Jungle Cruise revisita Piratas do Caribe e executa a receita Disney com precisão

Créditos da imagem: Disney/Divulgação

Filmes

Crítica

Jungle Cruise revisita Piratas do Caribe e executa a receita Disney com precisão

Filme oferece um Jack Sparrow diluído em água morna e faz do conforto sua missão

Marcelo Hessel
29.07.2021
11h00

Certamente foi marcante para a Disney ver Johnny Depp se dissolver publicamente, de galinha dos ovos de ouro transformado em astro interditado, ele que fez da franquia Piratas do Caribe um sucesso e, de um dia para o outro, a levou consigo para o buraco. Marcante a ponto de termos agora em Jungle Cruise um substituto para Jack Sparrow à prova de polêmicas - que bebe mas não se embriaga, que trai os amigos e pede desculpas em seguida, que faz piadas de trocadilho inofensivas e, por elas, só pode ser acusado de ser cringe ou tiozão.

O personagem se chama Frank e é um barqueiro que entretém turistas na Amazônia na época da Primeira Guerra Mundial, quando cidades como Porto Velho prosperam atraindo oportunistas e curiosos em busca do Eldorado tropical. Isso é o máximo de pesquisa da história do Brasil que Jungle Cruise se permite, um filme onde a viajante Emily Blunt, em busca de uma mítica árvore indígena, negocia com Frank o tal cruzeiro da floresta no valor de alguns milhares de reais, porque aparentemente ninguém em Hollywood cogitou que no Brasil a moeda tivesse trocado de nome ao longo do século 20.

Voltando a Frank, é óbvio que apenas Dwayne Johnson - o único astro do cinema que conseguiu fazer do politicamente correto um traço charmoso de personalidade - seria capaz de interpretar um personagem tão diluído. Fica evidente que o Jack Sparrow de Depp, na sua imitação de Keith Richards que mesmo naquela época já fez a Disney arregalar os olhos, foi um ponto fora da curva (e é plenamente possível debater se o sucesso de Piratas do Caribe se devia justamente a isso). O caso é que o barco consertou sua rota em Jungle Cruise, a nova aposta do estúdio em transformar as atrações dos seus parques temáticos em filme; o Frank de The Rock é a cara da Disney, o bom moço cujas piscadinhas irônicas nunca traem sua jornada justa de herói trágico.   

Que Jungle Cruise funcione muito bem ao redor de Frank e a despeito de Frank - funcionar no sentido de ter algo mais consistente a oferecer além do pacote pronto de boa-fé, sorrisos e cenho franzido - é um crédito que deve ser dividido e dado a Emily Blunt e Jack Whitehall e ao diretor Jaume Collet-Serra. Na comparação com Piratas do Caribe (que eu faço aqui porque afinal o molde de Jungle Cruise é o mesmo, até no arranjo de vilões com um antagonista militar em parceria com uma ameaça sobrenatural), Jungle Cruise sai francamente na frente, porque JCS realiza com naturalidade o que Gore Verbinski carecia de três vezes mais esforço, Whitehall traz uma graça ao filme que havia sido negada a Orlando Bloom, e porque o texto esperto de Glenn Ficarra e John Requa permite que Emily Blunt reivindique mais seu papel para si do que a donzela invocada de Keira Knightley.

O molde é o mesmo mas os tempos mudam, afinal; Piratas do Caribe foi concebido numa época em que todo blockbuster tinha que ser minimamente marrento, e Jungle Cruise é o oposto, antenado com um movimento do cinema de atrações em direção ao lúdico. O filme tem algumas cenas de ação, inclusive, cujo set piece parece desenhado para evocar mesmo o espaço da Disneylândia, como a perseguição com curvas e torpedos no atracadouro de Porto Velho. Méritos para Jaume Collet-Serra, que em filmes como Águas Rasas ou em suas parcerias com Liam Neeson sempre mostrou bom olho para o espaço e seus limites e para a composição da ação em diferentes escalas. 

Esse talento não aparece na tela com o mesmo exibicionismo de Verbinski. Um exemplo do domínio espacial de JCS pode ser um plano muito simples e aparentemente desnecessário, mas que nos contextualiza tudo espacialmente, como um zoom-out discreto que mostra a distância entre o barco e dois personagens, quando um terceiro personagem precisa dessa distância para fazer algo sem ser surpreendido. Contexto é tudo, e Jungle Cruise nos conforta o olhar nesse senso de espaço, que falta tanto em blockbusters inchados, cheios de mudanças de ângulos na ação, que desnorteiam o espectador.

O simples sempre vai parecer fácil quando se vê, mas alcançar a simplicidade num conjunto de fatores (como conciliar o alívio cômico no texto entre momentos graves, como compor luz e cores para nos situar num universo ditado pelo lúdico sem removê-lo do real etc.) demanda trabalho. Seria óbvio descartar Jungle Cruise como um protótipo enlatado de franquia infantojuvenil (que o filme nunca nega ser), mas não há nada ordinário nesse equilíbrio de tom que Collet-Serra alcança entre duas forças aparentemente opostas, o descompromissado e o investido. Nesse sentido, ele faz um típico filme Disney melhor do que a Disney tem feito atualmente.

Jungle Cruise
Jungle Cruise
Jungle Cruise
Jungle Cruise

Ano: 2021

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 127 min

Direção: Jaume Collet-Serra

Roteiro: John Requa, Glenn Ficarra, Michael Green

Elenco: Jack Whitehall, Jesse Plemons, Édgar Ramírez, Emily Blunt, Dwayne Johnson

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.