Parece familiar? Entenda quem é Sanguinário, o novo líder do Esquadrão Suicida

Créditos da imagem: WB/Divulgação

Filmes

Artigo

Parece familiar? Entenda quem é Sanguinário, o novo líder do Esquadrão Suicida

Personagem de Idris Elba no filme terá um gostinho de Will Smith

Marcelo Hessel
22.06.2021
09h17
Atualizada em
22.06.2021
11h12
Atualizada em 22.06.2021 às 11h12

A estreia de O Esquadrão Suicida em agosto se aproxima, e um novo trailer do filme de James Gunn (que saiu primeiro em anúncios no YouTube e deve chegar mais tarde aos canais oficiais) já delineia bem qual será a trama: Amanda Waller junta novos vilões para uma missão que na teoria parece simples, apagar qualquer traço de existência daquilo que oficialmente se chama “Project Starfish”. Não é um trocadilho fisiológico, como o Pacificador palpita no vídeo, e sim a chegada do vilão estelar Starro ao Universo DC do cinema (leia mais sobre essa estreia aqui).

Uma dúvida que o trailer levanta, porém, é quem lidera em campo essa nova formação do Esquadrão. Sobrevivente do filme anterior, o coronel Rick Flag Jr. (Joel Kinnaman) seria a escolha óbvia, não só por sua patente militar (dentro do helicóptero da equipe ele ocupa posição de liderança evidente) mas também porque Gunn se inspira na fase da HQ do Esquadrão dos anos 1980 escrita por John Ostrander que dá ao filho de Rick Flag o comando dos suicidas.

Acontece que o trailer coloca outro personagem em evidência, Robert DuBois, o Sanguinário, interpretado por Idris Elba. Quando é convencido por Amanda Waller a integrar o esquadrão, ele ouve: “Muito bem, então vamos conhecer o seu time”. É o único personagem que parece, pelo trailer, ter um arco de redenção minimamente desenhado, porque Robert cumpre pena enquanto tenta se manter próximo de sua filha, Tyla (vivida por Storm Reid), e ela depois assiste a ele pela televisão na batalha contra a estrela do mar colossal.

Questões de liderança à parte, Sanguinário chega ao filme promovido a protagonista, com direito a arco de drama familiar, por uma gambiarra de roteiro. Originalmente, o Pistoleiro (vivido por Will Smith no filme de 2016) seria o personagem de Elba, mas o nome foi alterado, na eventualidade de Smith voltar ao papel futuramente. Nos quadrinhos, tanto o Pistoleiro quanto o Sanguinário são conhecidos por sua mira, mas a subtrama com a filha não tem nada a ver com a história do Sanguinário - é um “caco” da história pessoal do Pistoleiro que ficou convenientemente no roteiro.

Vale lembrar que, no filme de 2016, Pistoleiro não tem um instinto suicida como nos quadrinhos, e sua missão de vida é dar um sustento digno para sua filha, Zoe. Já o Sanguinário, criado em 1987 por John Byrne, que na época foi o roteirista responsável por reinventar a origem do Superman na DC, tem uma conexão mais forte com seu irmão, Mickey, que se alistou na Guerra do Vietnã no lugar de Robert quando este fugiu do exército e se escondeu no Canadá. No fim, Mickey perdeu os braços e as pernas numa explosão no Vietnã e Robert nunca superou a culpa. Nas histórias, Sanguinário sempre é escrito como um mercenário desequilibrado, por conta do remorso.

O trauma se converte em psicopatia de tal forma que até Lex Luthor se assusta com os atos de Sanguinário. Quando o vilão milionário contrata o mercenário para matar o Superman com balas de kriptonita que Luthor fornece (situação que Byrne cria logo que Sanguinário debuta na HQ do Homem de Aço), o matador de aluguel abre fogo contra civis no meio da rua para chamar a atenção de Superman.

Se a presença de Tyla é um resquício de Pistoleiro no filme, há outros traços que são particulares do Sanguinário. Um deles é, provavelmente, o poder de sacar armas que o personagem carrega miniaturizadas ou por teletransporte (outro elemento que Luthor havia lhe presenteado nas HQs). Outro traço está no trailer: o duelo contra Superman. Em Esquadrão Suicida, Robert DuBois vai parar na penitenciária Belle Reve (e depois na Força-Tarefa X) por ter colocado o Superman na UTI com um tiro de bala cheia de kriptonita.

O Esquadrão Suicida chega aos cinemas brasileiros em 5 de agosto.

 

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.