Cena de Batman

Créditos da imagem: Warner Bros./Divulgação

Filmes

Artigo

Batman mostra que filme de herói pode ser sexy sem ter medo de ser vulgar

Com voyeurismo, filme de Matt Reeves resgata sensualidade dos filmes de quadrinhos

Omelete
6 min de leitura
Eduardo Pereira
08.03.2022, às 18H15
ATUALIZADA EM 08.03.2022, ÀS 22H07
ATUALIZADA EM 08.03.2022, ÀS 22H07

Isolados do som que embala a pista de dança frenética do Clube Iceberg, Batman (Robert Pattinson) interroga Oswald Cobblepot (Colin Farrell) sobre os crimes mais recentes de um misterioso serial killer. A conversa é subitamente interrompida pela aparição de uma garçonete, Selina Kyle (Zoë Kravitz), que imediatamente toma a atenção do Cavaleiro das Trevas. A troca de olhares entre os dois é rápida, mas intensa; um vislumbre do jogo de sedução que se estenderá pelo restante das quase 3h de duração de Batman.

No filme de Matt Reeves, o desejo latente entre Mulher-Gato e Homem-Morcego só cresce conforme a relação entre os personagens evolui: quando ele a observa como parte de sua investigação, mas perde o foco ao vê-la trocar de roupa; quando ela parece descansar enquanto envolta pelos braços dele, mesmo que em meio a uma luta. Em mais de um momento ao longo do filme, ambos transmitem ao público uma ideia de atração imediata que só conhece quem já sentiu — em bom português — algum tesão repentino. Conforme se aproximam e melhor se compreendem, os personagens passam a partilhar de algo mais próximo ao amor, mas ainda envolto em uma boa dose de fetiche com couro, máscaras e uma ocasional violência controlada.

A química sensual entre Pattinson e Kravitz, que encontra seu ápice em um belo beijo compartilhado ao contraluz do pôr-do-sol, é um dos principais elementos que fazem com que a nova aventura do Cavaleiro das Trevas se diferencie não só de todas aquelas que a precederam nas últimas duas décadas, como da grande maioria das adaptações de quadrinhos da atualidade. Ao atravessar o romance da Gata e do Morcego por um filtro moldado pelo voyeurismo, usado também para expor a imaturidade do jovem Bruce Wayne, Reeves refina a atmosfera de film noir da produção com uma evolução do tropo da femme fatale. De quebra, potencializa a humanização de seus personagens que, assim como a maioria do público, revelam-se dotados de desejo sexual.

Você pode se perguntar: é essencial que heróis da ficção transem ou queiram transar? É claro que não, até porque a ideia do essencial na arte é debatida em todas as esferas possíveis há uma boa centena de anos. Mas, se a cada mês que passa vemos crescer a oferta das mais variadas produções do gênero, por que o número de representantes que usam esse rico elemento narrativo não acompanha esse movimento? O que impede o espectador que quer mergulhar em um mundo fictício onde os personagens choram, sorriem, sangram e gozam de conseguir isso? O conservadorismo — em especial o econômico — desponta como a mais provável resposta.

Em junho do ano passado, uma cena de sexo oral entre o próprio Homem-Morcego e a Mulher-Gato (ou melhor: dele na Mulher-Gato), na animação da Harley Quinn, foi censurada pela DC. "Heróis não fazem isso", foi a justificativa do selo, que via no ato um convite a pais e mães vetarem o consumo de histórias do Cruzado Encapuzado por seus filhos. Deixando de lado o fato de que aconteceria em uma produção voltada ao público adulto, o que por si só já descreditaria o motivo da decisão, toda a ideia de que sexo seria algum tipo de ameaça ao apelo heroico de personagens de ficção — feitos mais interessantes justamente por quão bem espelham a condição humana — explicita um moralismo comercial tão datado quanto burro. E a impressão de que esse "super-sexo" se torna mais reprovável quando coloca o homem na posição de submissão só escancara como isso passa por um filtro machista.

