Alan Moore em The Show

Créditos da imagem: Lex Records/Divulgação

Filmes

Notícia

Em rara entrevista, Alan Moore critica filmes de super-herói

Roteirista diz que personagens foram roubados de seus criadores

Nicolaos Garófalo
09.10.2020
22h55

Apesar de ser um dos quadrinistas mais celebrados da história, Alan Moore tenta há anos se afastar da indústria e de sua influência nela. Reconhecido por seus trabalhos em Watchmen, V de Vingança, Batman, Superman e A Liga Extraordinária, o roteirista fez duras críticas à dominância dos filmes de super-herói em uma rara entrevista feita para divulgar seu filme The Show. Ao Deadline, Moore afirma que não vê nenhum filme de herói desde Batman, de 1989. “Vários anos atrás, eu falei que era preocupante ver centenas de milhares de adultos fazendo fila para ver personagens criados há 50 anos para entreter crianças de 12 anos”, comentou.

Eu não assisto nenhum [longa de herói]. Todos esses personagens foram roubados de seus criadores, todos. Eles têm uma longa fila de fantasmas atrás deles. No caso da [Marvel Studios], Jack Kirby”, seguiu o Mago. Perguntado se uma abordagem mais adulta, como a de Coringa, não o atrai, Moore disse que a mudança apenas o incomoda mais. “[Esses personagens] foram coisas criadas nos anos 1930 para entreter crianças. Se você tenta fazê-las para o mundo adulto, fica grotesco”.

O quadrinista ainda disse que não gostou de saber que A Piada Mortal, história que escreveu em 1988, influenciou o filme de Todd Phillips. “Três meses depois de escrever, estava me desligando dela. É o Batman, pelo amor de deus, é um cara vestido de morcego”. Moore concluiu o raciocínio dizendo que Adam West é, para ele, a melhor interpretação do Cavaleiro das Trevas até hoje. “Não se levava nada a sério”.

The Show foi rodado entre 2018 e 2019, no Reino Unido, antes de Moore anunciar sua aposentadoria dos quadrinhos, meio em que se consagrou com HQs como WatchmenBatman: A Piada Mortal e mais.

Em 2018, Moore falou sobre o projeto: "Com The Show, eu queria aplicar ao cinema as habilidades narrativas que acumulei ao longo da minha variada carreira. Queria tomar uma abordagem clássica ao cinema e encontrar, junto com Mitch Jenkins, o que aconteceria se você combinasse isso com ideias e capacidades técnicas modernas. Quero fazer cinema radical e progressista que também seja ridiculamente envolvente e divertido: um verdadeiro espetáculo".

Ainda não há data de estreia para The Show.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.