Norman Reedus e Lauren Cohan em cena do terceiro episódio/ Divulgação/ Jackson Lee Davis/ AMC

Créditos da imagem: Norman Reedus e Lauren Cohan em cena do terceiro episódio/ Divulgação/ Jackson Lee Davis/ AMC

Séries e TV

Artigo

The Walking Dead | Terceiro episódio mostra que a guerra ainda não acabou

Reflexos das decisões de Rick e Maggie definiram eventos que serão um problema para o projeto de paz do ex-xerife

Rafael Gonzaga
22.10.2018
16h30
Atualizada em
22.10.2018
19h52
Atualizada em 22.10.2018 às 19h52

O final da sétima temporada de The Walking Dead prometeu o fim a guerra entre os Salvadores e os aliados de Alexandria. Rick (Andrew Lincoln) finalmente capturou Negan (Jeffrey Dean Morgan) e optou por não executá-lo, inaugurando um novo tempo onde a barbárie não seria mais admitida. A estreia do nono ano parecia um prelúdio da comunidade utópica que o ex-xerife de Atlanta perseguiu por tanto tempo, mas “Warning Signs”, terceiro episódio da nova temporada, mostrou que as coisas não são tão simples. A trama deixou claro que alguns fantasmas da guerra que não vão ser exorcizados só com a boa vontade de Rick e que, no atual ponto da trama, é mais fácil que a recém estancada ferida volte a sangrar do que cicatrize definitivamente.

Aliás, vale pontuar que se a temporada seguir no ritmo dos trio de capítulos debutantes, The Walking Dead não cometerá o recorrente erro de alongar tramas por uma vários episódios: até agora, os ganchos deixados em um capítulo são resolvidos no próximo, que termina plantando algo para instigar o público a se manter curioso pelo que vem a seguir. É cedo para dizer, mas tem funcionado e pode resolver aquela sensação de lentidão que afastou parte dos espectadores nos últimos anos. A série não se tornou ágil, pelo contrário, os episódios seguem embalados por uma atmosfera de morosidade, a diferença é que, mesmo nesse cenário de bucolismo, as coisas acontecem.

A principal delas diz respeito ao assassinato misterioso de Justin (Zach McGowan), o Salvador que não fará a menor falta na trama. O episódio anterior introduziu o desaparecimento de antigos aliados de Negan e terminou mostrando que eles estavam sendo mortos por uma figura oculta. O enigma foi utilizado só para levar o espectador até o capítulo seguinte: a morte de Justin gerou a sensação de insegurança entre os Salvadores, proibidos de terem armas no acordo definido por Rick. Conforme o episódio avança, fica clara a complexidade das relações humanas que se estabeleceram no pós-guerra. Há um sentimento de injustiça que transborda de todos os lados, desde Salvadores que se sentem humilhados pela liderança de Rick até Alexandrinos que não se sentem devidamente vingados.

Nesse processo, Rick não deixa de ter sua autoridade respeitada, mas, pouco a pouco, vai deixando de ser o referencial principal dos sobreviventes - as pessoas se apegam a quem reflete melhor suas necessidades íntimas. É o que acontece com Maggie (Lauren Cohan), que vê a execução de Gregory (Xander Berkeley) se tornando um exemplo para quem ainda tem sede de vingança e resolve passar por cima das determinações de Rick. É interessante ver como esses processos se estabelecem de forma orgânica, já que as experiências de todos os envolvidos somadas ao caos do pós-apocalipse, de certo modo, justificam o comportamento dos sobreviventes.

Voltando ao ponto de The Walking Dead estar resolvendo suas questões que se arrastaram por muito tempo, uma delas é a relação de Anne/ Jadis (Pollyanna McIntosh) com o misterioso helicóptero. Muita coisa sobre o grupo do lixão foi deixada de lado e voltou a ser referenciada agora: uma delas é a marcação de letras A que já haviam sido vistas em latas de comida e no container onde Rick foi feito de prisioneiro. O suspense envolvendo Jadis está chegando perto de ser resolvido e há quem aposte que a mulher é, assim como a enigmática Georgie, são pontos introdutórios do arco dos quadrinhos intitulado Nova Ordem Mundial, que sucede os Sussurradores, e introduz a maior e mais desenvolvida comunidade já vista no universo criado por Robert Kirkman.

Como Andrew Lincoln e Lauren Cohan estão já com suas saídas anunciadas da série, as tramas de seus personagens nos quadrinhos estão sendo adiantadas - Maggie, por exemplo, resolveu suas pendências com Gregory já na estreia da nona temporada. Agora, será a vez de ver a viúva de Glenn encarando pessoalmente Negan. Mesmo atrás das grades, é assustador como a sombra do vilão segue sendo determinante na história. Resta saber se a de Rick é grande o suficiente para se sobrepor a ela - e isso deverá ficar claro no próximo episódio, que certamente exigirá do ex-xerife apertar alguns parafusos cruciais para que todo seu trabalho até agora não desmorone.

Já foi divulgado o teaser do próximo episódio de The Walking Dead, chamado "The Obliged" - assista aqui. O capítulo vai ao ar no dia 28 de outubro. No Brasil, o programa é transmitido pelos canais pagos Fox e Fox Premium e no serviço de streaming Fox App.