Se não remediam esse veto rasteiro indo às vias de fato em Batman, ao menos o Morcegão de Pattinson e a Mulher-Gato de Kravitz devolvem a sensualidade aos filmes de herói enquanto ralam uma boa dose de coxa e trocam um punhado e tanto de secadas a canto de olho. Se o trabalho de Christopher Nolan em Batman - O Cavaleiro das Trevas (2008) ajudou a moldar uma nova era das adaptações de quadrinhos pelos anos seguintes — infelizmente incluindo aí esse trato asséptico das relações amorosas humanas —, tomara que o de Reeves no novo longa do personagem sirva no mínimo para lembrar os colegas da DC Filmes e os cabeças do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) que uma dose controlada de sensualidade não vai ferir quem sai na mão com o Coringa ou o Thanos.

Cena de Batman
Warner Bros./Divulgação

EXCEÇÕES, PERO NO MUCHO

Existem casos que remam contra essa maré de castidade, é claro. Em Pacificador, James Gunn colocou o personagem título (vivido por John Cena) em cenas de sexo um tanto quanto explícitas. Já em O Esquadrão Suicida (2021), com mais sutileza, o cineasta inseriu na trama uma maratona destrutiva de sexo protagonizada pela Arlequina (Margot Robbie). Em ambas as produções, entretanto, o sexo foi tratado como engrenagem em um maquinário do absurdo, compondo o rol de surpresas e alívios cômicos de duas produções para maiores de idade. Momentos ousados? Talvez. Sensuais? Definitivamente, não.

É por isso que, exageros à parte, dá para entender quando um cineasta como Steven Soderbergh reclama da ausência de tesão em filmes de super-herói. Não basta o abotoar de um cinto de Yondu, no interior de um bordel intergaláctico de Guardiões da Galáxia Vol. 2 (2017), para que enxerguemos todo um universo cinematográfico flagrantemente casto como capaz de produzir alguma faísca de desejo entre seus integrantes. Ou pior: não basta uma cena burocrática de Eternos (2021), com Gemma Chan e Richard Madden de ombros nus e mesma tensão sexual que têm um dedo mindinho e a quina de uma mesa de canto.

Essa abstinência sexual compulsória dos grandes heróis da DC e da Marvel fora da nona arte não é surpresa ou novidade. Em fevereiro de 2021, o artigo Everyone is Beautiful and No One is Horny, da jornalista americana RS Benedict, começou uma longa jornada de viralização ao expor essa realidade por meio da contraposição entre o passado e presente das adaptações de quadrinhos. Para ela, quando produções do tipo eram mais uma aventura comercial ocasional, os estúdios estavam mais dispostos a imbuí-los com elementos adultos para além da violência.

Segundo Benedict, hoje, quando filmes de super-heróis se tornaram pilares de projetos bilionários alicerçados numa crescente universalidade de apelo comercial, correr tal risco pode não ser lucrativo o bastante. Não é à toa que a maior referência de subtextos libidinosos nos “filmes de hominho” siga sendo até hoje a Mulher-Gato de Michelle Pfeiffer em Batman - O Retorno (1992).

“As estrelas de hoje são figuras de ação, não heróis de ação. Aqueles corpos perfeitos existem apenas para o propósito de infligir violência a outros. Se divertir é se tornar fraco, desapontar sua equipe e dar uma chance de vitória ao inimigo”, resume Benedict. Ao se propor a retratar a jornada de Bruce Wayne de um vigilante para um verdadeiro herói, Batman acerta ao preservar a sensualidade como um dos componentes-chave do processo — e prova que não precisa de uma classificação indicativa maior do que 14 anos para isso.

O Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Acompanhe a gente também no Youtube: no Omeleteve, com os principais assuntos da cultura pop; Hyperdrive, para as notícias mais quentes do universo geek; e Bentô Omelete, nosso canal de animes, mangás e cultura otaku.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.