Séries e TV

Artigo

Emmy 2017 | Entenda por que a sua série favorita pode ter sido esnobada

The Leftovers é uma das grandes ausências do ano

Aline Diniz
13.07.2017
20h30
Atualizada em
29.06.2018
02h37
Atualizada em 29.06.2018 às 02h37

O Emmy sempre vai ser injusto para algumas pessoas. A premiação que comemora os melhores da TV não consegue abraçar todas as produções e as regras criadas para que os votantes tenham pelo menos um norte a seguir acabam criando algumas confusões - como, por exemplo, a mudança de Orange is the New Black de série cômica para dramática de um ano para o outro. Mesmo assim, tudo se resume a apenas uma coisa: lobby. A indústria ainda é muito calcada na dedicação de verba a anúncios, que promovem certos atores e produções para o estrelato e, eventualmente, o sucesso.

Uma das principais produções que ficaram de fora esse ano foi The Leftovers, que encerrou sua terceira e última temporada recentemente. Com excelentes atuações de Justin Theroux e Carrie Coon, entre outros, a única indicação que a série recebeu foi pelo igualmente excelente trabalho de Ann Dowd, que apareceu em somente um episódio neste último ano, o impecável “The Most Powerful Man in the World (and His Identical Twin Brother)”. Por mais que fãs da série quisessem que ela fosse reconhecida pelo prêmio, a HBO decidiu, sem Game of Thrones no páreo, por investir somente no lobby de Westworld, que acabou saindo como a mais indicada do ano. Apesar de Leftovers ter ficado praticamente de fora da premiação, há um alento de ver a excelente Carrie Coon reconhecida, ao menos, por seu trabalho em Fargo - que, aliás, está muito bem representada esse ano, com Ewan McGregor e David Thewlis.

Westworld, aliás, apesar de ter recebido 22 indicações, ainda acabou sendo esnobada também em algumas categorias. Ed Harris e Jimmi Simpson, excelentes como o Homem de Preto e William, respectivamente, foram solenemente esquecidos, mas muito bem representados por Evan Rachel Wood, Anthony Hopkins, Thandie Newton e Jeffrey Wright. A série também recebeu indicações nas categorias técnicas, mas a que mais se destaca é a de melhor música-tema. Ramin Djawadi concorre com fortes competidores, como os temas de Stranger Things, Victoria, Genius, Feud: Bette and Joan e The Good Fight, mas precisa levar esse ano - essa é sua segunda indicação na categoria, tendo concorrido antes em 2006 por Prison Break e sido ignorado pela criação do tema de Game of Thrones.

Outra produção que foi reconhecida em inúmeras categorias mas deixou um integrante do elenco esquecido foi Better Call Saul. Como que mantendo o hábito, votantes escolheram novamente Jonathan Banks para representar a série na categoria de melhor ator coadjuvante, mas quem realmente roubou a cena na terceira temporada foi Michael McKean. Essencial para a trama no papel de Charles McGill, o ator foi o principal foco de todo o desenvolvimento de Jimmy (Bob Odenkirk, ótimo no papel e devidamente indicado a melhor ator em série dramática) - e será muito provavelmente um dos estopins na transformação do protagonista em Saul Goodman.

Pelo lado das comédias, a habitual indicação de Modern Family já passa a sensação de preguiça dos votantes, sendo indicada anualmente desde 2011. Apesar de ainda ser uma ótima série cômica, o roteiro do programa tem ficado um tanto repetitivo depois de oito anos no ar; além de ser necessário abrir o caminho para outras produções que fazem hoje tanto barulho quanto Modern Family fez quando estreou. Mas mesmo tendo sido indicada a melhor série, foi um alívio ver que, dessa vez, não domina as categorias de atuação. Ty Burrell entra como o representante do elenco, indicado a melhor ator coadjuvante.

Em uma das mais contrastantes indicações na categoria de ator em comédia, Jeffrey Tambor é reconhecido por seu excelente trabalho como Maura em Transparent. Porém, marcando o que talvez seja uma das maiores injustiças da premiação - que tem regras com inúmeras ambiguidades -, merecia uma indicação entre os atores de série dramática em vez de comédia. Acontece que Transparent, por ter apenas 30 minutos de duração, acaba caindo entre as comédias por conta das regras - e segue ganhando prêmios que deveriam ser de séries verdadeiramente cômicas.

A cerimônia que revelará os melhores da televisão estadunidense no período de junho de 2016 a maio de 2017 acontecerá no dia 17 de setembro, com apresentação de Stephen Colbert (The Late Show with Stephen Colbert). No Brasil, o Emmy será televisionado ao vivo pelo canal pago TNT.