Cena de The Flash/CW/Divulgação

Créditos da imagem: CW/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Novo episódio de The Flash prepara o clima para Crise nas Infinitas Terras

“A Flash of the Lightning” aproveita bem tramas criadas pela estreia da sexta temporada

Nicolaos Garófalo
16.10.2019
21h00
Atualizada em
16.10.2019
17h47
Atualizada em 16.10.2019 às 17h47

Depois de criar uma boa base para mudanças em seu episódio de estreia, o segundo capítulo da sexta temporada de The Flash mantém o ritmo, seguindo os caminhos que começaram a ser forjados na semana passada. 

[Spoilers de “The Flash – A Flash of the Lightning” a seguir]

Avisado anteriormente pelo Monitor (LaMonica Garrett) de que morreria na vindoura Crise, Barry (Grant Gustin) decide investigar o tal evento e, com a aprovação de Iris (Candice Patton), tenta viajar para 11 de dezembro, dia seguinte à sua suposta morte, mas é interrompido por uma barreira de energia, identificada como anti-matéria. Ferido e ainda mais curioso, Flash viaja para a Terra-3 para encontrar Jay Garrick (John Wesley Shipp), que mostra seus estudos sobre um fluxo de anti-matéria que tem viajado pelo multiverso. Apesar da ameaça criada pela nova força e a tensão passada pela inevitável Crise nas Infinitas Terras, o encontro das duas gerações televisivas de Flash é sempre o ponto alto dos episódios em que acontecem. Enquanto Shipp claramente se diverte em revisitar o mundo absurdo e divertido dos quadrinhos, o respeito de Gustin pelo predecessor é quase tangível, tornando a relação entre Barry e Jay mais crível.

A cereja do bolo é fazer o Flash protagonista usar o capacete de Jay, necessário para que Barry possa mentalmente ultrapassar a barreira de anti-matéria. Assim como o título “A Flash of the Lightning”, a cena em que o velocista vivencia os vários futuros é tirada diretamente dos quadrinhos da Crise e proporciona um momento curto, mas emocionante tanto para leitores da HQ, quanto para aqueles que acompanham apenas os programas do Arrowverse.

Outro acerto do episódio é em não forçar, logo de cara, o retorno de Nevasca (Danielle Panabaker) para enfrentar a vilã da semana, mas sim explorar a fraca habilidade de interação social da contraparte de Caitlin. A heroína é irônica, inconveniente, desbocada e, às vezes, ofensiva, tirando de Ralph (Hartley Sawyer) o peso de único alívio cômico.

Apesar de sem graça e previsível, o caso do vilão da semana, uma garota capaz de controlar diversos tipos de radiação que é acusada injustamente, introduz uma nova organização secreta que treina e usa meta-humanos como assassinos de elite, apresentando o que deve ser o grande arco da temporada, e muda os rumos da personagem de Cecile (Danielle Nicolet), que agora atuará não como promotora, mas como defensora especializada em casos envolvendo meta-humanos, usando seus poderes empáticos para objetivos maiores do que apenas criar brigas familiares com Joe (Jesse L. Martin) e Iris, assim como apresentar uma possível nova membro da Equipe Flash em Allegra (Kayla Compton), inocentada e agora repórter do site de Iris após Barry derrotar a verdadeira criminosa.

Com “A Flash of the Lightning”, The Flash continua mostrando sinais para sair do comodismo. Ainda sem evitar alguns dramas desnecessários, como fazer com que Nora Allen (Michelle Harrison), a mãe de Barry na Terra-1, seja Joan Williams, a esposa de Jay na Terra-3 ou usar a irmã de Allegra como a pessoa que tentava incriminar a jovem, a temporada consegue desenvolver, por enquanto, três tramas simultaneamente – Crise nas Infinitas Terras, casos da semana e a construção detalhada do antagonista Hemoglobina (Sendhil Ramamurthy) – sem ficar confusa ou tediosa. Com menos de dois meses para o crossover, The Flash vem preparando o terreno para o maior acontecimento até hoje no Arrowverse sem esquecer que tem seu próprio futuro para se preocupar.