Primeiras Impressões: Conheça Utopia, a série que une Stranger Things, Tarantino e pandemia

Créditos da imagem: Divulgação/Amazon Prime Video

Amazon Prime Video

Artigo

Utopia | Conheça a série que une Stranger Things, Tarantino e pandemia

Produção do Amazon Prime Video abraça cultura nerd em uma trama tragicamente certeira para 2020

Gabriel Avila
31.10.2020
11h00
Atualizada em
30.10.2020
18h54
Atualizada em 30.10.2020 às 18h54

Uma das principais apostas do Amazon Prime Video para este segundo semestre, Utopia chegou à plataforma nesta sexta (31) com um timing tragicamente pontual. Criado por Gillian Flynn (Garota Exemplar), esse suspense acompanha um grupo de nerds em busca de uma HQ que acreditam ter as respostas para uma pandemia viral que ameaça extinguir a humanidade. E faz isso de um modo que invoca uma nostalgia das aventuras dos anos 1980, ao mesmo tempo em que mira também em fãs de suspense com reviravoltas chocantes.

Essa mistura impressionou até mesmo os membros do elenco. Ao Omelete, Rainn Wilson descreveu a produção como Stranger Things misturado com Quentin Tarantino.Temos um grupo de personagens jovens saindo em uma aventura e, ao mesmo tempo, cabeças são cortadas e pessoas tomam tiros na cara”. Essa combinação fica clara logo nos três primeiros episódios de Utopia. Em primeiro lugar, é fácil ser cativado pelo grupo que parte em busca da HQ-título procurando respostas. É quase impossível não enxergar nos nerds uma dinâmica parecida com o grupo de Hawkins, além de referências que vão de IT - A Coisa a Goonies.

Em Utopia, o time também se une em busca de respostas para um mal maior que aponta para questões sobrenaturais. Sendo lançada em uma época que tem explorado a nostalgia da década de 1980 sem a menor vergonha, isso poderia facilmente transformar os personagens em clichês. Aqui, no entanto, o texto e a entrega do elenco levam a turma para outro caminho.

Não há exemplo melhor dessa mistura do que o conspirador Wilson Wilson. Paranoico a ponto de se negar a tomar café por medo de ser manipulado pela CIA (!), o personagem tinha tudo para se tornar uma grande caricatura, mas tanto o roteiro esperto quanto a entrega de Desmin Borges (Cara x Cara) o transformam em alguém com quem é possível nos identificarmos, tanto quanto a ambientalista Sam (Jessica Rothe), o descrente Ian (Dan Byrd) ou a carismática Becky (Ashleigh LaThrop).

Por outro lado, o destaque fica por conta de Jessica Hyde, garota saída diretamente das páginas de Utopia,que vem ao mundo real atrás do pai. Justamente por ter crescido em meio a um ambiente tão hostil quanto o da HQ, ela não sabe exatamente como lidar com as pessoas que cruzam seu caminho. Para a atriz Sasha Lane, a frieza foi uma característica importante para sua versão da personagem. “Ela está em modo de sobrevivência. Ela não sabe interagir com outras pessoas, mas não significa que esteja vazia por dentro", conta. "Ela é capaz de ter emoções, mas não sabe necessariamente lidar ou expressar isso. Acho que ela é humana, e apenas pensei puramente em ‘como seria ter emoções que você não sabe colocar pra fora?’”.

Partindo das experiências do grupo em busca da HQ, a série apresenta outros núcleos que aos poucos se somam à conspiração que paira no ar. Peças como o cientista fracassado Michael Stearns (Wilson), o bem-sucedido empresário Kevin Christie (John Cusack) e até mesmo a misteriosa - e excêntrica - dupla formada por Arby (Christopher Denham) e Rod (Michael B. Woods) ampliam o escopo do tabuleiro, deixando claro que o jogo é maior do que uma simples relação entre o enredo de um gibi e fatalidades do mundo real.

Com personagens apresentadas com calma - já que alguns de seus maiores nomes só aparecem lá para o terceiro episódio -, Utopia então mostra a que veio com uma série de reviravoltas chocantes. Aproveitando-se do apego emocional rapidamente estabelecido com o elenco, a produção é esperta ao pegar o espectador de guarda baixa. Isso, é claro, se deve muito à criadora e roteirista Gillian Flynn, brilhante escritora responsável por Garota Exemplar e Objetos Cortantes. Mais familiarizada com o formato televisivo, a autora volta em grande estilo, com uma mão forte que afasta sua criação da cultuada produção britânica que a inspira.

Afirmando que a nova versão de Utopia é um remake que altera o original ao adicionar coisas à história, John Cusack exalta o trabalho de Flynn em construir o suspense que conduz a trama. “Era fã de outros trabalhos de Gillian, então, quando ela ligou, fiquei ansioso para saber o que sua mente tinha feito ao reconceber a série britânica. Comecei a ler e não consegui parar, porque queria saber o que aconteceria em seguida”.

A situação de estar envolvido em uma versão norte-americana para um sucesso britânico não é estranha para Rainn Wilson, eternizado como o Dwight Schrute de The Office. “Utopia foi muito emocionante, porque tive outra oportunidade de pegar uma ótima premissa de série britânica e americanizá-la, ou seja, encontrar uma nova forma de encontrar uma audiência ainda maior. Os britânicos são ótimos contadores de história, já eram antes mesmo da época de Shakespeare, e continuam até hoje por meio do cinema e da TV”.

É uma pena que em seus primeiros episódios a nova Utopia escorregue justamente no ponto em que a anterior foi mais criticada: a violência gratuita. Após uma série de eventos naturalmente espantosos, há uma sequência de momentos perturbadores que parecem estar ali simplesmente para ampliar o boca a boca sobre a série, já que o próprio enredo mostra que grandes surpresas nem sempre precisam derramar uma gota de sangue para causar impacto.

Em apenas três episódios, Utopia mostra potencial para se tornar uma das grandes séries de 2020. Considerando que esse é um ano marcado pela trágica expansão do novo coronavírus, uma série que lida justamente com uma pandemia viral poderia parecer de mau gosto, mas a paixão de sua criadora, somada ao empenho do elenco, tornam essa uma produção que vale a pena ser vista. Misturando uma aventura cativante e um suspense verdadeiramente poderoso, a produção propõe uma visão alternativa e fantasiosa de problemas reais. Em tempos tão desesperadores, talvez isso já sirva de grande ajuda para quem precisa de uma válvula de escape.

Assista no Prime Video

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.