Trecho da capa da nova HQ da Supergirl por Bilquis Evely

Créditos da imagem: Divulgação/DC Comics

HQ/Livros

Entrevista

Supergirl | Bilquis Evely fala sobre HQ com Tom King: peculiar e gostosa de ler

Quadrinista brasileira revelou ter um carinho antigo pela heroína, protagonista de seu próximo quadrinho na DC Comics

Gabriel Avila
09.03.2021
19h00
Atualizada em
12.04.2021
22h12
Atualizada em 12.04.2021 às 22h12

Os fãs da DC Comics receberam uma grata notícia em março: a Supergirl vai ganhar uma HQ solo escrita por Tom King, o roteirista do momento, e com artes da brasileira Bilquis Evely. Com um traço único, a quadrinista impressionou em títulos como Mulher-Maravilha e O Universo de Sandman: O Sonhar, pelo qual foi indicada ao prêmio Eisner em 2020. Em entrevista ao Omelete, Evely revelou um carinho antigo pela personagem, que foi importante para sua entrada no mundo dos quadrinhos:

“Foi uma minissérie da Supergirl que me chamou a atenção na banca quando era adolescente, antes disso eu não tinha contato nenhum com esse universo de super-heróis”, relembra. “Foi o dia que abriu uma portinha de possibilidades e, desde aí, tive certeza que trabalharia com quadrinhos no futuro. Mágico assim!”

Mais do que uma porta de entrada, a personagem seguiu presente durante a vida profissional da artista. “Ela foi acompanhando a minha carreira, de certa forma. Por exemplo, a primeira personagem com que trabalhei na DC foi a Supergirl de Bombshells. Ou quando o Keith Giffen perguntou se eu tinha algum personagem que eu sonhava em desenhar, falei sobre a Supergirl e ele me colocou em uma edição de Sugar & Spike (meu segundo trabalho na DC) para que eu pudesse desenhar.”

Arte da HQ DC Bombshells por Bilquis Evely

Arte da HQ DC Bombshells por Bilquis Evely

Divulgação/DC Comics

Com o novo trabalho, a quadrinista celebra o início de um novo capítulo da heroína em sua vida. “E agora estou desenhando a Supergirl de novo, em uma história que tenho muito a oferecer e com colaboradores que admiro muito. Uma combinação perfeita.”

Ainda assim, o amor pela Supergirl não foi exatamente o que fez Bilquis Evely se envolver com a nova HQ, projeto que apareceu quase por acaso. “Um pouco antes de terminar o Sonhar, eu estava conversando com meus editores sobre projetos. A minha dificuldade é que tem muitos personagens que admiro, mas antes do personagem vem o tom da história”, conta a quadrinista. “Posso amar o personagem, mas se a história não funcionar com o meu tipo de traço, é como dar murro em pedra. Sou sempre cuidadosa quanto a isso. Então veio o convite no meio dessas reflexões e logo de cara pareceu perfeito para mim.”

Capa da HQ Supergirl: Woman of Tomorrow por Bilquis Evely

Capa da HQ Supergirl: Woman of Tomorrow

Divulgação/DC Comics

Além de atender aos requisitos da quadrinista para seus projetos pessoais, a nova HQ da Supergirl também gerou grande empolgação em Evely por proporcionar novos caminhos criativos. “Sou mais atraída pelas possibilidades da história, ou pelo o que eu posso criar e oferecer. Trata-se de uma jornada no espaço, pura liberdade criativa. As possibilidades são infinitas. Como o Tom disse para mim, o céu é o limite, literalmente!”

Segundo a sinopse, Supergirl: Woman Of Tomorrow vai mostrar os caminhos da kryptoniana cruzando com o de uma jovem alienígena em busca de vingança contra o grupo responsável pela destruição de seu mundo. Para não revelar demais, a artista fez mistério em relação a suas principais inspirações para a arte da HQ. “Bom, não posso dizer muito ainda por ser muito específico da minissérie. Não sei como deixar mais claro, mas as pessoas vão entender quando lerem! Digamos que, para cada edição, preciso estudar e pensar de uma forma diferente.”

Do Universo de Sandman à Supergirl

Se a Supergirl foi importante para fisgar Bilquis Evely para o mundo das HQs, elas vão se reencontrar em um momento bem diferente da carreira da artista. Hoje a quadrinista se firmou como uma das grandes artistas de sua geração, e muito por causa de O Sonhar, título que fez parte da expansão do universo de Sandman. O projeto a colocou em evidência pela forma deslumbrante com que retratou o universo criado por Neil Gaiman.

Arte de Bilquis Evely para a HQ Universo de Sandman: O Sonhar

Arte de Bilquis Evely para a HQ Universo de Sandman: O Sonhar

Divulgação/DC Comics

Para Evely, a experiência com esse título se tornou uma influência para a nova revista da Supergirl. “Por explorar diferentes estilos, o aprendizado de um projeto se transferiu para o outro. Principalmente no caso do Sonhar, acho que foi o momento em que meu estilo se solidificou e quando as coisas passaram a ser mais naturais para mim, no sentido de compreender meu próprio trabalho e ter mais liberdade para explorar caminhos nos desenhos a partir daí.”

Se por um lado a experiência anterior trouxe lições importantes, não significa que a nova aventura de Kara Zor-El seguirá o mesmo estilo do Sonhar ou de outros trabalhos da artista. “Antes de começar um projeto, sempre faço muitas reflexões sobre qual caminho devo seguir. Seja o estilo do traço, a sensação da história, ou o ritmo da narrativa em geral. Então, além da minha evolução natural durante todos os meus projetos, existem peculiaridades em cada um deles”, conta.

Por fim, Bilquis Evely deu um pequeno gostinho sobre o que vem por aí nas páginas de Supergirl: Woman of Tomorrow. “É definitivamente um projeto bastante peculiar e gostoso de ler. É muito prazeroso ler os roteiros do Tom King. E sobre a arte, algo belamente colorido pelo Matheus Lopes e cheio de estrelas.”

A primeira edição da minissérie em oito partes Supergirl: Woman of Tomorrow será lançada em 22 de junho nos Estados Unidos.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.