Com bom humor, elenco de The Walking Dead: World Beyond comenta eventos da série na CCXP Worlds

Créditos da imagem: Divulgação

CCXP

Artigo

TWD: World Beyond | Com bom humor, elenco comenta eventos da série na CCXP

Liderados pelo showrunner Matt Negrete, atores falam sobre a primeira temporada da mais recente produção do universo de The Walking Dead

Arthur Eloi
04.12.2020
21h20
Atualizada em
04.12.2020
23h21
Atualizada em 04.12.2020 às 23h21

2020 é um ano bastante especial para The Walking Dead. A adaptação das HQs de Robert Kirkman estreou nas telas da AMC há uma década, em outubro de 2010. De lá para cá, a série se tornou fenômeno pop, bateu recordes de audiências, perdeu uma parcela gigantesca de seu público, se reinventou e, claro, originou dois derivados. O mais recente deles, The Walking Dead: World Beyond, encerrou sua primeira temporada logo no final de novembro. Para discutir os eventos do programa, o elenco e o showrunner Matt Negrete se reuniram (virtualmente) no palco da CCXP Worlds.

Com tantos nomes assim, o painel da AMC Brasil foi dividido em duas etapas. A primeira deu atenção aos membros da CRM, a República Civil Militar - organização central da série. Apareceram no telão os atores Nico Tortorella (Felix), Annet Mahendru (Huck) e Julia Ormond (Elizabeth) que, ao lado de Negrete, repercutiram alguns dos eventos do recém-exibido final de temporada. Mas antes, o showrunner e criador reconheceu o momento estranho em que a franquia, sobre o caos de uma pandemia global, continua a crescer: “Realmente parece a vida imitando a arte”, afirmou. “Estamos em uma pandemia, mas nossos personagens também.

Durante todo o evento, Negrete guardou bem os segredos sobre a já confirmada segunda temporada do seriado, algo que se estendeu também aos atores, que não deram pistas sobre seus futuros. No máximo, o criador adiantou que a CRM ganhará ainda mais importância nos capítulos inéditos. Considerando que a organização deve ser a porta de entrada para a Commonwealth (ou o Império) - comunidade dos quadrinhos que tem o tamanho de uma cidade, mantimentos e até luz elétrica -, o comentário faz bastante sentido. Ele também não descartou a possibilidade de um crossover com Fear the Walking Dead, outra derivada que também conta com a presença da República Civil Militar: “Nunca diga nunca”.

Sem spoilers do que está por vir, os atores então comentaram a experiência de se juntar à uma franquia já estabelecida, com Julia Ormond descrevendo como incrível e assustadora em partes iguais, e Annet Mahendru afirmando que há um certo conforto em ter um público gigantesco acompanhando, interagindo e comentando todos os episódios. O elenco também falou de suas relações com o gênero horror.

Nico Tortorella falou que, apesar de sua passagem em franquias como Pânico, considera melhor atuar em filmes de terror do que assisti-los. Já Mahendru disse que cresceu fissurada em horror coreano, e que isso a traumatizou ao ponto de hoje morrer de medo de qualquer coisa do gênero. Julia Ormond, por sua vez, brincou que apesar de não ser muito chegada, tem uma filha que apenas assiste filmes de terror. Os convidados então escolheram seus filmes favoritos de zumbis: Extermínio (2002) para Tortorella, World War Z (2013) para Ormond, Todo Mundo Quase Morto (2004) para Negrete. E para Annet Mahendru? “Acho que os filmes de The Walking Dead vão virar meus filmes de zumbi favoritos”, brincou sobre a futura trilogia envolvendo Rick Grimes (Andrew Lincoln).

Algo que uniu as duas partes foi o bom humor de todo o elenco. Isso ficou bem evidente quando Tortorella e Mahendru começaram a discutir quem teria vencido a briga entre Felix e Huck no final da temporada - o consenso, apoiado por Negrete, é de que Huck venceu -, e especialmente com a chegada dos demais convidados. Para a segunda metade, Aliyah Royale (Iris), Alexa Mansour (Hope), Nicolas Cantu (Elton) e Hal Cumpston (Silas) ocuparam o telão e deram um gostinho de como foi o clima no set: segundo Mansour, quase não há tempo para focar no drama com tantas piadas, culpa da dupla Cantu e Cumpston.

Os dois demonstraram bem isso. Sem detalhes sobre o futuro da trama, Cumpston imaginou toda uma trama para Silas no ano dois, envolvendo sequências épicas de ação e porradaria. Cantu ficou maravilhado com a tecnologia do evento, que colocou Matt Negrete como um “holograma” no palco da CCXP Worlds. Já Mansour tentou alcançar um equilíbrio entre as piadas e as respostas, dizendo que prevê que Hope, sua personagem, está escondendo o jogo para manipular a CRM. Por fim, Royale apenas ria dos colegas, e foi apontada como a “mãe” do grupo, por manter todos com o pé no chão.

Com o primeiro ano recém-encerrado, o painel pode ter sido leve nas grandes revelações, mas foi recheado de carinho entre os convidados e alto astral. Negrete e o elenco ainda prometeram que, caso tudo dê certo, tentarão trazer essa energia à uma CCXP presencial.

A segunda (e última) temporada de The Walking Dead: World Beyond vai ao ar em 2021, sem data definida até o momento - leia a crítica da primeira temporada aqui. Veja os melhores momentos do painel abaixo:

A CCXP Worlds: A Journey of Hope, primeira edição 100% digital do maior evento de cultura pop do mundo, acontece entre os dias 4 e 6 de dezembro de 2020. Os ingressos gratuitos e os pacotes especiais, que dão direito a atrações e brindes exclusivos, estão disponíveis no site www.ccxp.com.br.

Nesta sexta (4), a Paramount apresenta seus próximos lançamentos, incluindo a nova versão de O Poderoso Chefão 3, o elenco de The Walking Dead: World Beyond conta como a série expande o universo de TWD, e a Globo traz um elenco estrelado, incluindo Taís Araújo e Lázaro Ramos. No lado dos quadrinhos, é o dia do homenageado Neil Gaiman, além de nomes como Jeff Smith e Matt Fraction.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.