Não relativize o peso dessa estatística. Seja irônico, como nossos chargistas. Nunca ignorante.

3 - Ame na prática

Rir tem sido cada dia mais difícil, eu sei. Mas você pode resistir e ainda honrar a memória de Paulo Gustavo seguindo o conselho que ele mesmo nos deu no 220 Volts: "Diga o quanto você ama a quem você ama, mas não fica só na declaração, não. Ame na prática. Na ação". Respeite não apenas o luto da família do humorista, mas também o de milhares de brasileiros. Vá além do tributo no Instagram e seja responsável. Não aglomere. Ame os seus e os outros na prática.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.