Cartaz de Hebe - A Estrela do Brasil

Créditos da imagem: Hebe - A Estrela do Brasil/Warner/Divulgação

Filmes

Entrevista

Hebe | Por que é importante lançar uma cinebiografia da apresentadora em 2019

Filme com Andréa Beltrão chega aos cinemas mostrando época importante na vida da artista

Camila Sousa
27.09.2019
15h13

Existem algumas figuras que são emblemáticas na cultura brasileira e a apresentadora Hebe é um bom exemplo disso. Após décadas apresentando programas em diversas emissoras de televisão, a artista se tornou sinônimo de grandes entrevistas e do famoso “selinho” ao final delas. No entanto, além do grande carisma, Hebe também tinha um lado firme, sem medo de tocar em assuntos considerados polêmicos. Com isso, o lançamento da cinebiografia Hebe - A Estrela do Brasil em 2019 marca um momento importante para que outras gerações conheçam sua história.

Em entrevista ao Omelete no set da produção, o diretor Maurício Farias explicou que Hebe estava à frente de seu tempo em muitas questões, por isso a produção deve gerar identificação com o público mais jovem. “Nos anos 40 e 50, Hebe já trabalhava e se casou com quase 40 anos de idade, algo pouco comum para uma mulher daquela época, mas totalmente atual. Ela teve sucesso na carreira e nunca dependeu dos homens com quem se relacionou. Ela teve muitas dificuldades como alguém que trabalha muito e se dedica a isso. Essa é uma discussão muito atual”.

Um dos pontos que a cinebiografia explora é como a artista falava sobre tudo em seus programas de TV. Como o próprio trailer mostra, Hebe tratava de diversos assuntos e isso gerou alguns problemas em sua carreira, incluindo com a censura. “Hebe era uma pessoa que falava a sua opinião e sempre estava aberta ao diálogo. Acho que isso também é uma coisa importante para todas as idades, nesse momento que estamos vivendo, com cada vez mais extremismo e certa dificuldade de entendimento e diálogo”, diz Farias.

O projeto de uma cinebiografia sobre a apresentadora partiu de sua família, especialmente de seu sobrinho Cláudio Pessutti, interpretado no filme por Danton Mello. A produção não mostra a infância e juventude de Hebe, mas foca em um momento de mudança em sua vida na década de 80.

Segundo o diretor, o momento foi escolhido por ser emblemático e representar duas grandes viradas, uma pessoal e outra profissional. “É um momento da vida pessoal em que ela finalmente consegue se colocar da forma que ela achava que deveria, consequentemente ela se separa do marido e acerta sua vida emocional e pessoal. No lado profissional, ela deixou a Bandeirantes por conta das dificuldades que estava tendo, com pressão da censura e falta de diálogo com os diretores do programa. Ela fica um tempo fora do ar e é convidada pelo Silvio Santos para voltar ao SBT, para fazer um programa do jeito que ela queria”. 

Com tudo isso, Hebe - A Estrela do Brasil é uma grande oportunidade, tanto para o público mais maduro, que lembra com carinho da Era de Ouro da televisão brasileira, quanto para os espectadores jovens, de conhecer as dores e as delícias de ser Hebe Camargo. O filme já está em cartaz nos cinemas.